Ir para o conteúdo principal

Edição de Terça-feira, 17 de abril de 2018.

Chiclete cor de rosa



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A sala do tribunal está lotada de advogados. Eles aguardam o início da sessão de julgamentos e os respectivos pregões de seus interesses.

Sentado, na primeira fila, bem à esquerda, um profissional da advocacia, conhecido por suas extravagâncias, aguarda a sua vez. No canto da boca, masca um chiclete rosa.

Não faz balões, mas repete o ritmado movimento do maxilar inferior – o que é suficiente para chamar a atenção da desembargadora que vai presidir a sessão.

- “Doutor, doutor”... – ela fita-lhe os olhos e diz baixinho, passando os dedos sutilmente sobre os lábios querendo chamar-lhe a atenção.

Ele parece não entender.

- “Doutor! A boca!” – insiste, em expressão labial, a magistrada, agora apontando seu dedo indicador aos próprios lábios.

Mas, talvez magnetizado ou por ironia, o advogado faz espocarem no ar vários “ploft, ploft”, tais quais múltiplos beijinhos mascados, a atender, às avessas, o recado judicial.

A magistrada presidente resolve, então, ser publicamente clara:

- Peço aos presentes notarem que o mastigar de chicletes, em uma sessão de julgamentos, é antiprotocolar. E o espocar de bolas de mascar causa, naturalmente, um incômodo. Espero que me compreendam.

O olhar de todos concentra-se sobre o personagem. Este, afinal, alcançado pelo recado direto, levanta-se, sai de fininho, e desiste de sustentar a causa de seu interesse.

Na “rádio-corredor” da corte o advogado ficou conhecido como o “Doutor Muricy Ramalho”, numa clara comparação com os trejeitos bucais do famoso ex-treinador de futebol e agora comentarista do SporTv.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Quando a vida vira Coca-Cola

 

Quando a vida vira Coca-Cola

O departamento de aposentados da grande e atuante associação de juízes realiza um encontro de colegas jubiladas. Por sugestão de desembargadora oriunda do Ministério Público, convidam-se também promotoras e procuradoras de justiça.

Charge de Gerson Kauer

Amor à prova de balas

 

Amor à prova de balas

O homem é denunciado por tentativa de homicídio contra a própria companheira. Um tiro de raspão na cabeça; o outro num dos olhos dela. A vítima fica com apenas 50% da visão. Mais tarde, após a condenação dele, a reconciliação do casal. Adivinhem como era o nome dele?

 

Charge de Gerson Kauer

O sapo advogado

 

O sapo advogado

Pipocam, na Ordem, reclamações sobre a propaganda das performances e badalações de determinado profissional da advocacia. Então, o locutor da “rádio-corredor” evoca uma fábula de Ésopo: “O Doutor Frog foi estufando pescoço, bochechas, barriga, peito etc., mas terminou explodindo”.

Chargista Kauer

O perpétuo silêncio

 

O perpétuo silêncio

São quatro pesadas ações litigiosas entre marido e mulher. O juiz preocupa-se com as repercussões na sociedade da média cidade. Afinal, celebra-se o acordo. Mas na comarca, agora só se fala sobre ´swingueiros´ detalhes de várias alcovas com dois, três, seis – ou mais – personagens.

Charge de Gerson Kauer

O caixão das gavetas secretas

 

O caixão das gavetas secretas

Um provecto cidadão, em cidade gaúcha, está no leito da morte. Ele então pede a um dos filhos que atenda seu último desejo: colocar no seu esquife cinco mil dólares, que ficara devendo a um irmão com quem se desaviera, antes do falecimento deste. A história é contada pelo advogado Maurício Antonacci Krieger.