Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

O tempo “a favor” de Temer



Mesmo se for condenado pelo TSE, no julgamento que inicia nesta terça-feira (6), Michel Temer pode adiar sua saída da Presidência. A lei permite que a punição se limite à ilegibilidade. E recursos ao próprio TSE ou ao Supremo podem prolongar a permanência no cargo.

Usualmente, a punição nesse tipo de ação é a perda do mandato e o impedimento de se candidatar pelos oito anos seguintes à eleição questionada.

Advogados ouvidos pelo Espaço Vital apontaram várias formas de contestar uma eventual condenação e com isso ao menos retardar a eventual saída do cargo. A defesa de Temer argumenta que ele não pode ser punido porque não era responsável pela captação de recursos da campanha, função exercida à época pelo atual prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT). Para reforçar essa tese, o PMDB sustenta que abriu uma conta separada para receitas e despesas exclusivas da candidatura do então vice-presidente.

Caso Temer também seja considerado culpado, a defesa terá algumas opções para evitar que ele deixe a cadeira de presidente: punição somente com a inelegibilidade; cassação só após julgamento de recursos (“embargos de declaração”) ao próprio TSE; recurso extraordinário ao STF; medida cautelar também ao Supremo.

Como as ações contra o presidente da República são julgadas somente no TSE, numa única instância, o mais provável é que - mesmo em caso de cassação - os ministros aguardem a decisão sobre eventuais recursos para decretar a perda do mandato.


Comentários

Waldemar Moreira De Castro Njunior - Administrativo 07.06.17 | 12:07:29
No julgamento iniciado ontem, ocorreu a defesa em separado do Temer. Assim sendo, caracteriza-se a individualidade quando os ministros derem suas decisões. Quero o Temer fora da Presidência, mas dentro do que for justo.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Baixo nível eleitoral

Se faltam ideologias, sobram brincadeiras. Candidatos usam trocadilhos e nomes inusitados para chamar a atenção: Paula Tejano (atenção para a cacofonia), Xereca, Hélio Quebra Bunda e Riso Sempre Riso são alguns dos nomes, ou frases, que identificam (?) candidatos às eleições do próximo domingo.

Dilma cai, ou Dilma fica? Só amanhã saberemos!

Votação dos senadores que selará o destino da primeira mulher presidente do Brasil fica para a quarta-feira (31). Decisão é de Ricardo Lewandowski. Um dia antes da decisão sobre os destinos políticos do Brasil, o IBGE anunciou hoje (30) que o nosso País tem mais de 206 milhões de habitantes, dos quais 11,8 milhões estão desempregados. O número de pessoas que estão sem ocupações formais de trabalho é, infelizmente, o maior da história.