Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

A legítima defesa da honra



Por Bernadete Kurtz, advogada (OAB/RS nº 6.937).

Maria Antonia era uma guria inquieta e curiosa.

Aos 10 anos de idade, quando não estava lendo, estava brincando com seu irmão, ou ajudando os pais em tarefas diversas.

Não lhe eram permitidas muitas brincadeiras com outras crianças, a não ser, quando estava na escola, fora do controle materno.

Com dez anos, ela ainda não sabia da existência de Albert Einstein, e muito menos de qualquer frase sua.

Quando mais crescida, e apresentada ao gênio, ao se deparar com uma frase sua que dizia: “A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original“.

Soube de imediato que aquilo lhe havia acontecido aos dez anos de idade!

Sua mente não fora apresentada a nenhuma nova ideia, de fato, mas presenciou e vivenciou  um fato que lhe marcou para sempre e sem sombra de dúvidas, influenciou  na sua forma de se portar perante a vida.

Naquela época, era usual as famílias sentarem nas calçadas no verão;  enquanto as crianças andavam em volta, os adultos mateavam e jogavam conversa fora.

Numa tarde, ali estavam todos distraídos naquela rotina descompromissada, quando passaram dois vizinhos, um muito gordo e alto, o outro muito magro e baixinho: eram compadres, e sempre estavam vestindo pijamas iguais, azuis, com risquinhas brancas - o que Maria Antonia achava estranho... não iam dormir!

Eles passavam ali todos os dias, na mesma hora, e iam conversando até o boteco da esquina, onde tomavam um traguinho e voltavam para suas casas, que eram lindeiras. Naquele dia a rotina foi quebrada!

Ao voltarem do boteco, parecia que vinham discutindo, e ao chegarem bem na frente da casa de Maria Antonia, o compadre baixinho e magrinho, tirou do bolso do pijama um revólver bem pequeninho, prateado, e atirou na cabeça do  gordo, que desabou na hora !

Foi um gritedo, as mães recolheram as crianças, e os pais foram tentar acudir!

O compadre gordo morreu, e o magrinho foi preso, mas não ficou muito tempo na cadeia; falavam que um advogado o soltara, num processo muito rápido (antigamente era assim...) por causa de uma tal de legítima defesa da honra...

Maria Antonia não sabia o que era aquilo, mas os vizinhos comentavam que o compadre gordo, andava se engraçando com a comadre, mulher do magrinho...

Aquilo nunca saiu da cabeça de Maria Antonia: como alguém pode matar outra pessoa, em nome de sua honra?

E aquele fato, fez com que Maria Antonia nunca mais fosse a mesma, pois pensava e pensava naquilo. Com o passar dos anos, ela foi entendendo o que era (in) justiça... e acabou advogada!

>>>>>>>>>>

Serviço Espaço Vital: "A Arte da Palavra 2017"

Ontem (9) foi o lançamento, na 63ª Feira do Livro, em Porto Alegre, de "A Arte da Palavra 2017", que representa a conclusão da Oficina de Criação Literária Alcy Cheuiche e Paulo Flávio Ledur. No livro estão quatro contos de cada um dos 10 alunos da Oficina.

Bernadete Kurtz – que de vez em quando aqui comparece com os seus textos jocosos e/ou veementes e com suas posições de advogada intimorata - disse ao editor deste saite que “nunca pensara em escrever nada, além das duas muitíssimas peças processuais e de algum trabalho jurídico e textos no Espaço Vital”.

E fez um breve relato:

Mas por estas coisas que acontecem nas nossas vidas, acabei numa oficina literária. Li muito, toda a minha vida, pois comecei aos cinco anos, quando aprendi a entender na Seleta em Prosa e Verso. Descobri agora, aos 70 anos, que ler e escrever são um ótimo calmante e lenitivo contra todas as dores”.

Seguramente, por saudade do Reginald Felker, seu companheiro de décadas, que nos deixou em 26 de abril deste ano.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Mila Cristal - Foto (divulgação) de PMR Advocacia

A OAB sem rumo

 

A OAB sem rumo

“Numa discussão constrangedora que tomou horas da pauta do Conselho Federal, alguns colegas, majoritariamente homens, expuseram para o conjunto da sociedade brasileira a forma patriarcal como ainda tratam as mulheres, como se ainda estivessem em séculos passados”. Artigo de Paulo Petri, advogado (nº 57.360), pré-candidato à presidência da OAB-RS.

Políticas de austeridade, trabalho pobre e desigualdades

A advocacia trabalhista em pauta em Porto Alegre, nos dias 27 e 28 de setembro, no Congresso Estadual da Agetra. Artigo de Francisco Trillo, professor de Direito do Trabalho e Previdência Social, da Universidad de Castilla-La Mancha.

Juízes e administradores

O vice-presidente do TRT da 4ª Região (RS), Ricardo Carvalho Fraga, expõe - com exclusividade para os leitores do Espaço Vital – suas ideias sobre recursos de revista, conciliações, novas regras legais e seminário sobre recursos. Um texto de interesse de advogados trabalhistas, reclamantes e reclamados(as).

O Governo, a incompetência e suas agências

“Os brasileiros foram ´brindados´, esta semana, pela criação de mais uma agência. Está aberta a...ABRAM – Agência Brasileira de Museus!”. Artigo do advogado Marcelo Santagada de Aguiar, advogado (OAB-RS nº 41.900).