Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

A íntima revelação da advogada



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Sessão de uma câmara cível do TJ, sala abarrotada, uma chamativa advogada, trintona, faz uma sustentação oral veemente, em favor da alteração do registro civil de sua cliente. Esta se tinha por mulher mas fora registrada com nome e sexo masculinos. Em função de algumas controvérsias físicas e factuais, a sentença de primeiro grau negara o pedido.

À medida em que vai relatando peculiaridades do caso, a advogada constata que colegas de profissão que esperam os julgamentos seguintes se alvoroçam nas cadeiras e cochicham entre si. Ela, então, interrompe a sustentação e gesticulando pede ao presidente:

- Excelência, requeiro que a sessão prossiga a portas fechadas, em função de uma reveladora e íntima informação que quero fazer.

Os desembargadores olham-se entre si, maneiam a cabeça afirmativamente e o presidente defere:

- Embora seu pedido devesse ter sido feito antes de iniciado o julgamento, ainda assim vou atendê-lo. E desde logo, em nome da câmara, desculpo-me ante os presentes, ao solicitar que deixem a sala por alguns minutos. A sessão prosseguirá sob o manto do segredo de justiça.

Algumas feições surpresas, outras contrariadas etc., a determinação é atendida. A sala de julgamentos fica sem “intrusos”. A porta é chaveada por dentro e, dois minutos depois, a sessão continua.

Certificando-se que o segredo de justiça está sacramentado, a advogada prossegue e revela:

- Senhores desembargadores, eu própria sou uma transgênero!

E põe-se a revelar algumas peculiaridades dela e de sua cliente, até arrematar:

- Estou convicta de que os senhores magistrados, profundos conhecedores dessas páginas e experiências de vida de variadas opções e variações sexuais, bem entenderão a extensão do drama que se retrata no processo.

A apelação afinal é provida. O presidente proclama o resultado, mas diz que, extra autos, precisa fazer um reparo. E olhos fixos na advogada, arremata:

- Doutora, um detalhe. Destas variações sexuais a que a senhora se refere, eu e meus dois colegas de câmara não entendemos nada!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Distribuição de chupeta (s)

 

Distribuição de chupeta (s)

A entrega de chupeta a um médico que, em audiência, se opunha à pensão alimentícia que teria que pagar. Mas - segundo a “rádio-corredor” forense - os bicos ortodônticos também eram oferecidos pelo juiz a advogados com quem ele estaria em linha de confronto jurídico. 

Charge Gerson kauer

Mulher juíza, não!

 

Mulher juíza, não!

Caro leitor(a), palpite onde ocorreu. Envie o cupom eletrônico, depois de ler a história de um ´machista´ que – durante audiência - deixou em polvorosa uma magistrada, uma promotora, uma defensora pública, uma escrevente e uma estagiária. Ele era acusado de crime ambiental: maus tratos contra o seu próprio cavalo.

Charge de Gerson Kauer

   Recurso especial com sabor de queijo francês

 

Recurso especial com sabor de queijo francês

Não se tratou do já tolerado erro do “copia e cola”. Era uma folha à parte, íntegra e autêntica, contendo um ensinamento culinário: “Em uma tigela, misture três tomates maduros, três colheres de azeite e três colheres de manjericão fresco picado”.

Gerson Kauer

Reunião da turma de Direito

 

Reunião da turma de Direito

Por que, de 1988 a 2018, o mesmo grupo de advogados (as), magistrados(as) e promotores(as) decidiu, a cada dez anos, sempre comemorar o aniversário de formatura na... churrascaria Picanha Excelência.

Charge de Gerson Kauer

Barbatimão jurídico

 

Barbatimão jurídico

Em processo de divórcio litigioso, o estagiário – que sempre faz minuciosos projetos de sentença - deparou-se, estupefato, em meio às petições, com uma confidência que um dos advogados da causa fizera à sua dileta noiva. Era mais um caso de erro do “copia e cola”

Charge de Gerson Kauer

Exagero na relação conjugal

 

Exagero na relação conjugal

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – ele cinquentão, ela quarentona - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal