Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 25 de setembro de 2018.

O pinto da comarca



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O desembargador lecionava, na associação de juízes, que os jovens magistrados deveriam se relacionar claramente com a imprensa e com a sociedade, sem o uso do juridiquês, e falando simples e objetivamente. E contou uma historinha coloquial de como uma comunicação malfeita pode causar problemas.

* * * * *
O vigário da cidade de uma comarca de entrância inicial tinha, como mascote, um pinto (pintinho, nascido via ovo de galinha), chamado Valente. Certo dia, o pinto Valente desapareceu, e o religioso imaginou que alguém o havia furtado. No domingo, à hora do sermão, o padre perguntou à comunidade:

- Alguém de vocês aqui tem um pinto?

Todos os homens se levantaram.

- Não, não, disse o vigário, não foi isso que eu quis dizer. O que eu quero saber é se algum de vocês viu um pinto?

A maioria das mulheres levantou a mão.

- Não, não, repetiu o vigário. O que eu quero dizer é se algum de vocês viu um pinto que não lhes pertence.

Metade das mulheres se levantou.

- Não, não! - voltou o vigário, já se atrapalhando. Vou formular melhor a pergunta. O que eu quero saber é se algum de vocês viu o meu pinto?

Duas freiras sinalizaram.

- Esqueçam, esqueçam - atalhou o padre. Vamos continuar a missa!

* * * * *
Na aula para os noveis magistrados, o desembargador fez a comparação arrematadora:

- Comunicação malfeita dá nisso!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

   Castigo financeiro e caligráfico

 

Castigo financeiro e caligráfico

Autor de 45 ligações obscenas a uma massagista, um homem torpe foi condenado a pagar reparação moral. A vítima concordou em reduzir e parcelar o valor indenizatório só depois que o depravado capitulou: teve que escrever 200 vezes, em apurada caligrafia, que as mulheres devem ser respeitadas.

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer.