Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Rejeitado habeas corpus de advogado que tem pena de 7 anos de prisão



O ministro Alexandre de Moraes, do STF, negou seguimento ao habeas corpus impetrado, em causa própria, pelo advogado Wesley Cesar de Vasconcelos, condenado por tráfico de drogas e associação para o tráfico, em decorrência de diligência policial que aprendeu 213 kg de maconha.

O advogado foi condenado em primeira instância à pena de 11 anos e 8 meses de reclusão, em regime inicial fechado, pelos crimes previstos nos artigos 33 e 35 da Lei nº 11.343/2006 (Lei de Drogas).

A defesa recorreu ao TJ de Minas Gerais e a pena foi reduzida para 7 anos e 5 meses de reclusão, em regime inicial semiaberto. Na ocasião, foi determinada a imediata expedição de mandado de prisão.

O advogado alegou que havia uma decisão do STJ que lhe garantia o direito à prisão domiciliar, até o trânsito em julgado da sentença condenatória. Assim, ajuizou reclamação naquela corte alegando descumprimento daquela decisão. Mas a liminar foi indeferida pelo relator, sob o argumento de que o STF possuiu entendimento no sentido de ser possível a execução provisória da pena, após a confirmação da condenação pela segunda instância.

Contra essa decisão, foi impetrado o HC agora decidido monocraticamente.

O ministro Alexandre de Moraes considerou que pode se aplicar ao caso, por analogia, a Súmula nº 691, do STF, segundo a qual não compete ao Supremo conhecer de HC impetrado contra decisão do relator que, em habeas corpus requerido a tribunal superior, indefere a liminar, sob pena de indevida supressão de instância.

O julgado monocrático explicou que o rigor na aplicação desse enunciado tem sido abrandado por julgados do tribunal somente em caso de manifesto constrangimento ilegal, prontamente identificável. “Na espécie, entretanto, não se constata a presença de flagrante ilegalidade apta a justificar a intervenção antecipada da Suprema Corte” - concluiu. (HC nº 145941 – com informações do STF).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Fernando Collor afinal vira réu: propinoduto é de R$ 29 milhões

O inquérito chegou ao STF em 21 de agosto de 2015. Ontem, dois anos depois, por unanimidade, a 2ª Turma transformou o caso em ação penal. Conforme a denúncia, o grupo do senador embolsou vultosa propina entre 2010 e 2014, por meio de contratos de troca de bandeira de postos de combustível celebrados com a BR Distribuidora.