Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 25 de setembro de 2018.

O “Doutor Encoxador”



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O médico com 66 de idade, consultório bem instalado em prédio central que leva o nome de uma estrela fixa de primeira grandeza, é conhecido - na cidade de 200 mil habitantes - como ortopedista e traumatologista. Também presta frequentes exames admissionais de emprego ao comércio e indústrias da cidade. Foi nessa última atividade que ele passou a gozar má fama de abusador.

Independente de um precedente já coberto pela prescrição, duas mulheres modernas e corajosas - que não se conheciam entre si e não trabalham na mesma empresa - chegaram à polícia com versões semelhantes e um desabafo igual: “O Doutor é um encoxador”!

Os depoimentos colhidos pela delegada, em momentos diferentes, coincidiram na essência: o doutor se achegava por trás, mandava as pacientes levantarem-se, abrirem a blusa e respirarem fundo e... zás, lá se ia rápido com a mão boba, sutiã a dentro, enquanto atacava também por baixo.

Segundo a denúncia, “o médico ordenava que as pacientes mantivessem respiração ofegante, também encoxando-as, enquanto introduzia sobre seus seios uma de suas mãos, alegando tal ser necessário para o perfeito exame de toque aferidor dos pulmões”.

Uma das vítimas do abuso – antes de se arrancar consultório a fora – deu o estrilo que foi ouvido na sala de espera: “Esse tipo de exame quem faz comigo é só o meu marido”. E logo acorreu à delegacia de polícia.

Ao aplicar sete anos de reclusão, em regime inicial semiaberto a sentença reconheceu que “a prova é firme e segura sobre os abusos sexuais contra as pacientes, de regra mulheres obreiras necessitadas de um laudo médico para poder trabalhar”.

Houve apelação. Na câmara criminal, a desembargadora relatora foi mão-suave, reduzindo a pena a quatro anos e três meses, a pretexto de “ter subsistido apenas a tez negativa das consequências”.

Apenas?!...

Em liberdade, enquanto esgota recursos aos tribunais superiores, o “Doutor Encoxador” segue trabalhando. Mas as mulheres da cidade já se reuniram na igreja próxima ao consultório médico, para combinarem a propagação da ficha suja dele.

Por enquanto, ele segue impoluto nas hostes corporativas do Conselho Regional de Medicina.


Comentários

Otavio Corrêa - Advogado 03.10.17 | 18:35:15

Ué, Dr.Sérgio de Argollo Mendes ! A verdade não faz mais bem à saúde ?

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

   Castigo financeiro e caligráfico

 

Castigo financeiro e caligráfico

Autor de 45 ligações obscenas a uma massagista, um homem torpe foi condenado a pagar reparação moral. A vítima concordou em reduzir e parcelar o valor indenizatório só depois que o depravado capitulou: teve que escrever 200 vezes, em apurada caligrafia, que as mulheres devem ser respeitadas.

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer.