Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

O amor em segredo de justiça



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Ontem (12), cedo, metade da manhã do Dia dos Namorados, vazou – com coloração gaúcha - nas redes sociais a petição em versos que um jovem advogado teria, em envelope grampeado na parte interna da capa de um processo, dirigido à nova juíza da comarca – ambos solteiros.

Aparentemente apaixonado pela magistrada – depois de insinuantes trocas de olhares em audiências - o advogado teria criado a seguinte petição:

“Eu, bacharel em direito
Conforme a lei em vigor,
Venho com todo o respeito
Requerer o seu amor.

Meu coração tem urgência
E não podendo esperar,
Peço que Vossa Excelência
Me conceda a liminar.

Caso eu a tenha ofendido
Com a inépcia do pedido,
Rogo pelo amor de Deus:
Se me faltou algum tato,
Prenda-me por desacato,
Mas prenda nos braços seus”.

 Prontamente, a magistrada teria despachado à mão, numa folha sem timbre, aposta dentro de um envelope de insinuante cor rosada, mandado entregar no escritório do advogado:

Em toda a minha carreira,
Como juíza de direito,
Nunca vi tanta besteira,
Nem tamanho desrespeito.

Minha conduta moral
É lei que não se revoga
Nem com sustentação oral
Debaixo da minha toga.

Por isso, ilustre advogado,
Seu pedido tresloucado
Indefiro nesta liça.

Depois, com a noite em curso,
Fora do expediente,
Eu aguardo o seu recurso.
E que se faça presente,
Mas em segredo de justiça”.

Até o fechamento desta página - às 8h30 de 13 de junho, manhã posterior ao Dia dos Namorados - a expectativa na comarca era a de que o advogado teria recebido a juíza, em seu apartamento, às 8 da noite de ontem. Durante a tarde ele estivera no melhor supermercado da cidade, em busca de itens para um presumível jantar aprimorado: champanhe, salmão, trufas, licor e outros quitutes.


Comentários

Wenceslau Teixeira Madeira - Advogado 16.06.17 | 17:13:25
Ao grande e espetacular Espaço Vital, parabéns!  Admirei a poesia do causídico e da juíza. Excelent. A justiça é excelente quando rápida e bem humorada! Ah, se as petições, despachos, sentenças e acórdãos fossem, em prosas e versos, assim elaboradas, eriam todos apreciados e acolhidos com atenção ! No final, veríamos, com alegria, as partes dando as mãos !
Nelson Oscar De Souza - Desembargador Aposentado 13.06.17 | 18:55:28
Aos bacharéis, toda a minha alegria ! E a plena florescência do Amor. E versos perfeitamente corretos ! Não abandonem também está bela vocação.
Bernadete Kurtz - Advogada 13.06.17 | 15:05:51
Se forem verdadeiros os fatos, levanto as mãos para o céu! É de amor que precisamos nestes tempos tristes de intolerãncia!
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

O ilustre e ignorante magistrado

 

O ilustre e ignorante magistrado

O que significam as palavras reproduzidas na charge acima, que o advogado – velha ´raposa´ das lides jurídicas – desfechou, repetidas vezes, contra o juiz que presidia o tribunal do júri?...

Gerson Kauer

Quase Dia dos Namorados no foro!

 

Quase Dia dos Namorados no foro!

O amor é lindo. No dia 11 de junho, os cônjuges que estavam separados de fato se reconciliam na audiência em que se discutia a pensão alimentícia para os filhos. A propósito: as crianças seriam duas? Ou seriam três?

Charge de Gerson Kauer

Os descontos do dia e a justa causa

 

Os descontos do dia e a justa causa

Era uma noite quente do verão porto-alegrense; um homem entra num bar da moda; senta-se junto ao balcão e pede a sua cerveja favorita. A primeira oferta é imperdível: a melhor das cervejas, bem gelada, em copo de cristal, por apenas cinco reais...

Charge de Gerson Kauer

Coitada, otária, burrinha e chifruda

 

Coitada, otária, burrinha e chifruda

Um homem, duas mulheres. A esposa, além do adultério cometido pelo marido, teve que suportar uma saraivada de mensagens ofensivas, envidas pela “outra” via WhatsApp. Ainda assim, a cônjuge desprezada preferiu manter o casamento.

Charge de Gerson Kauer

Preparativos para o Exame de Ordem

 

Preparativos para o Exame de Ordem

Numa prova de Direito Civil, o universitário definiu de maneira insólita o que é purgação de mora: “Quando alguém passa do tempo certo de morrer e vai para o céu habitar junto aos anjinhos, deve antes resolver a questão do inadimplemento de sua obrigação”...