Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

Multa diária de R$ 5 mil a incorporadora por atraso na execução de obras



Foro meramente ilustrativa - Divulgação TJ-SC

Imagem da Matéria

A 1ª Câmara de Direito Público do TJ de Santa Catarina rejeitou agravo da empresa Emacobrás Imóveis – Comércio e Serviços Ltda., contra decisão prolatada pela juíza Taynara Goessel, da 2ª Vara da comarca de Imbituba (SC), proferida na execução de sentença posterior a ação civil pública (proc. nº 0002574-34.1998.8.24.0030), referente a uma área de preservação permanente (dunas). Dezenas de adquirentes foram lesados.

A ação ajuizada pelo Ministério Público de Santa Catarina, também contra o Município de Imbituba, comprovou que transcorreu o prazo para a implantação do projeto do loteamento, sem que a executada tivesse comprovado o cumprimento integral das etapas do cronograma ajustado.

O julgado manteve a imposição de multa diária de R$ 5 mil. A empresa Emacobrás alegou que “a implementação do cronograma subordinava-se a ato da Fatma, que teria deixado de exercer sua atribuição de fiscalização no período previsto”.

Relator do caso, o desembargador Luiz Fernando Boller lembrou que não existe equívoco na decisão que retomou o impulso da execução de sentença em ação civil pública.

Ele observou que “as primeiras tratativas envolvendo a agravante Emacobrás datam de mais de 29 anos atrás - tendo sido a ação principal, inclusive, ajuizada pelo Ministério Público no ano de 1998, com trânsito em julgado da sentença em 29 de abril de 2008”.

De acordo com o processo, não houve desde então qualquer início de cumprimento das obras de urbanização. Os magistrados da câmara observaram que a empresa tinha conhecimento de que as questões ambientais acerca de parcelamento do solo são “inflexíveis e demandam tempo hábil, não podendo agora a agravante escorar-se na suposta morosidade da Fatma para eximir-se da reativação da sanção”.

Boller reforçou que a juíza da comarca não viu outra medida para coagir a executada a finalizar as obras que não o estabelecimento da multa por dia de descumprimento, “até porque essa é a finalidade precípua da astreinte”.

A multa terá incidência diária desde a data final para cumprimento do cronograma das obras de infraestrutura e urbanização do loteamento, especialmente a regularização das vias públicas.

O acórdão contém, ainda, ordem para que a incorporadora coloque placas visíveis a respeito da restrição incidente sobre os terrenos que foram caucionados para garantir a execução. A decisão foi unânime. (Proc. nº. 0146029-54.2015.8.24.0000 – com informações do TJ-SC e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

 

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

Projeto em parceria com a multinacional Iamgold afetaria Caçapava do Sul e municípios vizinhos. Advogados
da região temem que grande extensão possa sofrer degradação semelhante à de Minas Gerais. E especulam que -  além do interesse de políticos - o solo da região guarda ouro e não apenas chumbo, cobre e zinco, que são formalmente os três minérios declarados.

Cães pitbull em fúria !

Eles invadiram terreno vizinho e mataram gansos, perus, patos, angolistas, galinhas, um casal de pavão e três casais de faisões.

Judiaria com arara vermelha e com a idosa que a cuidava

O TRF da 2ª Região condenou a União a indenizar uma idosa que, durante 40 anos, tratou com desvelo uma ave que o Ibama mandou recolher a um centro de triagem de animais silvestres. Um dia depois, a arara morreu.

Condenação de motoristas barulhentos

Apesar de que a ação tenha demorado cinco anos, uma iniciativa louvável do Ministério Público: uma demanda contra quem trafegava em vias públicas com som audível acima do permitido.