Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

Coitada, otária, burrinha e chifruda



Um homem, duas mulheres. Acórdão diz que “o agir ilícito da demandada – que é ´a outra´ - não reside no relacionamento que ela teve com o marido da autora, mas o que se mostra contrário ao direito – muito mais do que a infidelidade do cônjuge – são as diversas ofensas promovidas pela ré em desfavor da autora”.

Ser chamada de “coitada, otária”, "burrinha e chifruda” em mensagens enviadas pelo WhatsApp causa abalo emocional que ultrapassam a esfera do mero dissabor – o que é suficiente para carregar à ofensora o dever de indenizar. A decisão fixa modesta reparação financeira de R$ 2 mil, em favor de uma mulher que foi ofendida várias vezes pela amante do marido.

A petição inicial relata que “a demandante vem sofrendo constrangimento, em função da perseguição da rival, teve a sua vida exposta nas redes sociais, sofreu depressão, tendo que abandonar o emprego”.

O juízo de primeiro grau negou a indenização extrapatrimonial, mas proibiu a ré de enviar novas mensagens e mencionar o nome da autora da ação em redes sociais ou diante de amigos comuns, sob pena de multa de R$ 200 para cada episódio de descumprimento da obrigação.

A esposa lesada recorreu, buscando também a reparação financeira.

A câmara recursal comparou que “o agir ilícito da demandada não reside propriamente no relacionamento que ela teve com o marido da autora, mas o que se mostra contrário ao direito – muito mais do que a infidelidade do marido – são as diversas ofensas promovidas pela ré em desfavor da autora”.

O acórdão dimensionou que “tais ataques ultrapassam a esfera do mero dissabor”.

O colegiado admitiu que “claramente, houve intenção de ofender e humilhar, o que, mesmo nas circunstâncias triangulares, não pode ser tolerado, ainda que a autora tenha optado, por razões suas, em manter o casamento’’.

Tal qual Amélia, a mulher de verdade...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O que (também) se faz no casamento?

 

O que (também) se faz no casamento?

Era o julgamento de uma apelação que buscava a anulação de um casamento, porque o homem se recusava ao relacionamento sexual. Até que o desembargador vogal descontraiu a discussão jurídica: “Dentre as finalidades do casamento está o relacionamento sexual - embora ninguém case só para isso, mas case também para isso”.

Charge de Gerson Kauer

Audiência de acareação

 

Audiência de acareação

Defronte ao juiz, no foro e perante os habituais personagens da cena forense, quase um engano atroz da idosa vítima de um crime sexual. Ela não identifica o preso como o autor da violência. E, espantosamente, ela passa a desconfiar do advogado de defesa!...

Charge de Gerson Kauer

O advogado, a juíza e o galo eficaz

 

O advogado, a juíza e o galo eficaz

É época de grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um profissional da advocacia (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe. De repente, aproxima-se uma magistrada – conhecida dele - que denotava felicidade.

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

 

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

De repente, bateu o telefone no quartel da Brigada, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz reclamante denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram ao aniversário do meu filho”.

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.