Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Serviços cirúrgicos e sexuais



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A petição inicial de ação reparatória ajuizada pelo Antonio Carlos - industrial conhecido - surpreendeu servidores da comarca: ação de reparação moral contra o Doutor Celzo, notório cirurgião plástico, que – “transgredindo a ética médica, envolvera-se com sua paciente Duana, então esposa do demandante, o que terminou resultando em separação litigiosa, ante a consumação comprovada de adultério”.

O cirurgião contestou, dizendo ter “atendido a ex-esposa do autor como médico e, na conjunção, os procedimentos sempre foram acompanhados pela secretária, enfermeiras e auxiliares clínicos; não havendo qualquer espécie de relacionamento afetivo, muito menos sexual”.

Detalhe surpreendente: com a réplica surgiu uma declaração firmada por Duana, - já então divorciada de Antonio Carlos – reconhecendo que “mesmo enquanto casada, tive relacionamento íntimo temporário com o médico Celzo, que me atendeu em cirurgia plástica dos seios”.

A assinatura estava reconhecida por autenticidade.

O juiz admitiu que “frente ao dever de fidelidade recíproca, enquanto casados, nos termos do inciso I do artigo 1.566 do CC, em tese, caberia pretensão reparatória contra o cônjuge adúltero, que eventualmente pratica esse ilícito civil”. Mas fulminou a ação porque “tal ação é inviável contra o terceiro”.

No tribunal, o relator fez digressões sobre a “inviabilidade da manutenção de uma vida em comum, que pode estar configurada muito tempo antes da ocorrência de uma relação extraconjugal”.

A revisora lembrou que “não há reparação possível, de ordem econômica, para curar as dores sofridas na constatação do adultério”.

E o vogal foi objetivo com uma única frase: “O adultério deixou de ser crime, desde 2005”.

Já há trânsito em julgado. E a fase de execução da sucumbência (verba honorária que o industrial terá que pagar ao advogado do médico réu) segue tramitando sem segredo de justiça.

Talvez por isso ainda cause tanto tititi na comarca.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. 

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.