Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Adeus ao Dr. Fábio



Grêmio FBPA - Divulgação

Imagem da Matéria

O doutor Fábio Koff, muito mais do que um presidente do nosso adversário, foi um homem que travou a sua passagem pelo mundo do futebol com letras maiúsculas.

Doutor Fábio, em um determinado momento da história do futebol brasileiro, trouxe luz aos clubes e, mais do que isso, recursos financeiros antes inexistentes, o que proporcionou um crescimento jamais vivenciado pelos clubes de futebol.

Foi um homem que viveu com dignidade e honrando sua formação jurídica e de magistrado.

Sem dúvida, seu nome fica registrado na história do futebol brasileiro.

O Gre-Nal de sábado

Há várias frases tentando definir a importância do Gre-Nal.

O Gre-Nal arruma a casa”; “Gre-Nal é Gre-Nal”; “Em Gre-Nal ninguém entra com vantagem”, etc.

Na atual circunstância, eu utilizaria outra: “Só Deus sabe!

Clemer, o vitorioso

Recém tive um feliz reencontro com o Clemer. Confesso que esse contato me trouxe lembranças de momentos inesquecíveis, principalmente porque vitoriosos e construídos com muita irresignação por parte de atletas com o perfil do nosso goleiro.

Para mim, o Clemer teve uma brilhante carreira com treinador da categoria de base do Internacional. Também foi vitorioso treinando o Brasil de Pelotas.

Depois de abraçá-lo afetuosamente, saí do encontro refletindo acerca da necessidade de ter alguém como ele “incendiando” o vestiário na véspera de um perigoso Gre-Nal. Eu nunca escondi que gostaria de ter, caso fosse dirigente, o Clemer como treinador.

Nunca entendi que futebol competitivo seja fruto de comportamentos complacentes.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Gre-Nal, a hora da verdade

“Aproveitemos o momento para deixar um pouco de lado as raivas acumuladas, seja pela falência da nossa economia, seja pela destruição moral e ética do nosso país ou até mesmo pela incineração de parte da nossa memória histórica. Somos torcedores e não bárbaros. A convivência faz parte do processo civilizatório”.

Claudiomiro Estrais Ferreira, tanque de guerra, bigorna e matador

“Ele era alvo de piadas e lhe atribuíam a autoria de frases - que não sabemos se disse ou não disse, mas que eram sempre repetidas em tom de veracidade. Não importa: o Claudiomiro com todas as suas circunstâncias, folclóricas ou não, ingressou na história do Internacional”.

TDP – Transtorno delirante paranoide

“De tanto ler acerca da tal de IVI – Imprensa Vermelha Isenta, sou provocado por uma afirmação autofágica do colunista do espaço Jus Azul”.

16 de agosto de 2006

“A data em que o Inter foi campeão da Libertadores. Nunca fui daqueles que oportunisticamente passam fustigando o rival. Aplica-se o óbvio: nós somos nós, e eles são eles. A história não serve para consolo, mas é ela que forja o futuro. Aquela conquista tem um nome que a simboliza: Rafael Sóbis”.

Bem-vinda a primavera vermelha!

“Estamos retornando à elite do futebol brasileiro. Não estamos disputando a permanência na primeira divisão, mas o topo da classificação. Estamos otimistas, para ganhar o título que perseguimos e que nos foi surrupiado em 2005”.