Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Condenação de escritório de advocacia por contratação irregular de advogados como ´associados´



A 2ª Turma do TRT da 3ª Região (Minas Gerais) deu provimento ao recurso ordinário interposto pelo MPT para condenar um escritório de advocacia por contratação irregular de advogados. Segundo a petição inicial, 68 advogados – que seriam na verdade empregados - atuavam rotulados como ´associados´.

O escritório Ferreira e Chagas Advogados, com sede em Belo Horizonte, deve, doravante, se abster de contratar profissionais da advocacia como associados, quando presentes os pressupostos dos artigos 2º e 3º da CLT. Também deve registrar o vínculo empregatício nas carteiras profissionais dos advogados irregularmente contratados.

A banca advocatícia é – segundo ela própria anuncia em sua página na Internet – a maior do Estado de Minas Gerais, tendo atuação em outros dez Estados brasileiros, incluindo o RS. Dedica-se à advocacia empresarial, sendo especializada em contencioso de massa.

O escritório sustentou sua tese defensiva afirmando que “na relação jurídica discutida não estão presentes os pressupostos de reconhecimento do vínculo de emprego, mas somente os devidos para a celebração de contrato de associação advocatícia de que trata o art. 39 do Regulamento Geral do Estatuto da Advocacia e da OAB, de seguinte teor: ´Art. 39. A sociedade de advogados pode associar-se com advogados, sem vínculo de emprego, para participação nos resultados. Parágrafo único. Os contratos referidos neste artigo são averbados no registro da sociedade de advogados”.

 O relator, desembargador Sebastião Geraldo de Oliveira, destacou as semelhanças e diferenças entre o contrato de associação previsto e o de emprego de advogado.

Segundo ele, “percebe-se do relatado que os advogados que laboram como associados exercem sua função com pessoalidade, requisito comum tanto da relação de emprego quanto do contrato de associação entre advogado pessoa física e sociedade de advogados”.

Conforme o acórdão, “a não eventualidade – que é requisito apenas para fins de vínculo empregatício - ficou patente nos depoimentos prestados pelas testemunhas ouvidas por ambas as partes.”

Quanto ao aspecto da remuneração, as testemunhas do MPT e do escritório reclamado, ao relatarem suas próprias formas de remuneração, revelaram que se tratava de remuneração fixa, “ainda que se possa também reconhecer que, eventualmente, recebem uma parcela variável”.

O relator considerou ainda que “embora os horários de início e término da jornada fossem flexíveis, com a possiblidade até mesmo de se levar trabalho para casa, a não eventualidade era clara”.

Quanto ao requisito da subordinação jurídica – segundo o julgado – ele foi comprovado nos autos, no entender do relator, “tendo em vista o controle e direcionamento da atividade pelo empregador e possibilidade de exercício, ainda que atenuado em razão dos termos do art. 18 da Lei nº 8.906/94, do poder de direção e disciplinar, visto que os advogados associados representam o réu, e que se reportam aos sócios”.

A 2ª Turma do TRT mineiro também condenou o escritório ao pagamento de reparação por danos morais coletivos no valor de R$ 100 mil. A decisão foi unânime. Não há trânsito em julgado. Cabe recurso ao TST. (Proc. nº 0000849-72.2014.5.03.0001).

Leia a íntegra do acórdão do TRT-MG.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.