Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Justiça Federal cancela concessão de emissora de rádio gaúcha ligada a deputado



Sentença proferida na 10ª Vara Federal de Porto Alegre em ação civil pública, atendeu a pedido do MPF e cassou a concessão de uma emissora de rádio no município de Nonoai (RS). A Rádio Nonoai Ltda. é de propriedade do deputado federal João Rodrigues (PSD-SC).

O julgado considerou que a Constituição Federal proíbe, em seu artigo 54, inciso I, alínea "a", que deputados e senadores integrem o quadro social de empresas que operam sob concessão e licença do poder público. Com a decisão, a União também não poderá conceder novas outorgas à empresa enquanto tiver parlamentar em seu quadro societário.  Cabe recurso de apelação ao TRF-4.

Segundo a petição inicial e documentos, 90% do capital social da emissora pertencem ao deputado catarinense. Ele e a empresa contestaram, argumentando que, antes do ajuizamento da ação, a empresa já havia alterado o quadro societário, tendo o congressista cedido integralmente suas cotas para terceiros.

O deputado sustentou também que, antes de ser parlamentar, já era dono da emissora e que seu mandato se vincula a outro estado da federação.

Ao sentenciar, a juíza federal Ana Maria Wickert Theisen considerou que a norma constitucional serve para garantir “a livre formação da opinião pública, afastando potenciais influências ou contaminação com o poder político”.

O julgado também referiu o fato de as cotas da empresa terem sido transferidas para a filha do deputado. “Mantido o capital social no âmbito da família do réu, não há, pelo menos em um juízo perfunctório, a garantia de que esteja fora de seu âmbito de influência”, acrescentou.

No arremate da sentença, a magistrada mencionou que democracia não é apenas a submissão dos governantes à aprovação em eleições periódicas. “Sem que haja liberdade de expressão e de crítica às políticas públicas, direito à informação e ampla possibilidade de debate de todos os temas relevantes para a formação da opinião pública, não há verdadeira democracia”. (Proc. nº 5074876-67.2016.4.04.7100 – com informações da Assessoria de Imprensa da Justiça Federal do RS e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Afinal, o julgamento sobre a proibição do amianto

O julgamento, no STF, de ações contra as leis que baniram o uso da fibra mineral no Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio e  Pernambuco está marcado para 10 de agosto. Já morreram 3.718 trabalhadores acometidos de câncer.

Vaquejada constitucional!...

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, em segundo turno, a chamada PEC da Vaquejada, que acaba com os entraves jurídicos para a realização dessa atividade no Brasil.

Constitucionalidade, ou não, de honorários sucumbenciais a advogados públicos

A Corte Especial do TRF-4 decidirá se é constitucional o artigo 85, parágrafo 19º, do CPC. Segundo o julgado na ação que gerou a arguição de inconstitucionalidade, "o preceito legal contém vício formal, tendo em vista que só o chefe do Executivo de cada esfera de governo pode disciplinar a remuneração de seus agentes".

O Código Civil de 2002 chegou atrasado

A avaliação é do ministro Luis Roberto Barroso, do STF, em dois votos que estabeleceram o fim das diferenças entre cônjuge e companheiro, para fins sucessórios. Dos dois casos em ações com repercussão geral reconhecida, um é de Porto Alegre. Leia o inteiro teor do artigo do CCB declarado inconstitucional.