Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Shopping Praia de Belas deve construir creche própria para lactantes



O Shopping Praia de Belas, de Porto Alegre, está obrigado a construir espaço para guarda e vigilância de filhos de mães que trabalham no estabelecimento e que estão em período de amamentação - ou seja, até dois anos de idade. A medida deve beneficiar trabalhadoras vinculadas ao próprio shopping, bem como as empregadas das lojas e prestadores de serviço que atuem no local. A decisão é da 1ª Turma do TRT da 4ª Região (RS).

O Praia de Belas tem o prazo de 60 dias, contados a partir da notificação quanto ao acórdão, para a construção da creche. Caso não cumpra a decisão, pagará multa diária de R$ 2 mil, revertida ao Fundo da Criança e do Adolescente de Porto Alegre.

A decisão reforma sentença da 10ª Vara do Trabalho da capital gaúcha. Cabe recurso ao TST.

Na mesma decisão, proferida em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho, o shopping foi condenado a pagar R$ 500 mil reais por danos coletivos ao não cumprir, até agora, a determinação da construção do espaço, prevista pelo artigo 389 da CLT para empresas com mais de 30 empregadas maiores de 16 anos.

Conforme a argumentação do MPT, “é o centro comercial que deve arcar com a obrigação, já que os lojistas do shopping não podem gerenciar a criação de espaços no estabelecimento”.

Por outro lado, não é possível substituir a criação do espaço pelo pagamento de auxílio-creche, porque o horário de funcionamento do shopping (até as 22h) é diferente dos horários comuns de funcionamento desse tipo de estabelecimento, o que traz dificuldades às mães que precisam amamentar seus filhos durante as suas jornadas de trabalho.

Para ajuizar a ação, o MPT invocou princípios previstos na Constituição Federal, como a valorização social do trabalho e a proteção da infância, bem como dispositivos do Estatuto da Criança e do Adolescente, além da própria norma expressa na CLT

Sentença reformada

Ao julgar a ação em primeira instância, a juíza Ana Luiza Barros de Oliveira, da 10ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, entendeu que o Shopping Praia de Belas não teria essa obrigação.

A juíza atribuiu o encargo aos empregadores – ou seja, os donos das lojas que empregam e gerenciam o trabalho das mães.

Proteção à maternidade

A relatora do recurso, desembargadora Iris Lima de Moraes, mencionou as recomendações da Organização Mundial da Saúde quanto ao período de amamentação, e a Convenção nº 103 da Organização Internacional do Trabalho. Estas preveem a interrupção das jornadas de trabalho para as mães amamentarem suas crianças, sem prejuízo da remuneração.

Ela observou também que “os lojistas não possuem ingerência sobre a alteração de destinação de áreas que compõem o complexo de propriedade do shopping, sendo deste, portanto, a obrigação de, na forma prevista pelo artigo 389 da CLT, instituir local apropriado onde todas as empregadas que ali trabalham possam deixar, sob vigilância e assistência, seus filhos em fase de amamentação, durante o horário de trabalho”. ( Proc. nº 0021078-62.2015.5.04.0010).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TST afasta irregularidade em procuração com prazo vencido

Segundo o julgado, trata-se de vício sanável – e não há fundamento para a rejeição de recurso. O CPC de 2015 racionaliza o processo legal e facilita o acesso à Justiça – são “princípios constitucionais fundamentais que devem nortear a aplicação das normas processuais”.

 

Camera Press

Prescrição bienal afastada em ação trabalhista ajuizada 18 anos após a dispensa

 

Prescrição bienal afastada em ação trabalhista ajuizada 18 anos após a dispensa

Efeitos deletérios da areia monazítica.Dispensado em 1991, trabalhador ajuizou a ação em 2009 contra as Indústrias Nucleares do Brasil S.A. A busca é de indenização por doença pulmonar e auditiva em razão da exposição a material radioativo. O TST reformou decisões das instâncias inferiores, aplicando a prescrição vintenária prevista no artigo 117 do Código Civil de 1916.

Negado pedido de trabalhador que queria receber bens de grupo empresarial

O grupo Vogel é réu em mais de 200 ações na Justiça do Trabalho de São Sebastião do Caí (RS), onde figura no polo passivo de uma reunião de diversas execuções trabalhistas. A presidente do TRT-RS, Vania da Cunha Mattos afirma que “não se pode chancelar este tipo de mentalidade, em que o mero interesse individual tenta suplantar o interesse coletivo”.

Nulidade de cláusula com turnos de 12 horas em jornada de 15 dias consecutivos

Apesar de haver norma coletiva, julgado do TST diz ser “desprovida de validade a cláusula coletiva que, a um só tempo, ignora os limites constitucionais da jornada de trabalho; não permite o descanso adequado do trabalhador; e suprime direitos mínimos dos obreiros, a exemplo do descanso semanal remunerado”.