Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

TRT gaúcho publica três novas súmulas



A Corte Especial do TRT da 4ª Região aprovou três novas súmulas e alterou a redação de uma quarta. A de maior repercussão é a que estabelece que a jornada de 12 horas de trabalho seguida de 36 horas de descanso é válida se for autorizada por lei ou convenção coletiva.

Os enunciados consolidam a posição do tribunal sobre temas que apresentavam decisões divergentes entre as turmas julgadoras. A corte também alterou a Súmula nº 67, que trata da compensação de horas em atividade insalubre.

Leia as súmulas aprovadas:

· Súmula nº 117

Regime de trabalho 12 x 36. Validade.

É válida a escala de 12 horas de trabalho por 36 de descanso, quando esta for autorizada por lei, acordo coletivo de trabalho ou convenção coletiva de trabalho.

· Súmula 118

Município de Santana do Livramento. Adicional por tempo de serviço. Incorporação aos vencimentos.

É válida a incorporação dos anuênios aos vencimentos básicos dos servidores implementada pela Lei Municipal nº 6.051/2011

· Súmula 119

Município de Passo Fundo. Base de Cálculo de adicional de insalubridade.

A base de cálculo do adicional de insalubridade prevista na Lei Complementar nº 203/2008 é aplicável aos empregados públicos do Município de Passo Fundo.

· Súmula 67 (nova redação)

Regime de compensação horária. Atividade insalubre.

É inválido o regime de compensação horária em atividade insalubre quando não atendidas as exigências do art. 60 da CLT. No caso de regime de compensação horária semanal, será devido apenas o adicional de horas extras sobre as horas irregularmente compensadas

Leia, na base de dados do Espaço Vital, todas as súmulas do TRT da 4ª Região (RS).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TST aprova alterações e cancelamento de súmulas

Modificações também em orientações jurisprudenciais. Nova redação do verbete nº 368 estabelece que “a Justiça do Trabalho é competente para determinar o recolhimento das contribuições fiscais”.

Súmulas do TST serão atingidas pela reforma

O projeto de lei legaliza práticas atualmente rechaçadas pelos ministros, ou suprime indenizações previstas nessas normas que orientam os magistrados de primeiro e segundo grau