Ir para o conteúdo principal

Terça - feira, 22 Agosto de 2017

Decisão no STF sobre questão trabalhista pode mudar contratações em 2017



Um julgamento do Supremo Tribunal Federal que, na prática, pode possibilitar a terceirização do trabalho, tem feito empresas buscarem seus advogados para tomar decisões sobre contratações.

Marcado para amanhã (9) o julgamento vai determinar se é constitucional a Súmula nº 331 do TST, que estabeleceu que os contratantes só podem terceirizar atividades-meio.

Se o Supremo reconhecer que os ministros trabalhistas extrapolaram sua atribuição, a discussão do projeto de lei sobre o mesmo tema, atualmente no Senado, se esvaziará. Se os ministros decidirem que a súmula do TST é constitucional, o contexto não mudará.

Inteiro teor Súmula nº 331 do TST

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. LEGALIDADE (nova redação do item IV e inseridos os itens V e VI à redação) - Res. 174/2011, DEJT divulgado em 27, 30 e 31.05.2011

I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974).

II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da Administração Pública direta, indireta ou fundacional (art. 37, II, da CF/1988).

III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de 20.06.1983) e de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta.

IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da relação processual e conste também do título executivo judicial.

V - Os entes integrantes da Administração Pública direta e indireta respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV, caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das obrigações da Lei n.º 8.666, de 21.06.1993, especialmente na fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da prestadora de serviço como empregadora. A aludida responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente contratada.

VI – A responsabilidade subsidiária do tomador de serviços abrange todas as verbas decorrentes da condenação referentes ao período da prestação laboral.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TST aprova alterações e cancelamento de súmulas

Modificações também em orientações jurisprudenciais. Nova redação do verbete nº 368 estabelece que “a Justiça do Trabalho é competente para determinar o recolhimento das contribuições fiscais”.

TRT gaúcho publica três novas súmulas

Uma delas dispõe sobre a jornada de trabalho de 12 por 36 horas. E o verbete nº 67 - que trata do regime de compensação horária da atividade insalubre - tem nova redação.