Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017

A defesa da honra



Em comarca do Interior gaúcho, final da tarde de uma sexta-feira primaveril e ventosa, o juiz ainda presente no fórum (na época coisa rotineira; hoje, raríssima), quando chegaram os autos de um inquérito em que o delegado propunha o arquivamento.

O relatório referia que os policiais haviam investigado “um homicídio, de autoria desconhecida”. Fora encontrado morto num potreiro, um agricultor trintão, solteiro, boa compleição física, sem inimigos conhecidos.

A infausta ocorrência fora informada à delegacia por um vizinho - depois de uma cavalgada de 10 quilômetros. É que, na época não havia celular e a telefonia convencional era, regra geral, um caos.

A cidade era de violência zero e nada indicava que o homem tivesse sido vítima de latrocínio ou vingança. Arguto, o delegado determinara um exame necroscópico e um minucioso levantamento fotográfico do local. A tanto, foi convocado o melhor retratista da cidade, que na época usava uma Rolleyflex, já a meio-caminho de tornar-se obsoleta.

Quando chegaram as respostas aos quesitos e as fotografias, o delegado não teve dúvidas sobre a autoria.

É que o perito médico, os investigadores e até o fotógrafo apresentaram detalhes convergentes: "O exame cadavérico constatou lesões internas; no peito da vítima havia uma marca semicircular, em formato de ferradura. Próximo dali foi encontrada uma égua pastando. E quase junto ao corpo inerte, o que fora um montinho de tijolos - todos eles espalhados num raio de 1m50".

O juiz determinou vista ao Ministério Público. O promotor leu, sorriu, matutou, lançou parecer concordando com o arquivamento e foi levar os autos, em mãos, ao gabinete do magistrado, na segunda-feira.

Os dois operadores do Direito afinaram no ponto: "Necessidade do arquivamento, ante as circunstâncias do fato".

O escrivão aproveitou para palpitar: “Mesmo porque, se fosse o caso de ser tipificado como crime, era evidente ter ocorrido legítima defesa da honra”.

Da égua, é claro...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Predileção por lâmpadas vermelhas

 

Predileção por lâmpadas vermelhas

O equívoco cometido por um juiz que se preparava para assumir a jurisdição. Era meados de dezembro. Ao, pela primeira vez, subir a Serra Gaúcha, “encantou-se” com insinuantes luzes vermelhas que adornavam a fachada da casa de uma tradicional família italiana.

Charge de Gerson Kauer

O que (também) se faz no casamento?

 

O que (também) se faz no casamento?

Era o julgamento de uma apelação que buscava a anulação de um casamento, porque o homem se recusava ao relacionamento sexual. Até que o desembargador vogal descontraiu a discussão jurídica: “Dentre as finalidades do casamento está o relacionamento sexual - embora ninguém case só para isso, mas case também para isso”.

Charge de Gerson Kauer

Audiência de acareação

 

Audiência de acareação

Defronte ao juiz, no foro e perante os habituais personagens da cena forense, quase um engano atroz da idosa vítima de um crime sexual. Ela não identifica o preso como o autor da violência. E, espantosamente, ela passa a desconfiar do advogado de defesa!...

Charge de Gerson Kauer

O advogado, a juíza e o galo eficaz

 

O advogado, a juíza e o galo eficaz

É época de grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um profissional da advocacia (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe. De repente, aproxima-se uma magistrada – conhecida dele - que denotava felicidade.

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

 

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

De repente, bateu o telefone no quartel da Brigada, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz reclamante denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram ao aniversário do meu filho”.

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.