Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Chiclete cor de rosa



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A sala do tribunal está lotada de advogados. Eles aguardam o início da sessão de julgamentos e os respectivos pregões de seus interesses.

Sentado, na primeira fila, bem à esquerda, um profissional da advocacia, conhecido por suas extravagâncias, aguarda a sua vez. No canto da boca, masca um chiclete rosa.

Não faz balões, mas repete o ritmado movimento do maxilar inferior – o que é suficiente para chamar a atenção da desembargadora que vai presidir a sessão.

- “Doutor, doutor”... – ela fita-lhe os olhos e diz baixinho, passando os dedos sutilmente sobre os lábios querendo chamar-lhe a atenção.

Ele parece não entender.

- “Doutor! A boca!” – insiste, em expressão labial, a magistrada, agora apontando seu dedo indicador aos próprios lábios.

Mas, talvez magnetizado ou por ironia, o advogado faz espocarem no ar vários “ploft, ploft”, tais quais múltiplos beijinhos mascados, a atender, às avessas, o recado judicial.

A magistrada presidente resolve, então, ser publicamente clara:

- Peço aos presentes notarem que o mastigar de chicletes, em uma sessão de julgamentos, é antiprotocolar. E o espocar de bolas de mascar causa, naturalmente, um incômodo. Espero que me compreendam.

O olhar de todos concentra-se sobre o personagem. Este, afinal, alcançado pelo recado direto, levanta-se, sai de fininho, e desiste de sustentar a causa de seu interesse.

Na “rádio-corredor” da corte o advogado ficou conhecido como o “Doutor Muricy Ramalho”, numa clara comparação com os trejeitos bucais do famoso ex-treinador de futebol e agora comentarista do SporTv.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

A fortuna do “Padre Eros”

 

A fortuna do “Padre Eros”

Na cidade de 150 mil habitantes, o padre -  filho único - herdara todo o patrimônio deixado por seus pais. Era um homem rico - todos sabiam. Liberal, o religioso não obedecia ao celibato.  Metade dos paroquianos sabia que ele mantinha uma união “semi-estável” com uma mulher de meia idade, com quem tinha encontros matinais.

Charge de Gerson Kauer

O juiz papador

 

O juiz papador

Era uma ação trabalhista em que o porteiro de um motel reclamava horas extras. A petição inicial juntou fotos com as placas de automóveis que eram ´habituês´ nas incursões românticas.  E requereu que o Detran informasse os nomes dos proprietários dos clientes assíduos...

Gerson Kauer

Iniciativa sexual feminina proibida

 

Iniciativa sexual feminina proibida

Foi um divórcio complicado do casal de japoneses. No depoimento, a esposa contou seu desconforto “porque o cônjuge não permitia que ela tomasse a iniciativa das relações sexuais”. Mas a câmara julgadora preferiu reconhecer o “choque de culturas”.

Charge de Gerson Kauer

Prato do dia: pizza judicial

 

Prato do dia: pizza judicial

No formal ambiente forense, chamou a atenção o mal trajar da consumidora. Ela era ré de um termo circunstanciado por ofensas ao dono de uma pizzaria. Os personagens da cena forense se olharam e admitiram, depois, terem lembrado do caso do juiz do Trabalho que mandara para casa o reclamante que comparecera calçando chinelos.

Gerson Kauer

O seguro de sorte

 

O seguro de sorte

Na ação de um futebolista de média notoriedade, contra seu ex-clube, o pedido inusitado de indenização por perdas e danos, ante a não contratação de um seguro de... sorte.  A incorreta interpretação, por um dos advogados, diante de uma vírgula colocada no meio de palavras da cláusula oitava... O juiz aproveitou para dar sábias aulas de vernáculo.

Gerson Kauer

É dando que se recebe...

 

É dando que se recebe...

O advogado papão, com muito jeito e cautela, tenta se aproximar da juíza linda – ambos solteiros. Na segunda-feira, numa audiência, há troca de olhares. Na quinta, ele é atendido para “conversar sobre um processo”. Atos finais: um tapa na cara e voz de prisão...