Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Um caos jurídico para os leigos



Chargista Clayton Rebouças – Jornal O Povo (CE)

Imagem da Matéria

Degradação do Judiciário

Foi uma sessão pesada, horas a fio, anteontem (10) no Supremo: muito juridiquês, não faltando a afetação verbal do ministro Marco Aurélio, voltando a falar em Direito ´Penaarr´; no final, houve a ´curva´ presidencial.

Foram teses antagônicas, que o editor tenta resumir, aqui, em duas frases extraídas do exaustivo palavrório. Luís Roberto Barroso sustentando – como parece querer a sociedade – estar na hora de brecar a ideia de que “o crime é permitido para certas pessoas”. E Dias Toffoli – como desejam os políticos - saindo pelo viés de que “a Constituição veda a prisão provisória para preservar mandato”.

Talvez sabendo que caberia a ela desempatar, a presidente Cármen Lúcia levou o voto pronto. Começou dizendo que “imunidade não é sinônimo de impunidade” e que acompanharia “em quase tudo o voto do relator Edson Fachin”. Mas...

... Nesse “quase tudo”, a ministra deu uma guinada final, divergindo no essencial: colocou o destino de Aécio no colo do Senado. Ela leu somente um resumo confuso do maço de folhas impressas, que tinha às mãos. Foi uma solução meio ´sem jeito´, que até os doutos colegas de mesa tiveram dificuldades em compreender.

Assistindo o julgamento completo na Globo News ou vendo os telejornais com ´longos resumos´ sobre a decisão, o público comum constatou que se nem os onze ministros se entendiam, só poderia, mesmo, ter sobrado um caos jurídico para os leigos.

No ponto, o decano Celso de Mello deixou um alerta: “Haverá uma degradação do Judiciário e uma afronta à separação de poderes, se o Legislativo puder rever decisões judiciais”.

A propósito

Duas frases pinçadas, ontem (12), das redes sociais:

•      “Cármen Lúcia amarelou e permitiu que o Supremo se ajoelhe diante do Congresso”.
•      “Um poder que pode, mas só se o outro concordar, é poder de faz de conta”.

Um escudo para políticos

O procurador da Lava-Jato Deltan Dallagnol, em seu perfil no Facebook, protestou contra  a vitória dos políticos (6x5) contra a sociedade. Poucos minutos após o encerramento do julgamento, ele postou duas frases contundentes:  

a)   “Não surpreende que, anos depois da Lava Jato, os parlamentares continuem praticando crimes: estão sob suprema proteção”;

b)  “Parlamentares têm foro privilegiado, imunidades contra prisão e agora uma nova proteção: um escudo contra decisões do STF, dado pelo próprio STF”.

Cobrança de consumidor inadimplente

O STJ publicou a edição nº 611 do Informativo de Jurisprudência, com destaque para dois temas.

O primeiro trata de julgamento da 3ª Turma em que ficou decidido que “a previsão, em cláusula contratual, de repasse dos custos administrativos da instituição financeira com as ligações telefônicas dirigidas ao consumidor inadimplente não configura abuso”.

O outro é da 5ª Turma, que definiu que “o pagamento de débito tributário, ainda que posterior ao advento do trânsito em julgado da sentença penal condenatória, é causa de extinção da punibilidade”.


Comentários

Antonio Segetto - Contador 13.10.17 | 12:46:06

Pela isonomia, traficantes condenados pelo Judiciário deverão cumprir suas penas apenas após o aval dos seus comparsas. Abram os portões...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Mais 24 anos e dois meses de poder para Toffoli

 Se não quiser, antes, se aposentar voluntariamente, o atual presidente do STF será ministro até 14 de novembro de 2042, véspera de seu 75º aniversário.

 O atual decano Celso de Mello pode chegar a 30 anos, um mês e 22 dias em atividade na Suprema Corte.

 Presidente do BNDES admite que “foi um erro o banco ter concedido empréstimos para exportações a países como Cuba e Venezuela”.

 Uma ação do Botafogo cobra, no Rio, R$ 50 milhões do ex-presidente Maurício Assumpção por má gestão.

 No RS não se fala mais na devassa das contas do ex-presidente do Inter.

Política irracional brasileira: Congresso prepara a criação de 400 novos municípios

 O jeitinho de políticos locais na criação dos próprios distritos eleitorais: 400 novos cargos de prefeito, outro tanto de vice-prefeitos, no mínimo 2.000 secretários e 3.600 vereadores. Mais os assessores e os penduricalhos.

 No STJ, uma ação da Apple contra a Gradiente, discutindo o direito do uso da marca iPhone no Brasil.

 A desvantagem de ser condenado por corrupção e a vantagem de receber uma pena por “caixa 2”.

O Grêmio Porto-Alegrense entra para o seleto grupo de “três clubes brasileiros que alcançaram o equilíbrio financeiro”.

Fraudes para ressuscitar prazos processuais perdidos

 O esquema lesou um banco, várias agências dos Correios e a prestação jurisdicional.

• Depois da condenação pelo TRF-4, Lula ingressou com 17 recursos. Um a cada 13 dias.

 Como a Justiça dos EUA trata advogados que defendem criminosos.

 Crise na Argentina derruba a fabricante dos incomparáveis sorvetes Freddo.

União pagará transplante quádruplo de criança brasileira nos EUA

• Menino de três anos precisa receber novos estômago, intestino, baço e fígado para sobreviver a uma síndrome rara. No Brasil, esse tipo de cirurgia é feito somente em adultos.

• Cármen Lúcia arquiva os pedidos de suspeição e impedimento contra Gilmar Mendes.

• Mudança na jurisprudência trabalhista. Decisão do TST concede adicional de insalubridade a camareira de hotel.

Olho vivo em suposta pesquisa sobre as eleições da Ordem gaúcha!

E-mail maroto - que se “identifica” como OabRsEleição2018 – pede a participação de advogados.

Senado aprova projeto de lei que extingue o reconhecimento de assinaturas e a autenticação de documentos.

Ex-sócio da Empiricus, preso pelo FBI, também lesou o grupo Zaffari (RS). Enquadramento penal prevê reclusão que pode chegar a 70 anos.

Afinal, o que é “empírico”?...

Afinal, Ronaldo Fenômeno rende-se à Justiça e paga indenização (R$ 100 mil) a jornalista gaúcho

  Origem da ação remonta a uma “folgazã folgada da folia”, em boate da Coréia do Sul, durante a Copa de 2002, quando José Aveline Neto tentava clicar Ronaldinho Gaúcho dançando no colo de acompanhantes.

  Mais futebol: uma ação de universidade paulista contra a CBF. Tite, por seu desempenho como “garoto propaganda”, é o pivô da controvérsia.

  Uma indenização de R$ 21 milhões para o Icasa (clube do Ceará) que não subiu para a Série A por causa de um erro da CBF.

  E o “futebol jurídico-político” que alcança o ex-prefeito de Osório Romildo Bolzan Júnior, atual presidente do Grêmio. Condenação em ação civil pública fica próxima dos R$ 4,5 milhões.