Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de maio de 2018.

O juiz papador



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Distribuída a ação a uma Vara do Trabalho - única em cidade de médio porte - o diretor de secretaria fez breve leitura da petição inicial, para verificar se estavam presentes os requisitos para a notificação do reclamado. Seria mais uma entre inúmeras demandas postulando horas extras, não fosse a peculiaridade da prova requerida.

Diante do inusitado que acabara de ler, o diretor quase invadiu o gabinete do sempre formal juiz.

- Doutor, o reclamante era porteiro de motel e está pedindo horas extras. Pegava às 7, tinha 45 minutos para almoço, ficava até as 18 – explicou.

- Se não houver urgência, inclua na pauta normal – determinou o magistrado.

- É que daí os autos vão rolar na vara, o que não seria recomendável... – observou o atento serventuário.

- Explique! - rebateu o magistrado.

- É que há um pedido antecipado, expresso e destacado de expedição de ofício ao Detran. O reclamante fotografou imagens e placas de 20 automóveis de clientes ´habituês´, nos horários em que ele teria feito as horas extras. E desse jeito, quer sejam informados os nomes dos proprietários dos veículos, para indicá-las como testemunhas.

- Ora! Na audiência, eu indefiro o requerimento e pronto. Cabe à parte identificar as suas testemunhas – o magistrado tentou abreviar.

- Mas... a placa do seu carro é a primeira da relação. E outros servidores podem perceber. O senhor sabe como é cidade do interior... – alertou o servidor.

Feições de frisson às avessas, o juiz pareceu abalado pela surpresa.

- Se é assim, a tutela é de urgência. Abra um horário especial próximo, na pauta e só permita que os advogados das partes examinem os autos, pois pelo interesse público envolvido, a partir de agora o processo tramitará em segredo de justiça – determinou.

Dez dias depois, na audiência, o magistrado estava com paciência e bom humor incomuns. Espicha daqui, puxa dali, recomenda acolá, conseguiu a celebração de um acordo - e com pagamento imediato.

- Bom pra vocês, bom pra Justiça, bom pra cidadania da cidade – disse, levantando-se, estendendo a mão e  cumprimentando as partes e seus advogados.

Na “rádio-corredor” da Subseção da OAB só se fala nisso, mesmo que, ao final da audiência, o juiz tivesse ditado à escrevente uma frase arrematadora: “Já cumprido o acordo com o pagamento, arquivem-se os autos, mantendo-se o sigilo judicial".


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Exagero na relação conjugal

 

Exagero na relação conjugal

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – ele cinquentão, ela quarentona - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal

Charge de Gerson Kauer

Os vinhos da Lava-Jato

 

Os vinhos da Lava-Jato

O destacado advogado gaúcho, recém divorciado, atuante na defesa de gente alcançada por decisões de Sérgio Moro, entra com a jovem namorada num notório restaurante em Porto Alegre, olha a carta de vinhos e pede uma garrafa do mais caro dos itens disponíveis.

Charge de Gerson Kauer

Quando a vida vira Coca-Cola

 

Quando a vida vira Coca-Cola

O departamento de aposentados da grande e atuante associação de juízes realiza um encontro de colegas jubiladas. Por sugestão de desembargadora oriunda do Ministério Público, convidam-se também promotoras e procuradoras de justiça.

Charge de Gerson Kauer

Amor à prova de balas

 

Amor à prova de balas

O homem é denunciado por tentativa de homicídio contra a própria companheira. Um tiro de raspão na cabeça; o outro num dos olhos dela. A vítima fica com apenas 50% da visão. Mais tarde, após a condenação dele, a reconciliação do casal. Adivinhem como era o nome dele?