Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

Tartaruga processual marca presença no Foro de São Leopoldo



São Leopoldo, 22 de junho de 2017.

Ao
Espaço Vital

Ref.: Tartarugas processuais leopoldenses

Sinto-me até desconfortável em recorrer seguidamente ao Espaço Vital - porém, este vital espaço tem se comprovado como único meio eficaz para externar a reiterada morosidade de algumas varas judiciais. Infelizmente preciso me referir, novamente, à 2ª Vara Cível da Comarca de São Leopoldo, onde as juntadas de simples petições seguidamente demoram mais de seis meses.

Lamentavelmente esta situação é recorrente, não havendo – por magistrados ou pela Corregedoria-Geral da Justiça – a adoção de nenhuma medida para solucionar o problema. Diante disto, ficam os advogados à mercê do problema operacional administrativo de uma vara judiciária, sujeitos a todo tipo de críticas dos clientes (com efetiva razão, porém direcionadas à pessoa errada).

Trago como um – dentre muitos possíveis (maus) exemplos o pedido de cumprimento de sentença realizada em 31.10.2016 e que sequer foi juntado (proc. nº 0135561-86.2010.8.21.0033). Os cálculos já restam desatualizados, afinal, são oito meses aguardando juntada!

Mais outro: Processo nº 033/1.13.0010303-5, cujos cálculos também precisarão ser refeitos. Ora, o cumprimento de sentença foi protocolado em 12 de dezembro de 2016 – os agentes cartorários estão inertes.

Vejamos, então, o custo para todas estas situações. Tão logo juntadas as petições, o cartório irá encaminhar ao juiz, que, certamente, determinará a atualização do cálculo, o que será novamente juntado pelo advogado, que deverá esperar mais outros tantos meses, quando novamente o cálculo estará desatualizado e assim segue a via crucis...

Lembro da polêmica de semanas atrás, numa ação de alunos de uma escola particular - e sem querer polemizar mais, a continuar desta forma, poderão dizer: "Se nada der certo, serei advogado!"

Atenciosamente
Luciano Apolinario, advogado.
luciano@apolinariomagagnin.adv.br


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Repúdio a atitudes que objetivem constranger magistrados

A Ajuris manifesta-se sobre o desagravo que a OAB-RS concedeu à advogada Daniela Magrini de Azambuja.  O presidente, juiz Gilberto Schäfer, diz que “os atos de desagravo são legítimos, porém lamentamos que tal instrumento seja utilizado de forma indiscriminada”.

“Com maior responsabilidade, todos avançaremos”

O presidente da Ajuris, juiz Gilberto Schäfer, rebate o artigo ´De cabeça de juiz, ninguém sabe o que vem´. E diz que “o volume de serviços recomenda - da mesma forma que fazem inúmeros escritórios de advocacia - que o Poder Judiciário, inclusive na assessoria, tenha auxílio de funcionários com formação jurídica e estagiários para atender a população”.

Quando nem a Corregedoria do TRT-4 resolve...

Advogado relata flashes sobre uma renitente tartaruga processual, na Justiça do Trabalho de Novo Hamburgo. A esperança do profissional, agora, é a solução de uma representação por excesso de prazo, protocolada no Conselho Nacional de Justiça.