Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Moeda antiga no interior de mariola saboreada por advogado porto-alegrense



Sentença proferida pela juíza Marlene Marlei de Souza, da 4ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre, deferiu reparação moral de R$ 2 mil em favor do consumidor Gustavo Dadalt, advogado, 35 de idade.

A petição relata que Gustavo, em 30 de maio de 2016, adquiriu na loja da Rua Cabral nº 600 (Porto Alegre), da rede de supermercados Zaffari – entre outros vários itens típicos a um rancho - um pacote de mariolas da marca DaColônia, produzidas na cidade de Santo Antonio da Patrulha. Pelo item questionado pagou R$ 5,29.

Já em casa, o consumidor abriu a embalagem e começou a degustar o produto. Então, “se deparou com algo estranho e consistente, que por pouco não esfaleceu parte de um de seus dentes”. Para surpresa, percebeu que no meio da mariola, havia uma moeda antiga, fora de circulação monetária.

Na ação é sustentado “estar caracterizada a negligência das empresas demandadas ao colocarem a saúde do demandante, em risco, resultando na ingestão de produto impróprio para o consumo humano”. O autor pediu indenização por danos morais no valor de R$ 15 mil.

A empresa DaColônia Alimentos Naturais contestou, ressaltando que “a fabricação de produtos de qualidade é o objetivo sempre buscado pela empresa, sendo todas as suas atividades constantemente fiscalizadas pela Secretaria Estadual da Saúde e pela Vigilância Sanitária”. Sustentou que “a situação vivenciada pelo demandante não perpassa os meros dissabores, não se mostrando razoável juridicamente a emissão de juízo condenatório ao pagamento de quantia para fins de reparação de lesões imateriais”.

Houve resposta também da Cia. Zaffari, sustentando sua ilegitimidade passiva, “porque compra da fornecedora DaColônia o referido produto, já embalado, não tendo ingerência ou responsabilidade quanto a qualquer vício de qualidade”. Mais: “identificado o fabricante e em condições de arcar com a eventual condenação, não é a revendedora responsável em indenizar, consoante o art. 13 do CDC”.

A juíza inverteu o ônus da prova e julgou antecipadamente. Conforme a magistrada, as onze fotografias juntadas aos autos e a entrega da própria mariola parcialmente mastigada revelam que “havia impropriedade para o consumo, havendo de fato uma moeda no interior do produto”.

O julgado arremata que “estando comprovada a existência do vício do produto, mesmo dentro do prazo de validade, fica demonstrado que as empresas rés não primaram pela proteção da saúde humana, já que houve riscos à saúde alimentar e nutricional”.

Para a magistrada, “o dano moral está configurado, sem que se exija a ingestão do alimento com o corpo estranho, tendo em vista que a potencial exposição do consumidor a risco já basta para a configuração da lesão extrapatrimonial”.

Considerando “as peculiaridades do fato ocorrido”, a juíza fixou a reparação em RS 2 mil. Honorários sucumbenciais de R$ 1.200. Não há trânsito em julgado. O advogado Fernando José Gracioli atua em nome do autor da ação.(Proc. nº 001/1.16.0081842-1).


Comentários

Rafael De Faria Corrêa - Advogado 12.05.17 | 10:37:55
Decisão da magistrada está correta, porém o valor estipulado na sentença é irrisório; se tal fato acontecesse com algum magistrado ou membro do MP o valor da condenação seria no mínimo 5 vezes maior...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

H2OH! não é água

A União perde ação que buscava que a fabricante Pepsico alterasse a rotulagem e a marca do produto. TRF-3 definiu que o cidadão com instrução suficiente para conhecer a fórmula química da água é capaz também de perceber que se trata de refrigerante.

Validade da cláusula que admite atraso em entrega de imóvel comprado na planta

STJ rechaça tese sustentada por casal de compradores de que a incorporadora e a construtora - ao estipularem o prazo de entrega – devem considerar a possibilidade de atraso. Riscos, doravante, de que o consumidor seja seduzido com a informação enganosa de que o imóvel será entregue em data certa.

Hyundai responderá por fraude na venda de automóvel

Empresário comprou automóvel no interior de revenda autorizada, mas jamais recebeu o veículo. Aplicação pelo STJ da teoria da aparência. “Quando qualquer entidade se apresente como fornecedora de determinado bem ou serviço, ou mesmo que ela, por sua ação ou omissão, causar danos ao consumidor, será por eles responsável” – conclui o julgado.

O enfraquecimento da condição de consumidor

Julgado do STJ estabelece que “apesar da proteção contratual do consumidor estabelecida pelo CDC, o benefício do foro privilegiado estampado no art. 101, I, do CPC não resulta, ´per se, em nulidade absoluta das cláusulas de eleição de foro estabelecidas contratualmente´”.