Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

98% dos processos trabalhistas de todo o planeta estão no Brasil



 

 Vícios do Brasil

Enquanto a plateia de cerca de 150 pessoas aguardava em Londres, ao longo do sábado (13), o anunciado "possível grande duelo" entre José Eduardo Cardozo e Sergio Moro, uma série de dados críticos em relação ao nosso país foram apresentados em diferentes palestras do Brazil Forum.

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, abriu os trabalhos, comentando que o Brasil, sozinho, é responsável por 98% dos processos trabalhistas em todo o planeta Terra. Detalhe: nosso país tem 3% da população mundial.

O magistrado citou o caso do Citibank, que desistiu de operar no Brasil quando detectou que aqui obtinha 1% de suas receitas, enquanto simultaneamente sofria 93% das ações trabalhistas em que é reclamado, mundo afora. Em seguida, Barroso comentou que 4% do PIB brasileiro é gasto com o funcionalismo público – “é um alto custo do Estado”.

O ministro também classificou a Previdência brasileira como responsável por perversa transferência de renda. "Os 32 milhões de aposentados da iniciativa privada custam o mesmo que 1 milhão de aposentados do poder público”. Ao dividir dessa forma desigual, meio a meio, toda a arrecadação da Previdência, o amargo e injusto é que a maioria pobre termina dando dinheiro à minoria mais endinheirada.

Quanto ao possível duelo entre o ex-ministro da Justiça e o juiz da Lava-Jato, sentados lado a lado, o debate não se realizou, havendo educadas divergências e troca de mesuras. Ao iniciar sua fala, Moro brincou dizendo que algumas pessoas esperavam confronto, mas que ele não havia dado “nenhuma cotovelada” no colega de mesa. Segundo o juiz, é uma tolice pensar que os dois não poderiam dividir um espaço, já que “a democracia é um espaço acima de tudo de liberdade”.

Cardozo, a seu turno, feições mais constritas, usou uma frase repetitiva: “O processo de impeachment que retirou Dilma Rousseff foi um golpe”.

 Desagregação na rede

Uma pesquisa realizada pelas agências JWT e Grimpa XP - que ouviram 4.894 pessoas em todas as regiões do país – revela que quatro em cada dez brasileiros perderam amigos, nos últimos 12 meses, em função de divergências durante contatos pelas mídias sociais.

Internautas definem que se trata do chamado “rompimento digital”.

 Mulheres experientes

O mundo inteiro comenta - e, muitas vezes com pitadas de preconceito - o fato de o novo presidente da França, Emmanuel Macron, 39 de idade, ser casado com uma mulher, Brigitte Macron, 63 – irreversíveis 24 anos mais velha.

Afinal, o mais comum é o contrário: Michel Temer, por exemplo, é casado com Marcela, 43 anos mais nova.

A propósito, a professora de antropologia da UFRJ Mirian Goldenberg lançou o livro “Por que os homens preferem as mulheres mais velhas?”. Foram entrevistados 52 homens e mulheres, todos casados, há pelo menos dez anos, com uma diferença de idade também de, pelo menos, dez anos.

Segundo o livro “todos esses casais são muito felizes”. Entre as mulheres citadas que preferem/preferiram homens mais jovens, estão Susana Vieira, Elza Soares, Ana Maria Braga, Marília Gabriela e Elba Ramalho.

A propósito, números do IBGE mostram que aumentaram as uniões de mulheres mais velhas com homens de menos idade. Em dez anos (1996 a 2006) esses casamentos pularam de 5,6 milhões para 7,5 milhões. São impressionantes 34% de aumento.

 

 Estatística exitosa

Carlos Ayres Brito, ex-presidente do Supremo, pediu a gente de sua confiança para conferir o percentual das decisões de Sérgio Moro que foram mantidas – no TRF-4, no STJ e no STF.

Deu 94%. O levantamento constatou não haver um único juiz, no Brasil, com estatísticas de êxito sequer parecidas.

A propósito, o advogado e escritor José Paulo Cavalcanti Filho, em artigo publicado no Diário de Pernambuco, na sexta-feira (12), sob o título “Moro e Lula, o Encontro” fez projeções sobre a Lava-Jato.

Diz que “Moro sabe que a Lava Jato tem prazo para acabar, porque ele conhece o precedente da Mani Polite (Mãos Limpas), na Itália, onde depois de 5 anos, ninguém mais queria saber da operação”. E arremata que “Moro trabalha para que todos os processos estejam encerrados até o próximo ano”.


Comentários

Roan Marcell De Freitas Lago - Advogado 17.05.17 | 19:15:54
A estatística do Moro é absurda e gera dúvidas de politicagem jurídica entre magistrados.
Eliel Valesio Karkles - Advogado 16.05.17 | 10:06:36
98% dos processos trabalhistas são nossos? Alguma coisa está errada. Ou somos nós, ou é o resto do planeta.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Projeto de lei institui no RS o Dia Estadual do Frango e do Ovo

• Deputado gaúcho conclama que “a carne de frango e os ovos são alimentos de alto valor proteico e nutricional, essenciais no combate à desnutrição”. A comemoração seria na segunda sexta-feira de agosto, todos os anos.

 Parlamentares brasileiros negociam, em causa própria, a aprovação de um novo Refis, com perdão de até 99% das dívidas tributárias e previdenciárias.

 Pérola financeira do deputado Vicente Cândido (PT-SP): a criação de um fundo público para financiamento de campanhas eleitorais correspondente a 0,5% da receita líquida da União. Uma torneira de R$ 5,9 bilhões.

Vergonhoso projeto de lei: a abertura aos partidos políticos da venda de vagas para a imunidade

·      Deputado federal Vicente Cândido (PT-SP) quer um adendo na reforma política: impedir a prisão de presumíveis candidatos até oito meses antes das eleições.

·      Receita Federal estuda abocanhar parte dos R$ 4.377 do “auxílio-moradia”.

·      OAB não poderá interferir em núcleos universitários de práticas jurídicas.

·      O crescente mercado das tornozeleiras eletrônicas.

·      Não cabe à OAB regulamentar regras sobre o funcionamento de núcleos de prática jurídica para estagiários.

Lula: o “chefe da quadrilha”, ou “o cara”?...

• Depois dos elogios de Obama em abril de 2009, agora o afago é de Evo Morales: “Ao irmão Lula da Silva, o nosso apoio”.

• Quinze anos após chegar à Presidência pelo voto dos mais pobres, a condenação por se corromper pelo dinheiro dos ricos.

• Dependendo de quem for o próximo presidente, não haverá passagem de faixa presidencial; a troca será de tornozeleira eletrônica.

O Congresso que rouba, investiga e absolve!

 Uma frase de Millor Fernandes, dita em 2011, continua atualizadíssima, seis anos depois.

  55.402 brasileiros abandonaram oficialmente o País em três anos.

 Ibope afere a força da Chapecoense: mais seguidores do que Fluminense e Botafogo somados.

Afinal, mudanças na escolha dos ministros do STF

• Mandato de dez anos, proibida a recondução. Lista tríplice a ser enviada ao presidente da República será formada por um colegiado de sete pessoas (sem políticos), do qual fará parte o presidente do CF-OAB.

•  Eduardo Cunha perde ação contra O Globo.

 Jeitinho na Câmara para mexer na delação premiada.

 Depois do “Fora Temer”, uma novidade: “Fora, Rodrigo Maia”.