Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017

Trato intestinal e gases estrepitosos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O desembargador do Trabalho estava se aposentando e a Turma (no sentido jurisdicional da palavra) resolveu prestar-lhe uma homenagem, após o encerramento da última sessão de julgamentos de que ele participou. Estavam presentes familiares do jubilando, ex-alunos, colegas de magistratura, assessores, estagiários e alguns indefectíveis puxa-sacos.

O já provecto magistrado fez os agradecimentos protocolares, evocou dificuldades e sucessos na carreira e disse que contaria o caso mais curioso que julgara em seus 30 anos de lide jurisdicional. Fora uma discussão com suposta justa causa, pela ocorrência sistemática de “barulhos imotivados".

Relatou que a juíza de primeiro grau surpreendera-se com a constatação do verdadeiro motivo da demissão: "acúmulo de gases no estômago e no intestino da reclamante, nem sempre controlável no ambiente de trabalho". Tal circunstância constou do julgado monocrático, abordando aspectos vivenciais pois, “embora constrangedora a ventosidade, os seres humanos estão sujeitos a esse tipo de problema".

A sentença, então, reverteu a justa causa e condenou a reclamada ao pagamento de todos os direitos trabalhistas, além de deferir à reclamante a reparação financeira (R$ 15 mil) pelo dano moral.

No exame do recurso ordinário, as manifestações jurisdicionais vieram enriquecidas com explicações sobre os gases humanos: "São reações orgânicas naturais à ingestão de alimentos e ar, os quais, combinados com outros elementos presentes no corpo humano, resultam em gases, às vezes estrepitosos e incontroláveis, que se acumulam no tubo digestivo, que o organismo necessita expelir".

Depois do constrangimento geral na cerimônia de despedida, o desembargador arrematou de maneira ainda mais surpreendente: “Os flatos fazem parte da vida humana e nem sempre indulgentes com as convenções sociais”.

A gargalhada, então, foi geral. E durante a semana toda, o assunto mais comentado na “rádio-corredor” da Corte ganhou o epíteto de “a despedida do pum”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Predileção por lâmpadas vermelhas

 

Predileção por lâmpadas vermelhas

O equívoco cometido por um juiz que se preparava para assumir a jurisdição. Era meados de dezembro. Ao, pela primeira vez, subir a Serra Gaúcha, “encantou-se” com insinuantes luzes vermelhas que adornavam a fachada da casa de uma tradicional família italiana.

Charge de Gerson Kauer

O que (também) se faz no casamento?

 

O que (também) se faz no casamento?

Era o julgamento de uma apelação que buscava a anulação de um casamento, porque o homem se recusava ao relacionamento sexual. Até que o desembargador vogal descontraiu a discussão jurídica: “Dentre as finalidades do casamento está o relacionamento sexual - embora ninguém case só para isso, mas case também para isso”.

Charge de Gerson Kauer

Audiência de acareação

 

Audiência de acareação

Defronte ao juiz, no foro e perante os habituais personagens da cena forense, quase um engano atroz da idosa vítima de um crime sexual. Ela não identifica o preso como o autor da violência. E, espantosamente, ela passa a desconfiar do advogado de defesa!...

Charge de Gerson Kauer

O advogado, a juíza e o galo eficaz

 

O advogado, a juíza e o galo eficaz

É época de grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um profissional da advocacia (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe. De repente, aproxima-se uma magistrada – conhecida dele - que denotava felicidade.

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

 

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

De repente, bateu o telefone no quartel da Brigada, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz reclamante denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram ao aniversário do meu filho”.

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.