Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

STF suspende decisão do TJRS sobre funcionamento de comércio em município gaúcho



O ministro Gilmar Mendes, do STF, deferiu liminar para afastar os efeitos de decisão do TJRS que suspendeu a aplicação da Lei municipal nº 1.273/2016, que dispõe sobre os dias de funcionamento dos estabelecimentos comerciais em Candelária (RS). A decisão do ministro se deu na reclamação ajuizada pelo referido município gaúcho.

A suspensão da lei municipal foi determinada por decisão cautelar do TJRS em ação movida pelo Sindicato do Comércio Varejista de Cachoeira do Sul (Sindilojista) e pela Associação do Comércio e Indústria de Candelária (ACIC), que alegaram “ofensa aos princípios constitucionais da livre concorrência, da defesa do consumidor e da liberdade do exercício das atividades econômicas”.

No STF, o Município de Candelária – em sua reclamação - argumenta que “a decisão reclamada ofendeu a Súmula Vinculante nº 38”. Esta tem a seguinte redação: “É competente o município para fixar o horário de estabelecimento comercial”.

Sustenta o Município de Candelária, ainda, que a suspensão da eficácia da norma causa dano irreparável, uma vez que impede o ente municipal de regular adequadamente assunto de interesse local. O ministro Gilmar Mendes verificou que estão presentes os requisitos da plausibilidade jurídica das alegações (fumus boni iuris) e do perigo de demora (periculum in mora), que autorizam o deferimento do pedido de liminar.

Segundo o relator, o ato questionado divergiu do entendimento consolidado na SV nº 38, uma vez que houve interferência na autonomia conferida ao ente municipal. O ministro referiu precedente (agravo regimental no Recurso Extraordinário nº 926993) da 2ª Turma que, ao aplicar o verbete vinculante, reafirmou a tese segundo a qual “compete ao município, por tratar-se de matéria local, fixar o horário de funcionamento de estabelecimentos comerciais, sem que a hipótese configure ofensa aos postulados da isonomia, da livre iniciativa e da livre concorrência”.

Com base nesses fundamentos, o ministro suspendeu os efeitos da decisão do TJRS até julgamento final da reclamação. A advogada Franciele Schroder atua em nome do Município de Candelária. (RCL nº 24518 – com informações do STF e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF proíbe a condução coercitiva de réus e investigados

Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança. Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança.

STF cassa censura a publicações jornalísticas

Duas decisões do ministro Luís Roberto Barroso, em reclamações, liberam publicações jornalísticas envolvendo dois governadores. Flexibilidade do conceito de segredo de justiça, quando houver interesse público, inclusive como fator inibidor de transgressões futuras.

Com maioria para o fim do foro privilegiado, STF retoma hoje o julgamento

Cronologia da demora: o julgamento começou em maio de 2017, com o voto do ministro Luís Roberto Barroso, que manteve no Supremo somente processos por crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao cargo. Prosseguiu em novembro, com o voto de Alexandre de Moraes, que deixa no STF apenas os casos ocorridos durante o mandato, ainda que não relacionados ao cargo. Quando estava 8 x 0, então Toffoli pediu vista...