Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

A defesa da honra



Em comarca do Interior gaúcho, final da tarde de uma sexta-feira primaveril e ventosa, o juiz ainda presente no fórum (na época coisa rotineira; hoje, raríssima), quando chegaram os autos de um inquérito em que o delegado propunha o arquivamento.

O relatório referia que os policiais haviam investigado “um homicídio, de autoria desconhecida”. Fora encontrado morto num potreiro, um agricultor trintão, solteiro, boa compleição física, sem inimigos conhecidos.

A infausta ocorrência fora informada à delegacia por um vizinho - depois de uma cavalgada de 10 quilômetros. É que, na época não havia celular e a telefonia convencional era, regra geral, um caos.

A cidade era de violência zero e nada indicava que o homem tivesse sido vítima de latrocínio ou vingança. Arguto, o delegado determinara um exame necroscópico e um minucioso levantamento fotográfico do local. A tanto, foi convocado o melhor retratista da cidade, que na época usava uma Rolleyflex, já a meio-caminho de tornar-se obsoleta.

Quando chegaram as respostas aos quesitos e as fotografias, o delegado não teve dúvidas sobre a autoria.

É que o perito médico, os investigadores e até o fotógrafo apresentaram detalhes convergentes: "O exame cadavérico constatou lesões internas; no peito da vítima havia uma marca semicircular, em formato de ferradura. Próximo dali foi encontrada uma égua pastando. E quase junto ao corpo inerte, o que fora um montinho de tijolos - todos eles espalhados num raio de 1m50".

O juiz determinou vista ao Ministério Público. O promotor leu, sorriu, matutou, lançou parecer concordando com o arquivamento e foi levar os autos, em mãos, ao gabinete do magistrado, na segunda-feira.

Os dois operadores do Direito afinaram no ponto: "Necessidade do arquivamento, ante as circunstâncias do fato".

O escrivão aproveitou para palpitar: “Mesmo porque, se fosse o caso de ser tipificado como crime, era evidente ter ocorrido legítima defesa da honra”.

Da égua, é claro...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Distribuição de chupeta (s)

 

Distribuição de chupeta (s)

A entrega de chupeta a um médico que, em audiência, se opunha à pensão alimentícia que teria que pagar. Mas - segundo a “rádio-corredor” forense - os bicos ortodônticos também eram oferecidos pelo juiz a advogados com quem ele estaria em linha de confronto jurídico. 

Charge Gerson kauer

Mulher juíza, não!

 

Mulher juíza, não!

Caro leitor(a), palpite onde ocorreu. Envie o cupom eletrônico, depois de ler a história de um ´machista´ que – durante audiência - deixou em polvorosa uma magistrada, uma promotora, uma defensora pública, uma escrevente e uma estagiária. Ele era acusado de crime ambiental: maus tratos contra o seu próprio cavalo.

Charge de Gerson Kauer

   Recurso especial com sabor de queijo francês

 

Recurso especial com sabor de queijo francês

Não se tratou do já tolerado erro do “copia e cola”. Era uma folha à parte, íntegra e autêntica, contendo um ensinamento culinário: “Em uma tigela, misture três tomates maduros, três colheres de azeite e três colheres de manjericão fresco picado”.

Gerson Kauer

Reunião da turma de Direito

 

Reunião da turma de Direito

Por que, de 1988 a 2018, o mesmo grupo de advogados (as), magistrados(as) e promotores(as) decidiu, a cada dez anos, sempre comemorar o aniversário de formatura na... churrascaria Picanha Excelência.

Charge de Gerson Kauer

Barbatimão jurídico

 

Barbatimão jurídico

Em processo de divórcio litigioso, o estagiário – que sempre faz minuciosos projetos de sentença - deparou-se, estupefato, em meio às petições, com uma confidência que um dos advogados da causa fizera à sua dileta noiva. Era mais um caso de erro do “copia e cola”

Charge de Gerson Kauer

Exagero na relação conjugal

 

Exagero na relação conjugal

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – ele cinquentão, ela quarentona - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal