Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Os honorários irrisórios desigualam os advogados no mercado de trabalho e destilam um juízo de qualidade negativo



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

O tratamento que vem sendo dado aos honorários de sucumbência deferidos aos assistentes judiciários, tanto na Justiça Estadual como na Justiça Federal, vem causando imensa insatisfação nos advogados assistentes que, como é comum em nosso meio, apostam em atender pessoas pobres, assumindo o risco de financiar, com seu tempo de trabalho, o exercício do direito de ação destes clientes.

Grassa uma sensação de que muitos magistrados consideram irrelevantes e dispensáveis o esforço e capacidade profissional de tais advogados para a boa administração da Justiça, ao arbitrar honorários por vezes humilhantes, em relação aos valores cobrados no mercado, para determinados serviços profissionais.

Sendo o advogado "indispensável à administração da Justiça" (art.133 C.F.) e o "acesso à Justiça" (art. 5 C.F.) um direito fundamental, torna-se desnecessário proclamar a íntima conexão entre o exercício da nossa profissão e o funcionamento razoável do sistema de justiça, num Estado Democrático de Direito, que mereça esta designação.

O artigo 85 parágrafo 14, do CPC, atento à importância desta "conexão" assentou que "os honorários constituem direito do advogado e tem natureza alimentar (...) sendo vedada a compensação em caso de sucumbência parcial". A inafastabilidade do controle jurisdicional e o direito de ação são os pilares de resguardo dos direitos subjetivos e a presença do advogado - sua indispensabilidade para o exercício destes direitos na administração da Justiça - é requisito da Lei Maior.

Quanto mais mercantil (quanto mais "de mercado"!) for a sociedade, mais importância assumem os advogados e os magistrados para o funcionamento equilibrado da sociedade. Os juízes, por "encarregados de dirimir os conflitos que escapam do mercado" (´Fruta Prohibida´ - Ed.Trotta - Juan Ramón Capella - pg. 155); e os advogados, para a dialética processual que tenda para aplicação da lei. O trânsito ordinário dos direitos entre os formalmente iguais nas sociedades democráticas, normalmente ocorre de maneira não contenciosa, mas "o que é ingovernável pelo mercado, passa para as mãos de outro grande instrumento de agregação de vontades da sociedade liberal: o Estado". (Op.cit. pg. 154). Neste espaço estatal da jurisdição é o que o advogado celebra a sua importância.

A "forma discursiva da igualdade", abrigada no princípio da igualdade formal, é um atributo importante para que a sociedade democrática funcione com certa estabilidade. O direito à assistência jurídica gratuita (art. 5, LXXIV - C.F.) é o instituto que aproxima os cidadãos desiguais, nas suas condições para litigar com o máximo de igualdade. Ela não é, portanto, um "favor" protetivo de natureza social ou política, que depende da vontade do Governo instituído. É um direito fundamental do pacto constitucional, que dá coerência ao sistema de justiça, porque os cidadãos concretos são materialmente desiguais, inclusive para acessar aos tribunais.

O benefício da assistência judiciária aos necessitados (art. 4, da Lei nº 1060/50) embora não se confunda com a "assistência jurídica estatal" está dentro do mesmo diapasão constitucional e cumpre as mesmas finalidades de garantia de direitos: “A gratuidade judiciária ou justiça gratuita é a espécie do gênero assistência jurídica, e refere-se à isenção todas as custas e despesas judiciais e extrajudiciais relativas aos atos indispensáveis ao andamento do processo até o seu provimento final. Engloba as custas processuais e todas as despesas provenientes do processo. Este instituto é matéria de ordem processual (que) que está condicionada à comprovação pelo postulante de sua carência econômica, perante o próprio Juiz da causa (...) norma que deve ser interpretada em consonância com o art. 4º da Lei 1060/50, que prescreve: “A parte gozará dos benefícios da assistência judiciária, mediante simples afirmação, na própria petição inicial, de que não está em condições de pagar as custas do processo...”(Revista Âmbito Jurídico – "Diferença entre gratuidade judiciária ou justiça gratuita e assistência jurídica gratuita" – Hálisson Rodrigo Lopes, Elson Campos da Silva).

O exercício da profissão, porém, não é desenvolvido pelos advogados de forma linear. Não só pelas características pessoais e culturais desses profissionais, mas também pelas diferentes condições materiais, através das quais exercemos nosso trabalho indispensável para o devido processo legal. Mas não há contencioso de direitos que sejam mais importantes, perante outros menos importantes: o valor, seja material ou imaterial, que está em disputa numa lide, tem a mesma importância, para cada sujeito de direito, e assim o é para o sistema de justiça.

Depreciar o valor da sucumbência, nos processos com assistência judiciária, portanto, equivale a depreciar do direito fundamental de acesso à Justiça, pois os honorários irrisórios desigualam os advogados no mercado de trabalho e destilam um implícito juízo de qualidade negativo do trabalho dos assistentes.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Flexibilidade mal legislada

“Como a reforma foi feita sem um diálogo social amplo, ao invés de reduzir litigiosidade - como todos desejam - pode aumentá-la em relação às empresas médias e pequenas, que são as maiores responsáveis pelos empregos. Isto é ruim para todos!

Interpretação segundo a Constituição e reforma trabalhista

“O legislador, ao invés de construir um estatuto jurídico especial, de redução específica de custos contratuais para empresas que criam mais empregos formais, deu um presente grego, sem atentar para a norma constitucional”.

Um largo período de insegurança jurídica

“Advogados, que militamos profissionalmente nos mais diversos ramos do direito, temos que nos preparar. A situação de crise política, independentemente das nossas paixões políticas, gera uma insegurança de alto a baixo na pirâmide legal, que desorganiza a vida civil e política”.

Direito ao esquecimento e dano moral

Na ação referente ao assassinato de Aída Curi, há mais de 50 anos, os litigantes - pretendendo a proteção ao direito de esquecer, cumulado com o pedido de indenização - obtiveram até agora, via STJ, o direito ao esquecimento, mas não à indenização. O caso está no STF.

Tutela de urgência na agressão moral

“Separar o que é notícia, opinião, crítica e humor, do que é agressão e grosseria marcadas pela prepotência é civilização, democracia e Estado de Direito!”

Vacância e sucessão presidencial

“O Supremo Tribunal Federal, no caso de cassação do registro da chapa Dilma-Temer, terá de decidir - em última instância - quais os efeitos que esta decisão terá sobre o preenchimento do cargo de Presidente da República”.