Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

Ruim para os advogados



A 3ª Turma do STJ decidiu que não faz parte da base de cálculo dos honorários advocatícios o valor da multa cominatória – aquela paga pelo atraso no cumprimento de determinações judiciais.

Ao negar recurso especial de advogado que atuava em causa própria, o relator, ministro Villas Bôas Cueva, afirmou que “a base de cálculo dos honorários advocatícios deve ser a condenação referente ao mérito principal da causa, o que exclui as multas (ou astreintes) do cálculo das verbas sucumbenciais”.

Uma explicação do ministro: “As astreintes, sendo apenas um mecanismo coercitivo posto à disposição do Estado-Juiz para fazer cumprir suas decisões, não ostentam caráter condenatório, tampouco transitam em julgado, o que as afastam da base de cálculo dos honorários advocatícios”. (Resp nº 1367212).


Comentários

André Schleich - Advogado 14.07.17 | 10:32:21
Essa decisão se reflete em verdadeiro absurdo, eis que, por infinitas vezes, a execução de um julgado ou de uma simples obrigação se demonstra infinitamente mais trabalhosa - um verdadeiro fardo de responsabilidade - do que o próprio processo de conhecimento. Decisão incompatível com a realidade e que certamente não observa a dignidade da profissão de advogado.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogada é algemada e retirada de audiência

Num vídeo exibido nas redes sociais, a profissional da advocacia aparece sentada no chão, no JEC Cível da comarca de Duque de Caxias (RJ), cercada por policiais, e com as mãos imobilizadas às costas. Ela reclama: “Sou negra, só quero trabalhar”.Veja as imagens e ouça o som.

Projeto de lei estabelece que OAB prestará contas

A movimentação financeira se submeterá a parecer do MPF. O projeto também altera o Estatuto da Advocacia, ao estabelecer que apenas uma inscrição será suficiente para o advogado atuar em todos os Estados.

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.