Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Erro histórico da Ordem dos Advogados



Por Sérgio Hiane Harris, presidente da Associação do Ministério Público do RS.
presidencia@amprs.org.br

A Ordem dos Advogados do Brasil sempre foi reconhecida como um bastião de defesa da ordem jurídica, desempenhando um papel relevante no desenvolvimento da democracia brasileira. O atual momento da OAB nacional não faz jus ao seu passado.

Quando se começa a combater de frente a corrupção nos altos escalões da República, virou pauta prioritária da Ordem a criminalização de membros do Judiciário, MP e da Polícia que desrespeitarem as “prerrogativas” dos advogados, aproveitando-se da antipatia que hoje reina em parte do Congresso Nacional contra estas carreiras, resultante do trabalho de investigação, persecução e julgamento de operações como a Lava Jato e Mensalão.

É cristalino que o projeto de lei vai enfraquecer a atuação processual destes agentes.

A premissa utilizada é que uma minoria de membros destas classes comete abusos contra os advogados, e esses fatos, por serem repetidos, justificam a criminalização de suas prerrogativas. É preciso respaldar o advogado - dizem eles - para fortalecer o cidadão que busca o acesso à justiça.

Não se contesta a primeira parte. Em casos pontuais, ocorre algum tipo de desrespeito às prerrogativas dos advogados. Todas as profissões, inclusive a de juízes, membros do MP e delegados sofrem, em casos minoritários, algum tipo de violação das suas prerrogativas.

Por outro lado, em situações também minoritárias, os advogados desrespeitam o sistema de justiça, causando prejuízos aos cidadãos que buscam o acesso ao Poder Judiciário. São fatos notórios que uma minoria de advogados retira os autos em carga e não devolvem no prazo; utilizam do sistema recursal com o simples propósito de procrastinar o feito; solicitam assistência judiciária gratuita quando o seu cliente tem plenas condições de pagar as custas; e ausentam-se em solenidades e júris sem justificativas plausíveis, atrasando o término do processo.

Se a OAB defende a criminalização das prerrogativas dos advogados com a justificativa de proteção da cidadania, como muitas vezes essas situações acima descritas ocorrem em relações processuais em que a outra parte é um cidadão defendido por outro advogado, por coerência teremos o apoio da Ordem para a criminalização das condutas antiéticas citadas.

Ou o verdadeiro interesse em criminalizar a violação das prerrogativas dos advogados não é o dito publicamente?

É evidente que estamos resistindo e reagindo. Mas o dano já está feito. Somente pode ser diluído. Por uma escolha errada, para atender a interesses menores, a OAB trocou uma relação de cordialidade (que era a vivenciada na maioria dos fóruns) pela desconfiança mútua, com o potencial de criar inúmeros efeitos nefastos e reflexos resultantes de uma relação processual que se tornará fragilizada pela possibilidade de, a qualquer momento, ser rompida e pessoalizada, com atrasos processuais significativos.

Quando o caos for instaurado, se fracassarmos nas nossas tentativas em barrar o projeto e apontar as suas inconstitucionalidades, pelo menos saberemos bem quem foi o autor de tamanho equívoco.


