Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Dois magistrados do Trabalho aposentados compulsoriamente



O Conselho Nacional de Justiça determinou na terça-feira (7) a aposentadoria compulsória do desembargador Vulmar de Araújo Coêlho Júnior e do juiz trabalhista Domingos Sávio Gomes dos Santos, ambos do TRT da 14ª Região, de Porto Velho (RO). O desembargador, à época corregedor do tribunal, foi punido por deslocar uma ação trabalhista ajuizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Rondônia (Sintero) contra a União.

Por uma aberração legal brasileira, os dois continuarão recebendo os seus salários. A proposta de alteração da Loman tramita há quase dois anos no STF. Em relação aos penduricalhos, ela suprime alguns, mantem vários e também acrescenta favores financeiros.

O processo foi deslocado da 2ª para a 7ª Vara, unidade em que o juiz Domingos Sávio atuava, com o intuito de manter o controle da ação, calculada em mais de R$ 5 bilhões. O objetivo seria a “satisfação interesse pessoal”. O pagamento do precatório chegou a ser suspenso pelo CNJ em 2012.

Além disso, o fato de os magistrados Vulmar e Domingos terem feito ameaças à integridade física de outros juízes e de uma servidora pesou na decisão do Plenário do CNJ. A gravidade do caso motivou, em 2012, decisão da ministra Laurita Vaz, do STJ, de afastá-los das funções e de proibir a entrada de ambos no prédio do TRT-14. Um dos magistrados relatou ter sido intimidado, com coação, inclusive, de familiares.

Contra o desembargador Vulmar havia ainda a acusação da venda irregular de um imóvel, com preço acima do valor de mercado, ao advogado que havia atuado na respectiva ação trabalhista.

Relator do PAD, o conselheiro Arnaldo Hossepian afirmou que essas atitudes dos dois magistrados “abalam a confiabilidade da sociedade no Poder Judiciário, pois as  condutas examinadas constituem atitudes incompatíveis com a dignidade, a honra e o decoro de suas funções” – afirmou. (Processo Administrativo Disciplinar nº 0007573-65.2013.2.00.0000 – com informações da Agência CNJ de Notícias).
Memória

Em junho, o CNJ já havia condenado à pena de aposentadoria compulsória a juíza Isabel Carla de Mello Moura Piacentini, do TRT-14, por pagamentos irregulares de precatórios. O processo investigou a conduta da magistrada quando estava à frente da 2ª Vara Trabalhista de Porto Velho/RO, após inquérito da Polícia Federal de Rondônia.

Segundo as investigações, encaminhadas ao STJ, a magistrada ordenou o pagamento de precatórios a 56 pessoas que já haviam recebido os mesmos valores devidos pelo estado de Rondônia. De acordo com o inquérito do STJ, a juíza teria ordenado em dezembro de 2010 pagamentos de dívidas do Estado sem verificar se os credores já haviam recebido os valores.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Roupa suja se lava em casa, ou no tribunal...

Depois do enfrentamento verbal Barroso x Gilmar no STF, agora as farpas são trocadas, por escrito, no TST entre o presidente Ives Gandra Martins Filho e o vice Emmanuel Pereira.

Um “agrado” para 37 mil autoridades

Sobe o índice de congestionamento do Judiciário brasileiro. Entrementes, o julgamento do fim do foro privilegiado perde espaço no STF e pode ficar para 2018. Ou para 2019...