Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Presidente da OAB-RS lamenta a “profunda insensibilidade” do juiz que arbitrou sucumbência irrisória



Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens

Imagem da Matéria

O presidente da OAB-RS, Ricardo Breier, disse ontem (4) ao Espaço Vital que a decisão do magistrado Paulo de Tarso Carpena Lopes “demonstra sua profunda insensibilidade com os seus colegas de trabalho: os advogados”.

Breier considera que “é muito fácil para Carpena ter tal posicionamento decisório, com seus garantidos dois meses de férias e ´auxílio-moradia´, não possuindo o custo de manutenção de um escritório profissional e tampouco precisando preocupar-se com sua aposentadoria”.

O dirigente da Ordem lembrou que “os honorários representam o salário do advogado, reconhecidamente como verba alimentar pelas instâncias superiores – comando que já se encontra no CPC, em seu artigo 85, § 14, indicando que os honorários constituem direito do advogado e têm natureza alimentar, com os mesmos privilégios dos créditos oriundos da legislação do trabalho”.

Breier arrematou suscitando que talvez “o juiz porto-alegrense tenha esquecido que esse mesmo artigo 85, em seu § 8º, estabelece que, quando a causa possui valor irrisório, devem ser observados os requisitos do § 2º. Assim, devem os honorários ser fixados, atentando-se ao grau de zelo do profissional, ao lugar de prestação do serviço, à natureza e à importância da causa, ao trabalho realizado pelo advogado e ao tempo exigido para o seu serviço e ao bem maior: a sua dignidade profissional".

Presença em 16 países

O magistrado Carpena sequer considerou a opulência da Claro S.A., ré da ação. Trata-se de uma empresa operadora de telecomunicações, resultado da união de seis operadoras regionais: Americel (Acre, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins), ATL (Espírito Santo e Rio de Janeiro), BCP (São Paulo, Pernambuco, Alagoas, Ceará, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte), Claro Digital (Rio Grande do Sul) e TESS (interior e litoral de São Paulo).

Em 19 de setembro de 2003 foi anunciada a consolidação de todas essas operadoras sob uma única marca, a Claro. Todo o controle é da empresa mexicana América Móvil, um dos maiores grupos de telefonia móvel do mundo.

O conglomerado, a partir de 2006, passou a adotar a marca Claro em 16 países da América Latina: Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Guatemala, Panamá, Peru, Porto Rico, República Dominicana e Colômbia.

Contraponto do juiz

O Espaço Vital não conseguiu contato com o juiz Carpena, por meio de ligação feita ao Foro Regional do Alto Petrópolis.

Guinness às Avessas

Se existisse um ´Livro Guinness dos Recordes às Avessas´, a suposta edição de 2017 reservaria um espaço para a Justiça gaúcha, tratando dos mais insignificantes honorários advocatícios sucumbenciais do ano. A proeza, como se viu, é da Vara Cível do Foro Regional do Alto Petrópolis, em Porto Alegre.

A verba advocatícia concedida pelo juiz Paulo de Tarso Carpena Lopes é de R$ 6,99. Tal cifra é de 91 centavos a mais do que cada magistrado gaúcho recebe (R$ 6,08) por hora, a título de “auxílio-moradia”.

O (triste) relato aí de cima desbancou um outro “recorde” gaúcho. Em abril de 2006, o advogado Nedson Culau, numa demanda contra o Instituto de Previdência do Estado, teve atribuída a verba sucumbencial de R$ 8,70.

Formalmente, por petição, o advogado (que faleceu em maio deste ano) doou a verba à direção do Foro de Cruz Alta, para a compra de “rolos de papel higiênico, capazes de equipar, por alguns dias, os sanitários da repartição forense, que carecem desse artefato imprescindível à higiene pessoal”. Fez sentido. (Proc. nº 1030043960).


Comentários

Leo Ricardo Petry - Corretor De Seguros 06.09.17 | 08:59:40
Sendo simplista, hipótese que o advogado se deslocasse de ônibus, compareceu 2 vezes ao fórum, de ônibus gastaria R$16,20 ou de carro, 4litros de gasolina R$16,00 mais estacionamento 2xR$15,00, desembolso de R$46,00 para apenas comparecer as audiências, como antecipei, sendo simplista..... Diferente dos magistrados que além da garantia de vencimentos na aposentadoria, sequer precisam fazer reserva para garantir seu futuro e quem deve ter feito a sentença foi um estagiário...
Iolanda Ramos Noble - Advogada 05.09.17 | 17:41:02

Reclamei - a cada dia vejo que com muita razão - com o presidente Breier por ele ter-se dado o desfrute de subir a uma tribuna para pedir aumento do orçamento do Poder Judiciário. E o fiz porque acho que não falta dinheiro ao Judiciário, mas sim comprometimento e respeito pelo contribuinte que lhes paga salários e penduricalhos. Os juízes não nos respeitam e não temos motivos para abraçar qualquer causa em favor deles.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Morre o advogado Mathias Nagelstein

Ele teve sucesso na carreira política, ocupando cargos nos governos de Alceu Collares. Foi também juiz do Tribunal Militar do RS. Sem êxito concorreu em novembro de 2009 às eleições da OAB gaúcha.

Elogiáveis relações entre advogado e juiz

Verdades e gentilezas numa petição por esquecer de comparecer a uma audiência. E a distinção no despacho judicial:“Que o exemplo sirva às novas gerações de advogados!”.