Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 17 de julho de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Adeus ao Dr. Fábio



Grêmio FBPA - Divulgação

Imagem da Matéria

O doutor Fábio Koff, muito mais do que um presidente do nosso adversário, foi um homem que travou a sua passagem pelo mundo do futebol com letras maiúsculas.

Doutor Fábio, em um determinado momento da história do futebol brasileiro, trouxe luz aos clubes e, mais do que isso, recursos financeiros antes inexistentes, o que proporcionou um crescimento jamais vivenciado pelos clubes de futebol.

Foi um homem que viveu com dignidade e honrando sua formação jurídica e de magistrado.

Sem dúvida, seu nome fica registrado na história do futebol brasileiro.

O Gre-Nal de sábado

Há várias frases tentando definir a importância do Gre-Nal.

O Gre-Nal arruma a casa”; “Gre-Nal é Gre-Nal”; “Em Gre-Nal ninguém entra com vantagem”, etc.

Na atual circunstância, eu utilizaria outra: “Só Deus sabe!

Clemer, o vitorioso

Recém tive um feliz reencontro com o Clemer. Confesso que esse contato me trouxe lembranças de momentos inesquecíveis, principalmente porque vitoriosos e construídos com muita irresignação por parte de atletas com o perfil do nosso goleiro.

Para mim, o Clemer teve uma brilhante carreira com treinador da categoria de base do Internacional. Também foi vitorioso treinando o Brasil de Pelotas.

Depois de abraçá-lo afetuosamente, saí do encontro refletindo acerca da necessidade de ter alguém como ele “incendiando” o vestiário na véspera de um perigoso Gre-Nal. Eu nunca escondi que gostaria de ter, caso fosse dirigente, o Clemer como treinador.

Nunca entendi que futebol competitivo seja fruto de comportamentos complacentes.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A velhice prematura e as especulações para a Copa do Catar

“Neste inverno rigoroso do RS, chega a ser hilário considerar velho alguém no auge dos seus trinta e poucos anos. Mas é a realidade do futebol, esporte que cada vez mais se caracteriza como uma modalidade atlética”.

A sentença condenatória de Neymar

“Quanto às simulações de faltas, não vejo o futebol como uma ilha de virtudes.  Lembro da famosa ´mano de Dios´, do Brasileirão de 2005, dos dirigentes da FIFA, das confederações, dos ´tribunais esportivos´, e das negociatas com as grandes redes de comunicação”...

Um projeto para o Internacional

“O futebol e as miragens. Não é possível o Internacional continuar administrado com métodos superados. Hora de um ponto final às entrevistas fantasiosas que analisam a derrota na base da ficção”.  

Noventa milhões em ação, pra frente Brasil !

“Um time inesquecível, sem cabelos pintados, sem cortes exóticos, sem brincos e sem tatuagens. Apenas excelentes jogadores de futebol. Não sabíamos com quem eram casados, quem eram seus casos amorosos”...

O Sputnik, Laika, Yashim e a Perestroika Vermelha

“No S. C. Internacional, em Porto Alegre - a 12.648 km de distância de Moscou - diante da mudança dos resultados dos jogos, pelo afastamento de algumas figuras carimbadas e como pela contratação de um profissional renomado analogicamente, vivemos uma Perestroika”.

Quatro anos sem Fernandão

“Se eu tivesse que defini-lo em uma única palavra, seria com inteligência. Ela estava muito acima da média dos demais jogadores que conheci”.