Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Cooperativas de crédito equiparadas às instituições financeiras



A edição nº 83 da Jurisprudência em Teses, que apresenta entendimentos do STJ sobre temas específicos, traz um novo grupo de decisões sobre direito bancário.

Uma das teses resumidas determina que “as cooperativas de crédito são equiparadas às instituições financeiras, aplicando-se-lhes o Código de Defesa do Consumidor, nos termos da Súmula nº 297/STJ”. (AResp nº 906.114).

Outra tese destacada estabelece que “não há relação de acessoriedade entre o contrato de compra e venda de bem de consumo e o de financiamento bancário com alienação fiduciária destinado a viabilizar a aquisição do bem”. (Agravo no REsp nº 1.519.556).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

H2OH! não é água

A União perde ação que buscava que a fabricante Pepsico alterasse a rotulagem e a marca do produto. TRF-3 definiu que o cidadão com instrução suficiente para conhecer a fórmula química da água é capaz também de perceber que se trata de refrigerante.

Validade da cláusula que admite atraso em entrega de imóvel comprado na planta

STJ rechaça tese sustentada por casal de compradores de que a incorporadora e a construtora - ao estipularem o prazo de entrega – devem considerar a possibilidade de atraso. Riscos, doravante, de que o consumidor seja seduzido com a informação enganosa de que o imóvel será entregue em data certa.

Hyundai responderá por fraude na venda de automóvel

Empresário comprou automóvel no interior de revenda autorizada, mas jamais recebeu o veículo. Aplicação pelo STJ da teoria da aparência. “Quando qualquer entidade se apresente como fornecedora de determinado bem ou serviço, ou mesmo que ela, por sua ação ou omissão, causar danos ao consumidor, será por eles responsável” – conclui o julgado.

O enfraquecimento da condição de consumidor

Julgado do STJ estabelece que “apesar da proteção contratual do consumidor estabelecida pelo CDC, o benefício do foro privilegiado estampado no art. 101, I, do CPC não resulta, ´per se, em nulidade absoluta das cláusulas de eleição de foro estabelecidas contratualmente´”.