Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Juiz do Trabalho esclarece sobre sua inocência ante denúncias de corrupção



O juiz do Trabalho (TRT-4) Claudio Scandolara enviou ontem (30) e-mail ao Espaço Vital, historiando que “por três anos fui amargamente objeto de investigação por ato que não cometi, tanto que sofri a ´pecha de corrupto´e fui alvo de todas as averiguações possíveis e existentes”.

Dizendo-se “ciente de que a verdade prevaleceria”, o magistrado comunicou o teor das decisões da Polícia Federal, da Procuradoria-Geral da República e da desembargadora federal relatora, todas num só sentido: inexistência sequer de indícios de prática de delito.

Scandolara frisa que, para conhecimento público, faz “espontaneamente estes esclarecimentos, em apertada síntese, porque após um longo período ´sombrio, foi amplamente comprovada minha inocência”.

Ele se refere a uma “trama sórdida em que fui injustamente envolvido” e relata que “houve medida engendrada na seara criminal pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal, por meio do inquérito policial nº. 0396/2014-4-SR/DPF/RS”.

Scandolara menciona que, após a oitiva de 75 testemunhas e demais provas documentais e orais, ficou assim pontuado:

a)   Conclusão policial de que “não encontramos quaisquer indícios de que o fato investigado tenha efetivamente ocorrido”.
(delegado de Polícia Federal Fernando Schwengber Casarin).

b)  Arquivamento de processo administrativo disciplinar pelo TRT-4.

c)   Em face do foro privativo, decisão da desembargadora federal Cláudia Cristina Cristofani:  “Acolho a promoção ministerial e determino o arquivamento do presente procedimento investigatório”. (Proc. nº 5015478-18.2017.4.04.0000)

O magistrado Scandolara diz que “em síntese, o juiz no pleno exercício de suas atividades jurisdicionais não pode ser penalizado pelo teor das decisões que proferir, sob pena de tolher a atuação do magistrado e em especial o princípio da imparcialidade – que é essencial à atividade jurisdicional, na forma do art. 41 da Lei Complementar nº 35/79”.

Leia a íntegra dos esclarecimentos do juiz Claudio Scandolara


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Ceará News

Um plantão que vendia liminares na corte estadual

 

Um plantão que vendia liminares na corte estadual

CNJ “pune” com aposentadoria o desembargador Carlos Rodrigues Feitosa (foto) do Tribunal de Justiça do Ceará. O grupo criminoso negociava, inicialmente, via WhatsApp e a soltura de criminosos custava de R$ 50 mil a R$ 500 mil. Advogados envolvidos, inclusive um filho do magistrado, respondem a ação penal.

Por “uma Justiça melhor”, Brasil sediará a 9ª Conferência da IACA

Será de 16 a 19 de setembro em Foz do Iguaçu. “Tolerância zero para a corrupção” é um temas do evento. Presidente da Suprema Corte da Suécia fará a conferência de abertura. Brasileiro Sérgio Moro palestrará sobre “Combate permanente à corrupção no mundo”.