Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Assédio no quartel



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A simpática, e recém recrutada, aluna da Brigada Militar concluiu o curso de soldado e foi engajada para servir em média cidade gaúcha. Já nas primeiras jornadas – tanto pela afeição ao trabalho, como por seu rostinho angelical - ela chamou a atenção do seu superior hierárquico.

Nessa conjunção, o tenente começou a favorecer a soldado nas melhores escalas: tinha horário aliviado, ficava no conforto da sala de monitoramento, ficava distante do enfrentamento com bandidos e raramente atuava em uma viatura com ar condicionado.

Não demorou e vieram elogios repetitivos: “Tu estás cada vez mais querida, bonita e gostosa”.

E não faltaram insinuações do tipo “se tu quiseres, podes te transformar no meu anjinho celestial”.

A soldado avisou os colegas mais próximos e o namorado; todos ficaram de olho no tenente. Este, culminou os despropósitos enviando insistentes achegas via celular.

Um dia, o comando do quartel foi informado, abriu-se sindicância interna e o tenente assediador teve formal repressão anotada em seus assentamentos.

Veio então a mudança de atitude. O tenente esqueceu a admiração que tinha pela soldado; mas ela continuou como subordinada dele. Porém, passou a ser escalada para patrulhamentos a pé, principalmente nos dias caniculares. E por aí se foram os despropósitos, até que uma ação por dano moral aportou no fórum.

Ouviram-se testemunhas que, entre outras coisas, afirmaram que “ele é um carrasco”, “já tinha assediado outras”. E assim o juiz sentenciou condenando o tenente e o Estado do RS, solidariamente, ao pagamento de indenização (R$ 15 mil).

Há poucos dias transitou em julgado o acórdão da apelação, que admitiu “demonstrado o assédio moral/sexual perpetrado pelo superior hierárquico da autora, tanto que punido na carreira por comentários indecorosos e descabidos contra a subordinada”.

Na semana passada, começou a fase de cumprimento da sentença. No recinto forense, o militar assediador ganhou um codinome pinçado de um dos adjetivos da prova testemunhal: “o tenente tarado”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

A fortuna do “Padre Eros”

 

A fortuna do “Padre Eros”

Na cidade de 150 mil habitantes, o padre -  filho único - herdara todo o patrimônio deixado por seus pais. Era um homem rico - todos sabiam. Liberal, o religioso não obedecia ao celibato.  Metade dos paroquianos sabia que ele mantinha uma união “semi-estável” com uma mulher de meia idade, com quem tinha encontros matinais.

Charge de Gerson Kauer

O juiz papador

 

O juiz papador

Era uma ação trabalhista em que o porteiro de um motel reclamava horas extras. A petição inicial juntou fotos com as placas de automóveis que eram ´habituês´ nas incursões românticas.  E requereu que o Detran informasse os nomes dos proprietários dos clientes assíduos...

Gerson Kauer

Iniciativa sexual feminina proibida

 

Iniciativa sexual feminina proibida

Foi um divórcio complicado do casal de japoneses. No depoimento, a esposa contou seu desconforto “porque o cônjuge não permitia que ela tomasse a iniciativa das relações sexuais”. Mas a câmara julgadora preferiu reconhecer o “choque de culturas”.

Charge de Gerson Kauer

Prato do dia: pizza judicial

 

Prato do dia: pizza judicial

No formal ambiente forense, chamou a atenção o mal trajar da consumidora. Ela era ré de um termo circunstanciado por ofensas ao dono de uma pizzaria. Os personagens da cena forense se olharam e admitiram, depois, terem lembrado do caso do juiz do Trabalho que mandara para casa o reclamante que comparecera calçando chinelos.

Gerson Kauer

O seguro de sorte

 

O seguro de sorte

Na ação de um futebolista de média notoriedade, contra seu ex-clube, o pedido inusitado de indenização por perdas e danos, ante a não contratação de um seguro de... sorte.  A incorreta interpretação, por um dos advogados, diante de uma vírgula colocada no meio de palavras da cláusula oitava... O juiz aproveitou para dar sábias aulas de vernáculo.

Gerson Kauer

Chiclete cor de rosa

 

Chiclete cor de rosa

A sala está lotada de advogados, que esperam o início da sessão de julgamentos e os respectivos pregões de seus interesses. Na primeira fila, um profissional da advocacia aguarda a sua vez. No canto da boca, masca uma goma de mascar, que expele bolhas...