Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 20 de fevereiro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Um caos jurídico para os leigos



Chargista Clayton Rebouças – Jornal O Povo (CE)

Imagem da Matéria

Degradação do Judiciário

Foi uma sessão pesada, horas a fio, anteontem (10) no Supremo: muito juridiquês, não faltando a afetação verbal do ministro Marco Aurélio, voltando a falar em Direito ´Penaarr´; no final, houve a ´curva´ presidencial.

Foram teses antagônicas, que o editor tenta resumir, aqui, em duas frases extraídas do exaustivo palavrório. Luís Roberto Barroso sustentando – como parece querer a sociedade – estar na hora de brecar a ideia de que “o crime é permitido para certas pessoas”. E Dias Toffoli – como desejam os políticos - saindo pelo viés de que “a Constituição veda a prisão provisória para preservar mandato”.

Talvez sabendo que caberia a ela desempatar, a presidente Cármen Lúcia levou o voto pronto. Começou dizendo que “imunidade não é sinônimo de impunidade” e que acompanharia “em quase tudo o voto do relator Edson Fachin”. Mas...

... Nesse “quase tudo”, a ministra deu uma guinada final, divergindo no essencial: colocou o destino de Aécio no colo do Senado. Ela leu somente um resumo confuso do maço de folhas impressas, que tinha às mãos. Foi uma solução meio ´sem jeito´, que até os doutos colegas de mesa tiveram dificuldades em compreender.

Assistindo o julgamento completo na Globo News ou vendo os telejornais com ´longos resumos´ sobre a decisão, o público comum constatou que se nem os onze ministros se entendiam, só poderia, mesmo, ter sobrado um caos jurídico para os leigos.

No ponto, o decano Celso de Mello deixou um alerta: “Haverá uma degradação do Judiciário e uma afronta à separação de poderes, se o Legislativo puder rever decisões judiciais”.

A propósito

Duas frases pinçadas, ontem (12), das redes sociais:

•      “Cármen Lúcia amarelou e permitiu que o Supremo se ajoelhe diante do Congresso”.
•      “Um poder que pode, mas só se o outro concordar, é poder de faz de conta”.

Um escudo para políticos

O procurador da Lava-Jato Deltan Dallagnol, em seu perfil no Facebook, protestou contra  a vitória dos políticos (6x5) contra a sociedade. Poucos minutos após o encerramento do julgamento, ele postou duas frases contundentes:  

a)   “Não surpreende que, anos depois da Lava Jato, os parlamentares continuem praticando crimes: estão sob suprema proteção”;

b)  “Parlamentares têm foro privilegiado, imunidades contra prisão e agora uma nova proteção: um escudo contra decisões do STF, dado pelo próprio STF”.

Cobrança de consumidor inadimplente

O STJ publicou a edição nº 611 do Informativo de Jurisprudência, com destaque para dois temas.

O primeiro trata de julgamento da 3ª Turma em que ficou decidido que “a previsão, em cláusula contratual, de repasse dos custos administrativos da instituição financeira com as ligações telefônicas dirigidas ao consumidor inadimplente não configura abuso”.

O outro é da 5ª Turma, que definiu que “o pagamento de débito tributário, ainda que posterior ao advento do trânsito em julgado da sentença penal condenatória, é causa de extinção da punibilidade”.


Comentários

Antonio Segetto - Contador 13.10.17 | 12:46:06

Pela isonomia, traficantes condenados pelo Judiciário deverão cumprir suas penas apenas após o aval dos seus comparsas. Abram os portões...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Sete anos sem resposta para a fraude dos alvarás judiciais

 Ação penal sobre desvios de dinheiro está esquecida em alguma prateleira da 2ª Vara Criminal de Caxias do Sul.

• O estratégico “um mês a mais” na condenação de Lula a 12 anos de prisão. Uma conclamação a advogados penalistas.

• Jair Bolsonaro diz como resolveria o predomínio da bandidagem na Rocinha...

• Por que a audiência do canal Sexy Hot está em alta?

Uma conversa captada em elevador de uma Corte do Sul: “Advogada é bicho cruel”...

 O súbito pânico de homens adúlteros que jantavam tranquilamente numa quinta-feira de verão.

 O Facebook prefere se defender nos Estados Unidos. E contrata o ministro aposentado Ayres Britto para atuar no Supremo brasileiro.

 O quanto STF, STJ e Congresso gastam nas salas vips do Aeroporto de Brasília.

Em defesa da marca “IVI – Imprensa Vermelha Isenta”

O engenheiro Ricardo Wortmann, blogueiro da Corneta do RW, notifica extrajudicialmente o radialista Pedro Ernesto Denardin, da RBS.
O séquito de Temer e Marcela, no Carnaval no Rio, tem 40 pessoas.
Carlos Marun deixa as feições de pitbull: “Sou apaixonado por mim como político”.

Condenação criminal de advogado gaúcho por assédio sexual contra estagiária

São pelo menos cinco ocorrências comprovadas. O acusado tem 60 de idade e era também conselheiro tutelar.
 Uma aterrissagem jurídica do Ministério Público na poderosa Decolar.com : preços para clientes brasileiros são mais caros.
 TST julgará bilionário recurso sobre as horas extras na Petrobras.
 O espantoso emagrecimento dos irmãos Batista na carceragem da Polícia Federal.

Ilegalidade, imoralidade e lesividade em empreendimento imobiliário em Canela (RS)

• Condenação da empresa Maiojama Participações em R$ 25,9 milhões. Valor atualizado se aproxima dos R$ 39 milhões. Ação popular ajuizada por advogado está relacionada com o empreendimento imobiliário Reserva da Serra.

• TJRS arquiva representação da OAB gaúcha contra o desembargador Sylvio Baptista Neto: a expressão ´advogados de porta de cadeia´ foi apenas “um verdadeiro desabafo”.

• Hotel Embaixador de Porto Alegre vence ação contra Hotel Embaixador Inn, de Itajubá (MG).

A busca de Lula por uma liminar em habeas corpus

·A delação de Palocci está próxima e poder fazer tremer o PT.
·US$ 40 milhões que vieram do Exterior para a campanha de 2002.
·Improcedência de ação de Michel Temer contra Joesley Batista.