Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017

Quase Dia dos Namorados no foro!



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Onze de junho, véspera do Dia dos Namorados, audiência de conciliação em comarca grande do interior gaúcho. A esposa (de afazeres domésticos, separada de fato) busca formalizar a pensão alimentícia para os filhos e quer 30% a mais do que o valor oferecido pelo marido.

- Ela está querendo muito, sempre foi ambiciosa. Assim não vai sobrar nada pra mim – afirma o homem, que é pequeno comerciante e astuto vereador.

- Não é muito não, doutor, ele pode pagar, porque como todo político tem caixa 2. E, afinal, eu fiquei com três filhos para criar – responde a mulher.

- Três filhos não! São dois! – rebate o homem, já avermelhando.

- São três! – insiste a mulher.

O juiz folheia os autos, para esclarecer a controvérsia.

- Minha senhora, pela petição inicial e certidões juntadas, vejo que são dois os filhos havidos no casamento.

- Eram dois até o mês passado, mas é que fiz um exame esta semana e descobri que estou grávida, por isso estou gordinha. Vai nascer no final de dezembro – a mulher fala baixinho, falando com ternura.

O silêncio na sala dura meio minuto, enquanto os litigantes trocam ternos olhares.

- Grávida mais uma vez - e por que não me contaste!? – o homem questiona, num misto de estupefação e alegria.

- Já estavas fora de casa e achei que ficarias brabo. Mas o filho é nosso! – explica a mulher.

O homem coça o queixo e faz uma ponderação típica de político ligeiro.

- Bem, excelência... acho que advogados, juízes e promotores chamam isso de fato novo, não é? Peço, então, que o senhor suspenda o processo para que a gente tente se entender.

- É isso que a senhora quer? Reconciliar com o seu esposo e esperar junto com ele o nascimento do novo bebê? – pergunta o magistrado.

A mulher sorri afirmativamente.

- E os senhores procuradores, têm algo a dizer? - questiona o magistrado.

- Em briga ou paz de marido e mulher, eu é que não vou meter a colher! – brinca o defensor do réu, parafraseando o ditado popular.

- Constato a expressão de felicidade de minha cliente - reconhece o advogado da autora.

Audiência encerrada, os cônjuges saem de mãos dadas. Uma semana depois ingressa a petição conjunta de desistência da ação.

O amor é lindo!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Predileção por lâmpadas vermelhas

 

Predileção por lâmpadas vermelhas

O equívoco cometido por um juiz que se preparava para assumir a jurisdição. Era meados de dezembro. Ao, pela primeira vez, subir a Serra Gaúcha, “encantou-se” com insinuantes luzes vermelhas que adornavam a fachada da casa de uma tradicional família italiana.

Charge de Gerson Kauer

O que (também) se faz no casamento?

 

O que (também) se faz no casamento?

Era o julgamento de uma apelação que buscava a anulação de um casamento, porque o homem se recusava ao relacionamento sexual. Até que o desembargador vogal descontraiu a discussão jurídica: “Dentre as finalidades do casamento está o relacionamento sexual - embora ninguém case só para isso, mas case também para isso”.

Charge de Gerson Kauer

Audiência de acareação

 

Audiência de acareação

Defronte ao juiz, no foro e perante os habituais personagens da cena forense, quase um engano atroz da idosa vítima de um crime sexual. Ela não identifica o preso como o autor da violência. E, espantosamente, ela passa a desconfiar do advogado de defesa!...

Charge de Gerson Kauer

O advogado, a juíza e o galo eficaz

 

O advogado, a juíza e o galo eficaz

É época de grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um profissional da advocacia (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe. De repente, aproxima-se uma magistrada – conhecida dele - que denotava felicidade.

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

 

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

De repente, bateu o telefone no quartel da Brigada, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz reclamante denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram ao aniversário do meu filho”.

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.