Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 26 de Maio de 2017
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Alteração no Código Civil para punir cônjuge que descumprir dever da fidelidade no casamento



 

 O custo financeiro da “pulada de cerca”!...

Tramita na Câmara dos Deputados projeto de lei do deputado paraibano Rômulo Gouveia (PSD), que prevê a condenação por danos morais ao cônjuge infiel. A proposta inclui a regra no Código Civil, que já estabelece a fidelidade recíproca como dever de ambos os cônjuges.

Se aprovado o projeto, o CC passará a vigorar acrescido (art. 927-A) do seguinte comando: “O cônjuge que pratica conduta em evidente descumprimento do dever de fidelidade recíproca no casamento responde pelo dano moral provocado ao outro cônjuge”.

Na justificativa, o parlamentar escreve: “A infidelidade conjugal constitui afronta ao disposto no art. 1.566, caput e inciso I, do Código Civil (2002), que impõe a fidelidade recíproca como dever de ambos os cônjuges no casamento, e deve ser motivo suficiente, uma vez que produz não apenas a culpa conjugal, mas também a culpa civil, para embasar a condenação do cônjuge infrator a indenizar o dano moral provocado ao outro cônjuge”.

 Jurisdição transparente e sem atrasos

O desembargador José Aquino Flores de Camargo, que se aposentou no TJRS em 3 de fevereiro último, enviou mensagem ao Espaço Vital, analisando a publicação aqui feita no dia 10 de fevereiro passado. Ele refere que “foi com muita tristeza e tomado pelo sentimento da injustiça, que vi meu nome citado entre os supostos desembargadores que teriam baixa produtividade ao longo do ano de 2016”.

Em seis tópicos extraídos do longo texto remetido por Aquino, aí vai a parte nuclear do que ele solicita ser divulgado.

 Dos 1.810 recursos que me foram distribuídos durante o ano de 2016, 38 restaram sem julgamento definitivo: 35 deles na 22ª Câmara Cível, onde eu estava lotado; e 3 na 21ª Câmara, jurisdição que substituí por 30 dias. Estes 38 processos eram agravos, cujo mérito das decisões já estava encaminhado no despacho de seu recebimento.

• Infelizmente, pelos prazos em dobro para Fazenda Pública e pelas exigências de editalização segundo as novas regras do CPC, remanesceram sem julgamento definitivo, não sendo possível levá-los ao colegiado.

 Durante o mês de dezembro e parte do mês de novembro, a distribuição me foi trancada em virtude do protocolo de aposentadoria. Ainda, não constam, nos registros apresentados, minha produtividade referente ao mês de janeiro de 2016, quando eu exercia a presidência do TJ.

 Tenho a honra de afirmar que sempre exerci a jurisdição de forma transparente e oferecendo o que, pessoalmente, tinha de melhor. Jamais atrasei meu ofício e sempre respeitei o jurisdicionado.

 Realizei minha última sessão no dia 26 de janeiro. Ao longo de quase 37 anos de fecundo exercício da jurisdição, jamais tive uma única reclamação ou atraso na prestação jurisdicional. Aliás, este é o maior patrimônio de um juiz, razão pela qual sempre tive o reconhecimento de meus pares, o respeito dos servidores, da advocacia, dos jurisdicionados.

 Aposentei-me, no jargão forense, ´zerado´, o que é tarefa difícil em tempos modernos. Definitivamente, se mais não julguei, é porque não veio a mim distribuído. Fácil entender, para quem tem mínima razoabilidade e conhecimento da cena forense, que não se comparam números absolutos envolvendo jurisdições distintas.

Em tempo – Ao publicar a nominata (extraída de relatório oficial do TJRS) dos desembargadores que mais e menos julgaram no Cível e no Crime em 2016, este saite simultaneamente alertou: “Os números são lineares - O levantamento feito pelo Espaço Vital não analisou percentual e/ou volume de processos recebidos, nem resolvidos. Pode acontecer – nas duas áreas de jurisdição – que um desembargador que não tenha figurado entre os cinco mais produtivos, tenha julgado todo o seu ´estoque´, porque a distribuição lhe foi menor”.

Leia na base de dados do Espaço Vital: “Quem mais e menos julgou no TJRS em 2016”.

As duas viúvas

O TJ de Mato Grosso determinou, na semana passada, a divisão de pensão previdenciária entre esposa e companheira. Em vida, durante 20 anos, o cidadão desfrutou, com regularidade, de duas alcovas.

