Ir para o conteúdo principal

Edição de Sexta-feira, 20 de abril de 2018.

O seguro de sorte



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O jogador de futebol, de média expressão regional, cobrava parcelas rescisórias. A contestação trouxe recibos, cópia de uma apólice de seguro, etc. Com base nos documentos, o clube sustentou nada dever.

Na réplica, em longa petição, o advogado do atleta verberou que “o clube deixou, todavia, de cumprir a obrigação de contratar o seguro de sorte”. E sustentou que “tal descumprimento seja resolvido em perdas e danos”.

Na audiência, o advogado da agremiação esportiva, bramindo com os autos em mãos, leu a cláusula oitava do contrato: “Quanto à cobertura securitária prevista na legislação, o clube contratará o pertinente seguro, de sorte que a entrega da futura apólice comprovará o cumprimento da obrigação”.

E arrazoou:

- A Lei Pelé prevê que os clubes de futebol devem contratar seguro de vida e de acidentes pessoais, vinculado à atividade desportiva, tanto para atletas sob regime de contrato de formação desportiva, quanto para atletas profissionais. Fizemos isso!

Feições de impaciência, o juiz destilou:

- Senhores, conforme o Dicionário Prático de Expressões Correntes, a expressão ´de sorte´  significa ´de maneira que´. Ademais, consultei compêndios de seguro e não encontrei uma só referência à existência, no país, desse seguro reclamado pelo autor. O tal seguro de sorte não existe!

Sorrisos irônicos e constrangimentos cruzaram-se na sala. O magistrado inflou-se, então, com ares de professor do idioma pátrio:

- A vírgula pode ser uma pausa, ou não. Vou dar um exemplo. Se eu escrever ´Vamos perder, nada foi resolvido´, o conteúdo da frase será antagonicamente diferente de ´Vamos perder nada, foi resolvido´.

Sorriso amarelo, o advogado do autor se conformou e desistiu da ação. E o juiz foi comedido na conclusão da singela sentença: “De sorte que, sem o seguro de ventura, que na realidade não existe, - e em necessário bom português e atento às vírgulas, homologo a desistência”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Quando a vida vira Coca-Cola

 

Quando a vida vira Coca-Cola

O departamento de aposentados da grande e atuante associação de juízes realiza um encontro de colegas jubiladas. Por sugestão de desembargadora oriunda do Ministério Público, convidam-se também promotoras e procuradoras de justiça.

Charge de Gerson Kauer

Amor à prova de balas

 

Amor à prova de balas

O homem é denunciado por tentativa de homicídio contra a própria companheira. Um tiro de raspão na cabeça; o outro num dos olhos dela. A vítima fica com apenas 50% da visão. Mais tarde, após a condenação dele, a reconciliação do casal. Adivinhem como era o nome dele?

 

Charge de Gerson Kauer

O sapo advogado

 

O sapo advogado

Pipocam, na Ordem, reclamações sobre a propaganda das performances e badalações de determinado profissional da advocacia. Então, o locutor da “rádio-corredor” evoca uma fábula de Ésopo: “O Doutor Frog foi estufando pescoço, bochechas, barriga, peito etc., mas terminou explodindo”.

Chargista Kauer

O perpétuo silêncio

 

O perpétuo silêncio

São quatro pesadas ações litigiosas entre marido e mulher. O juiz preocupa-se com as repercussões na sociedade da média cidade. Afinal, celebra-se o acordo. Mas na comarca, agora só se fala sobre ´swingueiros´ detalhes de várias alcovas com dois, três, seis – ou mais – personagens.

Charge de Gerson Kauer

O caixão das gavetas secretas

 

O caixão das gavetas secretas

Um provecto cidadão, em cidade gaúcha, está no leito da morte. Ele então pede a um dos filhos que atenda seu último desejo: colocar no seu esquife cinco mil dólares, que ficara devendo a um irmão com quem se desaviera, antes do falecimento deste. A história é contada pelo advogado Maurício Antonacci Krieger.