Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

Mais uma sujeira política: voto em “lista fechada” para que investigados pela Lava Jato possam se eleger



O novo modelo de sistema eleitoral defendido pelas cúpulas do Planalto, Congresso e do Tribunal Superior Eleitoral se soma às iniciativas que o mundo político tem buscado desde o ano passado para neutralizar os efeitos da Operação Lava Jato. Se a ideia prosperar, o voto em lista fechada tende também, na prática, a garantir foro privilegiado a muitos investigados e, consequentemente, um processo penal com o já conhecido ritmo lento de condução pelo STF.

Pelo sistema, as cúpulas partidárias têm a prerrogativa de indicar quem serão os candidatos nas eleições proporcionais. Fechada a lista, o eleitor vota apenas no número do partido. A legenda que tiver mais votos terá os integrantes que ocupam as primeiras posições de suas listas eleitos.

Os verdadeiros cidadãos brasileiros não devem, porém, esquecer que a Lava Jato tem como principais alvos justamente integrantes dos comandos dos partidos que seriam hoje os responsáveis por elaborar a lista a ser submetida aos eleitores. Basta lembrar quem preside essas legendas: no PMDB, o senador Romero Jucá (RR); o senador Aécio Neves (MG) no PSDB; o senador Ciro Nogueira (PI) no PP; e o ministro Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) no PSD. No PT, o presidente de honra Luiz Inácio Lula da Silva seria o mediador dos conflitos pelos postos mais altos da sigla.

Detalhe: como as eleições para o Congresso em 2018 caminham para ser aquelas com a menor taxa de reeleição desde a redemocratização, a “solução” do voto em lista aparece agora como “ideal para a classe política”, na medida em que permitirá aos próprios investigados selecionarem a relação que será escolhida pelo eleitor.

A manobra fica mais evidente com a inclusão da cláusula de preferência para que os atuais parlamentares ocupem as primeiras posições dela, o que praticamente barra a entrada nas eleições dos hoje temidos novatos e outsiders da política.


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 17.03.17 | 11:48:11
Quando alguém disser que o Brasil não é um país sério, NÃO se ofenda! Com medidas iguais a estas, a quadrilha está dentro do Congresso / Planalto. Vergonhoso e lamentável.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O tempo “a favor” de Temer

Mesmo se for condenado pelo TSE, no julgamento que inicia nesta terça-feira (6), Michel Temer pode adiar sua saída da Presidência.

Baixo nível eleitoral

Se faltam ideologias, sobram brincadeiras. Candidatos usam trocadilhos e nomes inusitados para chamar a atenção: Paula Tejano (atenção para a cacofonia), Xereca, Hélio Quebra Bunda e Riso Sempre Riso são alguns dos nomes, ou frases, que identificam (?) candidatos às eleições do próximo domingo.

Dilma cai, ou Dilma fica? Só amanhã saberemos!

Votação dos senadores que selará o destino da primeira mulher presidente do Brasil fica para a quarta-feira (31). Decisão é de Ricardo Lewandowski. Um dia antes da decisão sobre os destinos políticos do Brasil, o IBGE anunciou hoje (30) que o nosso País tem mais de 206 milhões de habitantes, dos quais 11,8 milhões estão desempregados. O número de pessoas que estão sem ocupações formais de trabalho é, infelizmente, o maior da história.