Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

O seguro de sorte



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O jogador de futebol, de média expressão regional, cobrava parcelas rescisórias. A contestação trouxe recibos, cópia de uma apólice de seguro, etc. Com base nos documentos, o clube sustentou nada dever.

Na réplica, em longa petição, o advogado do atleta verberou que “o clube deixou, todavia, de cumprir a obrigação de contratar o seguro de sorte”. E sustentou que “tal descumprimento seja resolvido em perdas e danos”.

Na audiência, o advogado da agremiação esportiva, bramindo com os autos em mãos, leu a cláusula oitava do contrato: “Quanto à cobertura securitária prevista na legislação, o clube contratará o pertinente seguro, de sorte que a entrega da futura apólice comprovará o cumprimento da obrigação”.

E arrazoou:

- A Lei Pelé prevê que os clubes de futebol devem contratar seguro de vida e de acidentes pessoais, vinculado à atividade desportiva, tanto para atletas sob regime de contrato de formação desportiva, quanto para atletas profissionais. Fizemos isso!

Feições de impaciência, o juiz destilou:

- Senhores, conforme o Dicionário Prático de Expressões Correntes, a expressão ´de sorte´  significa ´de maneira que´. Ademais, consultei compêndios de seguro e não encontrei uma só referência à existência, no país, desse seguro reclamado pelo autor. O tal seguro de sorte não existe!

Sorrisos irônicos e constrangimentos cruzaram-se na sala. O magistrado inflou-se, então, com ares de professor do idioma pátrio:

- A vírgula pode ser uma pausa, ou não. Vou dar um exemplo. Se eu escrever ´Vamos perder, nada foi resolvido´, o conteúdo da frase será antagonicamente diferente de ´Vamos perder nada, foi resolvido´.

Sorriso amarelo, o advogado do autor se conformou e desistiu da ação. E o juiz foi comedido na conclusão da singela sentença: “De sorte que, sem o seguro de ventura, que na realidade não existe, - e em necessário bom português e atento às vírgulas, homologo a desistência”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.

Kauer ideia e imagem - Vendemos ideias que vendem

Vibração no Supremo!

 

Vibração no Supremo!

A tarde de quinta passada foi aziaga no Supremo.  Além das mútuas flechadas verbais entre Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso, a segurança resolveu dar uma dura na revisão dos pertences pessoais dos operadores jurídicos que chegavam. Apareceu de tudo: biscoitos de polvilho, determinados cigarros, géis, etc. e até um... vibrador. Não foi revelado se era para uso masculino ou feminino.

Charge de Gerson Kauer

A defesa da honra

 

A defesa da honra

Em comarca do Interior gaúcho, “um homicídio de autoria desconhecida”.  A cidade era de violência zero e nada indicava que o homem tivesse sido vítima de latrocínio ou vingança. Veio então a intrigante conclusão do laudo policial: “O exame cadavérico constatou lesões internas; e no peito da vítima havia uma marca semicircular, em formato de ferradura”.

Gerson Kauer

Pernas maravilhosas

 

Pernas maravilhosas

A fábrica brasileira de calçados deu asas a um italiano. Ele era representante de empresa estrangeira que adquiria produtos fabricados na região calçadista. Mas passou a ter interesse paralelo nas pernas das empregadas da indústria...

Gerson Kauer

“Você não está filmando, né?...”

 

“Você não está filmando, né?...”

Cenas íntimas - de um casal que se formou na balada - pulularam na Internet. Depois virou caso judicial, com ações penal e cível. No julgamento desta, o juiz registrou que “mesmo que ela tivesse consentido com as gravações, jamais estava o parceiro sexual autorizado à divulgação posterior.