Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Recurso de Yeda Crusius rejeitado



A 2ª Turma do STF negou provimento a agravo regimental interposto pela ex-governadora Yeda Crusius. Em junho, o relator, ministro Celso de Mello, determinara o arquivamento de ação cautelar em que ela pretendia obter liminar para suspender ação por improbidade administrativa ajuizada contra ela na Justiça Federal de Santa Maria (RS).

Então pré-candidata à Câmara Federal pelo PSDB, Yeda alegou então que poderia vir a sofrer “danos irreparáveis desnecessariamente, pela repercussão política, social e econômica da causa”.

O pedido de Yeda Crusius se baseou no entendimento de acórdão do TRF da 4ª Região, segundo o qual a Lei de Improbidade Administrativa não se aplica a agentes políticos porque, nessa condição, eles não respondem por improbidade, apenas por crime de responsabilidade.

Ao determinar o arquivamento do pedido, o ministro Celso de Mello entendeu que, se fosse acolhida a pretensão cautelar, “transgrediria o dogma republicano da responsabilização dos agentes públicos”. (Ação Cautelar nº 3585).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O tempo “a favor” de Temer

Mesmo se for condenado pelo TSE, no julgamento que inicia nesta terça-feira (6), Michel Temer pode adiar sua saída da Presidência.

Baixo nível eleitoral

Se faltam ideologias, sobram brincadeiras. Candidatos usam trocadilhos e nomes inusitados para chamar a atenção: Paula Tejano (atenção para a cacofonia), Xereca, Hélio Quebra Bunda e Riso Sempre Riso são alguns dos nomes, ou frases, que identificam (?) candidatos às eleições do próximo domingo.

Dilma cai, ou Dilma fica? Só amanhã saberemos!

Votação dos senadores que selará o destino da primeira mulher presidente do Brasil fica para a quarta-feira (31). Decisão é de Ricardo Lewandowski. Um dia antes da decisão sobre os destinos políticos do Brasil, o IBGE anunciou hoje (30) que o nosso País tem mais de 206 milhões de habitantes, dos quais 11,8 milhões estão desempregados. O número de pessoas que estão sem ocupações formais de trabalho é, infelizmente, o maior da história.