Quando ele morreu, em 2015, começou a discussão sobre o direito das duas viúvas – ou de uma só (a “legítima”...).

O processo revela que “o falecido era casado com a esposa oficial, desde 1982, sem nunca dela ter se separado”. E reconhece que ele também formava com a outra postulante uma “verdadeira entidade familiar, na verdadeira acepção da palavra, até a data do seu óbito”.

Detalhe: o cidadão dormia à noite com mais frequência na casa que dividia com a primeira..

 O lugar dos juízes é nos fóruns

O presidente do TJ de São Paulo, desembargador Paulo Dimas Mascaretti, pronunciou uma frase reveladora em entrevista à revista Consultor Jurídico: "Investimos em tecnologia, mas presença do juiz no fórum é insubstituível".

Ainda revelou que os planos para 2017 incluem um aplicativo para facilitar a consulta de processos pelo celular e também expandir os inquéritos digitais, substituindo o papel desde o registro da ocorrência em delegacias de polícia.

O presidente do tribunal também deu uma alfinetada: “Nada disso significa que o juiz vá deixar de comparecer ao fórum. O contato com o magistrado continua insubstituível, mesmo com a possibilidade do tele trabalho. Quem chega no fórum tem que saber que lá tem um juiz, uma autoridade, acompanhando o trabalho forense”.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Advogado obtém vínculo de emprego com a Fundação Getúlio Vargas

 Ele tinha salário fixo de R$ 3 mil assinado na Carteira Profissional. Mas seus ganhos com comissões e luvas chegavam a mais de R$ 150 mil mensais.

 Inconstitucionalidade da cobrança da taxa de incêndio.

• Quando o empregador doméstico morre, a sobrinha não tem responsabilidade alguma com os encargos do cuidador do idoso.

 Parece ficção: a fila andou e o STF já está condenando por roubalheiras de 20 anos atrás...

A máquina de poder que destroça o Brasil

* Das 714 mil pessoas e empresas ligadas a crimes financeiros e delitos antecedentes à lavagem de dinheiro no Brasil, 281 mil ocuparam cargos políticos (eleitos ou nomeados) ou são sócios e parentes delas * Pelo andar da carruagem, o Aécio vai ser preso antes do Lula... * Um vídeo de “Sexo Selvagem”, por engano, como se fosse “Procurando Nemo”.

PT condenado a indenizar trabalhador gaúcho que foi contratado para três dias de trabalho

•  Ele era menor na época dos fatos (2006), executava trabalho noturno para o partido e levou um tiro na cabeça, durante escaramuça política.

• Tartaruga jurídica vai completar 19 anos no Foro de Porto Alegre.

•  A desilusão de cidadãos de bem com o grave momento: “Agora só falta a primeira dama ser traveco”.

•  Sentença obriga GBOEx a assumir encargos de um seguro da liquidada Seguradora Confiança.

98% dos processos trabalhistas de todo o planeta estão no Brasil

•  Ministro Luís Roberto Barroso (STF) também classifica a Previdência brasileira como responsável por perversa transferência de renda: "Os 32 milhões de aposentados da iniciativa privada custam o mesmo que 1 milhão de aposentados do poder público”.

•  Um em cada dez brasileiros perderam amigos, nos últimos 12 meses: divergências durante contatos pelas mídias sociais.

• Mulheres experientes: homens jovens estão preferindo parceiras de mais idade.

•  A exitosa estatística de Sérgio Moro: 94% de decisões e sentenças confirmadas.

STJ nega habeas corpus a dois bois ameaçados de morte

•  Caso envolve os semoventes de nomes Spas e Lhuba, que estavam sendo perseguidos na Farra do Boi, em Biguaçu (SC).

Sancionada a lei que cria o documento único para brasileiros – o DIN.

•  “Revelação divina”: condenação financeira por fofoca em igreja sobre adultério de uma fiel.

•  Governo Temer: o que tem coragem...

Ganha música no “Fantástico” quem adivinhar quem são os Senhores Hábeas no STF...

• Sérgio Moro indefere pedido de Lula: a assessoria do ex-presidente queria colocar câmeras exclusivas para gravar o depoimento.

• Uma ação por suposta infração ética de duas advogadas: numa contestação, elas fizeram críticas pessoais ao falecido pai do autor da ação.

 Falso tribunal com “juiz arbitral”, “escrivão” e “oficiais de justiça” que cobravam dívidas mediante ameaças e coação.