Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017

O seguro de sorte



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O jogador de futebol, de média expressão regional, cobrava parcelas rescisórias. A contestação trouxe recibos, cópia de uma apólice de seguro, etc. Com base nos documentos, o clube sustentou nada dever.

Na réplica, em longa petição, o advogado do atleta verberou que “o clube deixou, todavia, de cumprir a obrigação de contratar o seguro de sorte”. E sustentou que “tal descumprimento seja resolvido em perdas e danos”.

Na audiência, o advogado da agremiação esportiva, bramindo com os autos em mãos, leu a cláusula oitava do contrato: “Quanto à cobertura securitária prevista na legislação, o clube contratará o pertinente seguro, de sorte que a entrega da futura apólice comprovará o cumprimento da obrigação”.

E arrazoou:

- A Lei Pelé prevê que os clubes de futebol devem contratar seguro de vida e de acidentes pessoais, vinculado à atividade desportiva, tanto para atletas sob regime de contrato de formação desportiva, quanto para atletas profissionais. Fizemos isso!

Feições de impaciência, o juiz destilou:

- Senhores, conforme o Dicionário Prático de Expressões Correntes, a expressão ´de sorte´  significa ´de maneira que´. Ademais, consultei compêndios de seguro e não encontrei uma só referência à existência, no país, desse seguro reclamado pelo autor. O tal seguro de sorte não existe!

Sorrisos irônicos e constrangimentos cruzaram-se na sala. O magistrado inflou-se, então, com ares de professor do idioma pátrio:

- A vírgula pode ser uma pausa, ou não. Vou dar um exemplo. Se eu escrever ´Vamos perder, nada foi resolvido´, o conteúdo da frase será antagonicamente diferente de ´Vamos perder nada, foi resolvido´.

Sorriso amarelo, o advogado do autor se conformou e desistiu da ação. E o juiz foi comedido na conclusão da singela sentença: “De sorte que, sem o seguro de ventura, que na realidade não existe, - e em necessário bom português e atento às vírgulas, homologo a desistência”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Predileção por lâmpadas vermelhas

 

Predileção por lâmpadas vermelhas

O equívoco cometido por um juiz que se preparava para assumir a jurisdição. Era meados de dezembro. Ao, pela primeira vez, subir a Serra Gaúcha, “encantou-se” com insinuantes luzes vermelhas que adornavam a fachada da casa de uma tradicional família italiana.

Charge de Gerson Kauer

O que (também) se faz no casamento?

 

O que (também) se faz no casamento?

Era o julgamento de uma apelação que buscava a anulação de um casamento, porque o homem se recusava ao relacionamento sexual. Até que o desembargador vogal descontraiu a discussão jurídica: “Dentre as finalidades do casamento está o relacionamento sexual - embora ninguém case só para isso, mas case também para isso”.

Charge de Gerson Kauer

Audiência de acareação

 

Audiência de acareação

Defronte ao juiz, no foro e perante os habituais personagens da cena forense, quase um engano atroz da idosa vítima de um crime sexual. Ela não identifica o preso como o autor da violência. E, espantosamente, ela passa a desconfiar do advogado de defesa!...

Charge de Gerson Kauer

O advogado, a juíza e o galo eficaz

 

O advogado, a juíza e o galo eficaz

É época de grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um profissional da advocacia (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe. De repente, aproxima-se uma magistrada – conhecida dele - que denotava felicidade.

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

 

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

De repente, bateu o telefone no quartel da Brigada, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz reclamante denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram ao aniversário do meu filho”.

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.