Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

Fui assaltado nos degraus do Palácio da Justiça!



Porto Alegre, 18 de maio de 2017.

Ao
Espaço Vital

Fui assaltado nos degraus do Palácio da Justiça, no dia 16 de maio de 2017, às 17h45. De pronto, entrei no prédio e pedi para assistir as imagens das câmeras.

A sensação é indescritível: ver e rever aquela situação pela qual passei. Os seguranças foram muito solícitos.

Após, procurei a Brigada Militar, e ao atravessar a Praça da Matriz deparei-me com três PMs, que também foram muito prestativos e viram as imagens no vídeo. Mas ninguém foi preso.

Nessas ocasiões, sair vivo é lucro. Porém, o coração de um idoso (69 anos) fica cada vez mais sequelado.

Não há falta de segurança, o que há é excesso de bandidos.

Até quando? Cuidemo-nos!

Atenciosamente,

Edgar Granata, advogado (OAB-RS nº 8.388).
egargrata@gmail.com


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quando nem a Corregedoria do TRT-4 resolve...

Advogado relata flashes sobre uma renitente tartaruga processual, na Justiça do Trabalho de Novo Hamburgo. A esperança do profissional, agora, é a solução de uma representação por excesso de prazo, protocolada no Conselho Nacional de Justiça.

A solidariedade e a fraternidade humana na justiça

Mais uma tartaruga forense gaúcha: ação começou em 1994 e completará 23 anos em junho. A propósito dela, advogado alerta: “O princípio constitucional de construir uma sociedade livre, justa e solidária talvez seja melhor entendido, se aplicável, somente pela Justiça divina e não terrestre”.

Nem tudo são espinhos advocatícios!

Advogado festeja sucesso de sua apelação. Verba honorária sucumbencial foi majorada de R$ 1,6 mil para R$ 84 mil. Ação já dura quase 20 anos.

Os credores do Sul fazendo a diferença na recuperação judicial da Oi

Um grupo de 30 escritórios de advocacia do RS e SC já representa mais de 30 mil credores, todos detentores de créditos relativos a indenizações judiciais. “Na assembleia que votará o plano, no voto por cabeça, poderemos fazer a diferença” – diz o advogado gaúcho Júlio Sá.