Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

Dívidas com o condomínio passam para novo dono



A dívida condominial adere ao imóvel, passando a ser de responsabilidade daquele que venha a adquirir o bem. Com esse entendimento, o TRF da 4ª deu provimento a um recurso do Condomínio Victória Régia, de Esteio (RS) e determinou a manutenção da penhora de um imóvel.

O apartamento em questão foi retomado pela Caixa Econômica Federal, após o mutuário deixar de pagar as prestações do financiamento. A CEF, entretanto, não pagou os condomínios atrasados, o que levou a administração condominial a ajuizar ação requerendo a quitação.

A instituição financeira pediu o levantamento da penhora, alegando que “seria uma constrição de patrimônio de terceiro, devendo a cobrança ser direcionada ao ex-mutuário”.

Em primeira instância, a Justiça desconstituiu a penhora. A administração do condomínio recorreu.

O tribunal reformou a sentença, apontando que “é sabido que a taxa condominial se trata de obrigação ´propter rem´, ou seja, que adere ao imóvel, transmitindo-se ao adquirente do mesmo”.

Assim, a responsabilidade do novo proprietário inclui a de adimplemento daquelas taxas anteriores à aquisição. (Proc. n º 0007914-83.2016.4.04.9999).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desistência motivada da compra de imóvel

STJ decide não ser devida a comissão de corretagem quando o negócio não é concluído por desistência de uma das partes, em decorrência da falta de apresentação das certidões da moradia . Caso é oriundo de Porto Alegre.

Cuidado no prazo!

A prescrição para que um mutuário do Sistema Financeiro da Habitação requeira a cobertura da seguradora em contrato de financiamento é de um ano, segundo decisão do STJ.

Para punir condômino devedor, só medidas pecuniárias

Jurisprudência do STJ reitera que não é possível proibir acesso à piscina ou às áreas sociais, nem restringir uso dos elevadores. “O direito ao uso das partes comuns não decorre da adimplência das cotas condominiais, mas do fato de que, por lei, a unidade imobiliária abrange a correspondente fração ideal de todas as partes comuns”.