Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

Olho vivo para evitar tragédia ambiental



Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google Earth (Skyscraper City)

Imagem da Matéria

Por Marilia Longo do Nascimento, advogada (OAB-RS nº 61.840), presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB-RS.
marilialongo@gmail.com

Está em tramitação, no Estado do RS, processo de licenciamento ambiental de empreendimento de mineração de zinco, chumbo e cobre, a ser implantado no Bioma Pampa, nas Minas do Camaquã em Caçapava do Sul. É de conhecimento geral, expresso nas leis ambientais, que a extração mineral gera impactos negativos significativos no meio ambiente e nas populações que vivem no seu entorno. Independente de qual visão se tenha sobre este tipo de empreendimento, tais impactos são inquestionáveis.

A OAB, além de representar o advogado e suas prerrogativas, tem o dever legal de defender a Constituição Federal. Em outras palavras, a Ordem ouve e dá voz à cidadania, para garantir os direitos dos cidadãos. É desse dever que nasce a Comissão de Direito Ambiental: garantir o direito constitucional de todos a um meio ambiente ecologicamente equilibrado, e batalhar pela correta aplicação das leis ambientais.

Em cumprimento aos seus deveres, a mencionada comissão está analisando e acompanhando o licenciamento ambiental, e estudos apresentados no Projeto Caçapava do Sul, sob o viés jurídico. Ao analisar o estudo de impacto ambiental (EIA/RIMA) apresentado, ficou evidente que a empreendedora, Votorantim Metais, deixou de observar e contrariou normas aplicáveis à mineração.

Há muito o que aprimorar, aprofundando e complementando os estudos, para que possa ser analisado e eventualmente licenciado pelo órgão ambiental. O empreendedor se comprometeu a fazer seu dever de casa, e apresentar estudos em complementação, os quais deverão levar em consideração vários pontos: as normas ambientais e a realidade do local do empreendimento; as zonas de influências; os planos e programas governamentais; as alternativas tecnológicas - especialmente quanto à disposição dos rejeitos, os riscos para Rio Camaquã e seus afluentes, e para a saúde das populações impactadas.

Ninguém no Rio Grande do Sul quer reviver acidentes de mineração, como o da Companhia Brasileira do Cobre, ocorrido no mesmo município do projeto atual, e nacionalmente, o da Samarco em Mariana (MG), e sofrer com seus os impactos. Especialmente no coração do Pampa, um dos grandes tesouros dos gaúchos, patrimônio natural e cultural do Estado.

Além de normas ambientais - que cumprem seu papel e regram como deve ser realizada a mineração, para que ela cause um menor impacto no meio ambiente - o órgão ambiental e o Governo do Estado devem observar as políticas desenvolvidas na região, e definir prioridades.

O Estado e a Sociedade devem debruçar-se sobre o tema e orientar que tipo de desenvolvimento se quer para cada região de nosso território: onde serão instaladas atividades altamente impactantes, com geração de lucro concentrado em poucos empreendedores e por período reduzido -, ou onde serão incentivadas e mantidas atividades sustentáveis econômica e ambientalmente, perenes e de baixo impacto no meio ambiente.

São escolhas que serão sentidas pelas presentes e futuras gerações.


Comentários

Vera Mariza Scholante Colares - Agricultura Familiar 05.05.17 | 09:56:17
Nós, que somos moradores de Palmas/Bagé, dentro da área de impacto pretendida pela mineradora, agradecemos o acompanhamento pela comissão de direito ambiental da OAB.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Tá lá a macaca estendida na Ponte

“A entrevista do goleiro Aranha, no final do jogo, foi como ele é, patético. É burro, podia aproveitar a oportunidade para ser elegante, mas ele não sabe o que é isto”. Por Carlos Josias Menna de Oliveira, advogado e conselheiro do Grêmio.

Aventuras de um juiz aposentado

As pessoas idosas não têm o direito de guardar para si a experiência que a vida proporcionou. Que a sociedade não cometa o desatino de desprezar a sabedoria dos mais velhos”. Artigo de João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado.

Arte de Camila Adamoli sobre ilustração do chargista BIER

A subversão da lógica do sistema legal consumerista

 

A subversão da lógica do sistema legal consumerista

Retirar a aplicação do CDC sobre os contratos dos planos de saúde – como querem as operadoras – não tem fundamento jurídico algum. “Elas buscam apagar a primazia da realidade: o contratante é um consumidor, sim; e as seguradoras são fornecedoras. A manobra só atende aos interesses da parte mais forte da relação”. Artigo do advogado Dionísio Renz Birnfeld. 

Quando a inteligência do advogado prejudica o cliente

Juízes brasileiros têm demonstrado um brilhante ativismo judicial "- devido à dificuldade de o Poder Legislativo acompanhar a evolução dos anseios da sociedade. Daí surgem decisões que amputam direitos e extrapolam o exercício da magistratura”. Artigo do advogado Enéias de Medeiros.

O direito ao esquecimento

“A liberdade de pensamento e expressão tem colidido com a reserva da privacidade, a proteção da honra, a preservação da reputação e com a conspurcação da imagem”. Artigo do advogado Fabiano Machado (OAB-RS nº 61.271).