Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Não pode haver segredos nos salários dos servidores públicos



É legítimo que a administração pública divulgue os nomes de servidores e o valor de seus vencimentos, pois esse tipo de informação diz respeito a agentes estatais agindo nessa qualidade, sem ferir a vida privada.

A decisão é do STJ, ao permitir que a Assembleia Legislativa de São Paulo publique lista com os nomes e respectivos vencimentos de seus servidores.

O caso teve início com um mandado de segurança coletivo impetrado por um sindicato e duas associações que representam a categoria e são contra a divulgação dos salários, de forma nominal e individualizada, no Portal da Transparência — embora seja exigência da Lei de Acesso à Informação. (REsp nº 1.440.654).

Repercussão geral decidida pelo STF

É oportuno lembrar que, desde dois anos e meio atrás, há decisão do Supremo definindo que “a Administração Pública pode divulgar, inclusive pela internet, levantamento com o nome de servidores e os valores dos salários que eles recebem

Esse julgado do STF derrubou decisão do TJ de São Paulo que determinara a exclusão de informações do nome, etc. de uma servidora, no saite De Olho nas Contas. Ela sustentava que a legislação não determina a vinculação dos vencimentos ao nome do servidor, de forma individualizada.

O tema teve repercussão geral reconhecida em outubro de 2011, e a decisão acima foi aplicada no dia do julgamento (23 de abril de 2015) a 334 casos que estavam sobrestados no STF.

O acórdão assegura que “publicar a relação de quanto ganha cada servidor é uma medida plenamente legítima”. (ARE nº 652.777).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lula não tem direito a dar entrevistas

Juíza que tem jurisdição sobre a execução da pena imposta ao ex-presidente nega pedido da Folha de São Paulo, SBT e Portal Uol.

Foi-se a Copa?

Versos de Carlos Drummond de Andrade, logo depois da Copa do Mundo de 1978 (Argentina campeã), vaticinaram que os brasileiros (derrotados) podem cuidar de outros problemas. O que acontecerá se Tóffoli assumir a presidência do STF em agosto de 2018?

Assédio em transporte escolar

TJRS confirma, em reexame necessário, sentença cível que determinou afastamento do condutor de veículo oficial que conduzia estudantes. Mas no juízo criminal houve a ocorrência da prescrição punitiva.