Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Demissão de servidor público que simulou um acordo em ação trabalhista



Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho (Reprodução ampliada de https://dejt.jt.jus.br/dejt/f/n/diariocon)

Imagem da Matéria

Demissão de servidor público

Portaria assinada pela presidente do TRT-RS, Beatriz Renck, aplicou a demissão do serviço público ao servidor Arion da Silva Dias. Concursado como técnico judiciário, ele tinha sido preso em flagrante, no dia 14 de março, ao tentar ilicitamente sacar valores, após falsificar documentos de um trabalhador e simular um acordo, nos autos de uma ação que tramita na Vara do Trabalho de Guaíba (RS).

Na época, a Polícia Federal cumpriu buscas nas residências do servidor e de sua namorada e na sala em que ele trabalhava na unidade judiciária.

Durante as diligências, também foi flagrado que Arion possuía uma arma em situação irregular de registro. Arion segue respondendo a uma ação penal na Justiça Federal.

Ontem, a Vara do Trabalho de Guaíba respondeu laconicamente a um pedido de informação do Espaço Vital: “Ele não trabalha mais aqui”. (Portaria nº 5.721 de 18.10.2017).

A propósito: a publicação teve pouco destaque e foi de difícil localização no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho. E o Espaço Vital não encontrou nada às claras, no saite do próprio TRT-RS.

Das redes sociais

• “A Lava Jato não mete mais medo em Brasília. Os graúdos da política aproveitam recuos do Supremo, acumulam vitórias e retomam território para a impunidade”.

• “Depois do apartamento de Geddel, entendi porque Lula queria um tríplex”.

• “Comparação: se Aécio é inocente, Beira-Mar para presidente”.

• “Vivemos a maior transferência de renda da História do Brasil. Mas dos pobres para os ricos”.

Avaliação irreprimível

“O modelo político atual incentiva o pior nas pessoas. O Brasil precisa desesperadamente de uma reforma política. Com o atual patamar, a política vai continuar não representativa da sociedade e incapaz de atrair os bons, incapaz de atrair novas vocações”.

(De Luís Roberto Barroso, ministro do STF, em palestra).

A propósito

O modelo político atual incentiva o pior nas pessoas. Relembrem apenas cinco fatos, dentre uma centena, ou mais, de possíveis:

1. Michel Temer foi denunciado duas vezes por corrupção;
2. Lula foi condenado criminalmente em primeiro grau;
3. Fernando Collor teve a denúncia contra si recebida há dois meses;
4. A colaboração premiada da Odebrecht envolveu 20 partidos e dezenas de políticos;
5. A delação da JBS apontou mais de 20 partidos e mais de 1.500 políticos.

A propósito: após a decisão do Senado devolvendo o mandato de Aécio Neves, políticos miram agora outra votação importante que vem aí: o reexame pelo Supremo Tribunal Federal da prisão de réus condenados em segunda instância.

Obter a revisão da medida é crucial para muitos candidatos às eleições de 2018.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Mais 24 anos e dois meses de poder para Toffoli

 Se não quiser, antes, se aposentar voluntariamente, o atual presidente do STF será ministro até 14 de novembro de 2042, véspera de seu 75º aniversário.

 O atual decano Celso de Mello pode chegar a 30 anos, um mês e 22 dias em atividade na Suprema Corte.

 Presidente do BNDES admite que “foi um erro o banco ter concedido empréstimos para exportações a países como Cuba e Venezuela”.

 Uma ação do Botafogo cobra, no Rio, R$ 50 milhões do ex-presidente Maurício Assumpção por má gestão.

 No RS não se fala mais na devassa das contas do ex-presidente do Inter.

Política irracional brasileira: Congresso prepara a criação de 400 novos municípios

 O jeitinho de políticos locais na criação dos próprios distritos eleitorais: 400 novos cargos de prefeito, outro tanto de vice-prefeitos, no mínimo 2.000 secretários e 3.600 vereadores. Mais os assessores e os penduricalhos.

 No STJ, uma ação da Apple contra a Gradiente, discutindo o direito do uso da marca iPhone no Brasil.

 A desvantagem de ser condenado por corrupção e a vantagem de receber uma pena por “caixa 2”.

O Grêmio Porto-Alegrense entra para o seleto grupo de “três clubes brasileiros que alcançaram o equilíbrio financeiro”.

Fraudes para ressuscitar prazos processuais perdidos

 O esquema lesou um banco, várias agências dos Correios e a prestação jurisdicional.

• Depois da condenação pelo TRF-4, Lula ingressou com 17 recursos. Um a cada 13 dias.

 Como a Justiça dos EUA trata advogados que defendem criminosos.

 Crise na Argentina derruba a fabricante dos incomparáveis sorvetes Freddo.

União pagará transplante quádruplo de criança brasileira nos EUA

• Menino de três anos precisa receber novos estômago, intestino, baço e fígado para sobreviver a uma síndrome rara. No Brasil, esse tipo de cirurgia é feito somente em adultos.

• Cármen Lúcia arquiva os pedidos de suspeição e impedimento contra Gilmar Mendes.

• Mudança na jurisprudência trabalhista. Decisão do TST concede adicional de insalubridade a camareira de hotel.

Olho vivo em suposta pesquisa sobre as eleições da Ordem gaúcha!

E-mail maroto - que se “identifica” como OabRsEleição2018 – pede a participação de advogados.

Senado aprova projeto de lei que extingue o reconhecimento de assinaturas e a autenticação de documentos.

Ex-sócio da Empiricus, preso pelo FBI, também lesou o grupo Zaffari (RS). Enquadramento penal prevê reclusão que pode chegar a 70 anos.

Afinal, o que é “empírico”?...

Afinal, Ronaldo Fenômeno rende-se à Justiça e paga indenização (R$ 100 mil) a jornalista gaúcho

  Origem da ação remonta a uma “folgazã folgada da folia”, em boate da Coréia do Sul, durante a Copa de 2002, quando José Aveline Neto tentava clicar Ronaldinho Gaúcho dançando no colo de acompanhantes.

  Mais futebol: uma ação de universidade paulista contra a CBF. Tite, por seu desempenho como “garoto propaganda”, é o pivô da controvérsia.

  Uma indenização de R$ 21 milhões para o Icasa (clube do Ceará) que não subiu para a Série A por causa de um erro da CBF.

  E o “futebol jurídico-político” que alcança o ex-prefeito de Osório Romildo Bolzan Júnior, atual presidente do Grêmio. Condenação em ação civil pública fica próxima dos R$ 4,5 milhões.