Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Presidente do TRF-4 elogia sentença que condenou Lula a nove anos de prisão



Arte de Camila Adamoli sobre foto banco de dados do Espaço Vital

Imagem da Matéria

  Sentença para a história

O presidente do TRF da 4ª Região, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, disse - em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada no fim-de-semana - que a sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro, que condenou o ex-presidente Lula a nove anos e seis meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, “é tecnicamente irrepreensível”.

E elogia: “Contém exame minucioso e irretocável da prova dos autos e vai entrar para a história do Brasil”.

O dirigente da corte comparou tal julgado de Moro à sentença que o juiz Márcio Moraes proferiu no caso Vladimir Herzog, em outubro de 1978, quando condenou a União pela prisão, tortura e morte do jornalista. E pontuou: “tal como aquela, não tem erudição, mas faz um exame irrepreensível da prova dos autos”.

Segundo Lenz – que fala sete idiomas, incluindo o latim – “a justiça não pode e não deve estar a serviço de ideologias políticas, de paixões partidárias, e, inclusive, de paixões populares”. Sobre a operação Lava Jato, ele disse que “ela mostrou que o Brasil chegou a um nível inaceitável de corrupção”.

Mas fez uma ressalva: “Não cabe ao Poder Judiciário regenerar moralmente uma nação”.

Até a última quinta-feira (3), em três anos e cinco meses de Lava Jato, 741 processos chegaram ao TRF-4. Destes, 635 já foram concluídos. Entre os que estão por chegar está aquele que condenou o ex-presidente. (Proc. nº 5046512-94.2016.4.04.7000).

Leia a íntegra da interessante entrevista, no saite do Estadão. Clique aqui.

 Os indícios de crimes e a livre convicção do juiz

O Espaço Vital solicitou ontem a um advogado, um juiz criminal (comarca de Porto Alegre), um promotor de justiça (comarca de entrância final) e um desembargador (TJRS) – mediante o compromisso de não divulgar seus nomes – que sintetizassem “opinião técnica” sobre a sentença de Moro.

Os quatro – sem contatarem entre si – observaram que o juiz pode, como Moro fez, condenar por convicção pessoal formada pela conjunção de indícios e provas colhidas.

E três coincidiram numa sugestão: que o Espaço Vital lembrasse aos advogados e informasse ao público leigo qual o teor dos artigos 155 e 239 do Código de Processo Penal Brasileiro.

Sugestão acolhida, aí vão os frios textos da norma.

"Art. 155 - O juiz formará sua convicção pela livre apreciação da prova produzida em contraditório judicial, não podendo fundamentar sua decisão exclusivamente nos elementos informativos colhidos na investigação, ressalvadas as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas”.

Art. 239 - Considera-se indício a circunstância conhecida e provada, que, tendo relação com o fato, autorize, por indução, concluir-se a existência de outra ou outras circunstâncias".

O saudoso procurador de justiça Paulo Claudio Tovo – professor de Direito Penal do colunista na PUC-RS, anos 70 - sempre ensinou que os indícios constituem um tipo de prova. E nominou as demais: depoimentos de testemunhas, perícias e documentos.

 Eles entendem disso...

Michel Temer – para safar-se - teve 100% de apoio na chamada “bancada da tranca”, que tem quatro integrantes.

São os deputados Celso Jacob (PMDB-RJ) que cumpre prisão em regime semiaberto e vai à Câmara com tornozeleira eletrônica na canela; Paulo Maluf (PP-SP), notório réu global; Marco Antonio Cabral (PMDB-RJ), cujo pai e patrono está preso em Bangu (RJ); e Lúcio Videl Lima (PMDB-BA) que tem o irmão Geddel em prisão domiciliar.

 Dois lotes de gente

“A operação ´abafa´ é uma realidade visível no Brasil. Há os que não querem ser punidos e há um lote pior, os que não querem ficar honestos”.
(Frase do ministro do STF Luís Roberto Barroso).

 Das redes sociais

A) “Antigamente os cartazes nas ruas, com rostos de criminosos, ofereciam recompensas. Hoje em dia, pedem votos”.

B) “E se a gente criasse um imposto sobre a propina?...
(Suposta proposta do ministro da Fazenda Henrique Meirelles, ao presidente Michel).

 Momentos de tensão

A delação que será fechada, por estes dias, na Procuradoria-Geral da Justiça, pela OAS mexe antecipadamente com os nervos dos políticos e de operadores jurídicos.

Vai relatar a compra (e venda, claro) de sentenças e acórdãos.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Armário da comarca: sete anos e meio de lentidão processual em ação penal que tem 25 denunciados por fraude contra o Banrisul.

 Armário da corte: o triste atropelamento de 17 ciclistas e uma ação penal que teima em não terminar.

 Sinal vermelho da Environment Justice Atlas sobre Porto Alegre: precariedade da mobilidade urbana e demora na solução judicial.

 Corregedor nacional da justiça apõe intrigante segredo de justiça no pedido de providências sobre o plantão do TRF-4 que quase soltou Lula.

STF suspende cobrança abusiva de 40% pelos planos de saúde

· Na decisão, Cármen Lúcia afirma que “saúde não é mercadoria, vida não é negócio, e dignidade não é lucro”.

· Auxílio-maternidade a uma mulher que adotou menina de 12 anos.

· Franklin Martins, envolvido no sequestro do embaixador Charles Burke Elbrick, poderá estar na equipe de Dias Tóffoli na presidência do STF.

· Custódia do notebook apreendido na residência do empresário Henrique Constantino, um dos fundadores da Gol.

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.