Comentários

Flavio Mansur - Advogado 11.09.17 | 14:11:22
Criminalizar qualquer conduta é "abuso de direito" de legislar. Mas é certo que MP e Judiciário - a Polícia já responde bastante - têm que responder por seus atos temerários. Quem sabe no bolso, pagando multas, coisa fácil dados os salários...
Edegar Da Silva Quintana - Advogado 06.09.17 | 20:21:19
Correto o artigo do presidente da AMP-RS. É preciso olhar sem a "paixão" com que o estão fazendo os colegas advogados. Por trás de tudo isso está o interesse de políticos corruptos que querem o enfraquecimento do Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal. Isso não tem nada a ver com o cidadão e a cidadania, a quem o MP sempre defendeu. Parem e pensem.
Iolanda Ramos Noble - Advogada 05.09.17 | 17:57:10
Defender as prerrogativas dos advogados é a principal razão de existir da OAB! Já criminalizar os abusos de juízes e promotores é um direito, não apenas de advogados, mas de qualquer cidadão. A lei deve ser para todos! Nunca deveríamos ter permitido que se instalassem essas castas de deuses, fortalecidos por estabilidade, salários e penduricalhos às custas do dinheiro público - e que pensam que a eles não se pode aplicar lei. Basta que respeitem, que não abusem e não sofrerão os rigores da nova lei, logo que aprovada.
Luiz Carlos Ferreira - Advogado 05.09.17 | 13:27:23
Não entendo como este projeto de lei pode "enfraquecer a atuação processual destes agentes". Quer dizer que direitos legalmente reconhecidos no artigo 7° da Lei nº 8906/94 representam o enfraquecimento das messiânicas Lava-Jatos da vida? Acaso é razoável que o direito à defesa técnica do cidadão seja diariamente afrontado, sem que os agentes responsáveis sejam responsabilizados? O que se quer? Justiça, com punição de todos que infringem as leis, com exceção dos amigos? Por que o medo, doutor promotor?
Anderson Altini Baldasso - Advogado 05.09.17 | 13:13:27
E assim: quando aposentados, juizes e promotores - outrora no senso de hierarquia superior, dado entendimento pelo desnível de suas posições em relação aos advogados em uma sala de audiências - requerem sua inscrição nos quadros da OAB. Neste momento, a lei em seu favor será brilhante e relevante. Então, também será preciso lembrar, que aquele momento não faz jus ao seu passado! Desejo mais sorte ao articulista, quando escrever sobre a sua própria e atual instituição.
Luiz Carlos Ferreira - Advogado 05.09.17 | 13:11:18
OAB maluca que "defende a criminalização das prerrogativas dos advogados"! Não, pera... não é isso né? Defende a criminalização da violação às prerrogativas da advocacia e da cidadania. E a criminalização de tais violações, cada dia mais comuns, se justifica exatamente por já ter se rompido a "relação de cordialidade" entre as partes igualmente indispensáveis à administração da justiça, quando juízes, promotores, delegados, PMs, não reconhecem a dignidade dos nobres causídicos.
Ana Lúcia Santos Da Motta - Advogada 05.09.17 | 11:21:04
Se os abusos cometidos são por uma minoria como afirma o ilustre promotor, não há razões para combater a aprovação do projeto! Certamente essa "minoria" violadora de prerrogativas dos advogados refletirá antes de cometer os abusos. Afinal não são eles que esbravejam que a sanção penal e o cárcere impedem o delito? Então, em se criminalizando o abuso e violação de prerrogativas estaremos colaborando para a paz social.
Carlo Huberth Luchione - Advogado 05.09.17 | 11:12:31
Fico cada vez mais estarrecido com artigos dessa natureza, vindo daqueles que deveriam ser fiscais da Lei e da Constituição, mas na verdade promovem o ativismo judiciário em forma de denúncias e prisões absolutamente desnecessárias, como se a prisão fosse a solução das mazelas do país.
Ricardo Vogt - Advogado 05.09.17 | 10:58:23
Lamentável ler um artigo como este, no mínimo leviano. A única parte que concordo, no texto acima, plenamente é que, sim, existe uma minoria de colegas advogados que desrespeitam o sistema de justiça e - tenha certeza, senhor promotor - estão sendo devidamente processados dentro da Ordem. Que fique uma coisa cristalizada e que o artigo não tocou: o ponto fundamental é que prerrogativa não é privilégio, é direito. A lei é clara ao dizer que não há hierarquia entre os entes e isto é o que queremos na prática.
Paulo A. P. Cordeiro - Advogado 05.09.17 | 10:55:18
Com todo o respeito, mas este raciocínio apresentado na opinião do Dr. Promotor, a mim parece mera tergiversação com base em exceções. Não há nada errado em criminalizar a desatenção às prerrogativas, especialmente pelo múnus público da profissão. Não seria tal crítica uma forma de também quebrar a cordialidade que seria necessária no relacionamento entre a OAB e o MP?
Aireovaldo Luiz Zandona De Souza - Advogado 05.09.17 | 10:22:00
Equivoca-se rotundamente o insigne promotor, numa defesa açodada das próprias razões, ante a iminência de ter que se submeter à lei em face do proceder temerário e autoritário de parcela dos agentes públicos, escudados pelo espirito de corpo reinante nas instituições e pela investidura nos respectivos cargos, quiçá fruto de imaturidade emocional. A lei processual prevê a punição por atos dos advogados, assim como a própria OAB age efetivamente na sanção dos que violam os preceitos
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Suprema Corte Britânica julga ilegais normas semelhantes às da reforma trabalhista brasileira

O tribunal do Reino Unido considerou que “a imposição de taxas para o ajuizamento de demandas levou a uma dramática queda no número de ações e que muitos trabalhadores deixaram de buscar seus direitos com receio de perder e ainda serem obrigados a arcar com as custas processuais”. Artigo de Pedro Henrique Koeche Cunha, advogado (OAB-RS nº 104.102).

O emblemático caso do primata que se fotografou

Uma ação judicial que terminou em acordo. “O caso levanta questões inovadoras sobre a expansão dos direitos legais para os animais”.

Artigo de Felipe Pierozan, especialista em Direito da Propriedade Intelectual, sócio do Pierozan Advocacia & Consultoria

Nada ecológico: o TJRS insiste no uso do papel...

Formulário de devolução de autos. “Soa como uma brincadeira de gosto duvidoso mormente quando lemos as metas do Programa de Logística Sustentável do tribunal que lista a necessidade de redução do consumo justamente de papel”. Artigo do advogado José Serpa Júnior.

Nós não vai ser preso”...

... Mas foram! Propinas para mais de 1.800 políticos. “Nas cleptocracias parasitárias, as elites dirigentes que governam a nação praticam o abominável capitalismo bandido. Neste tipo, o deplorável poder do dinheiro (frequentemente) corrompe o humano”. Artigo do jurista Luiz Flávio Gomes.

República de regalias

“A emenda à Constituição que acaba com o foro privilegiado é uma demanda urgente e necessária. Afinal, já se passaram 127 anos da Proclamação da República e 32 anos do fim da ditadura militar. Não faz mais sentido mantermos no arcabouço legal alguns privilégios típicos de impérios e ditaduras”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.

Chargista Nani – www.NaniHumor.com

Subproduto perverso da faxina ética

 

Subproduto perverso da faxina ética

Reação ao artigo do presidente da Associação do Ministério Público do RS. “Alguns atores estão com seus egos superdimensionados e consideram-se divindades, com direito a tudo, mesmo em detrimento às regras legais”.Artigo de Carlos Thomaz Ávila Albornoz, advogado (nº 6.425) e conselheiro seccional da OAB-RS.