Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 17 de julho de 2018.

Diferenças salariais para gerente da CEF, após rebaixamento de agências no RS



A 4ª Turma do TST deferiu a um gerente geral de agências da Caixa Econômica Federal (CEF) o pagamento das diferenças entre os pisos salariais a que teve direito antes e depois de o banco rebaixar o nível das agências de Porto Alegre (RS) e região.

Como a medida da Caixa importou em redução de salário - sem mudança nas atividades e no local de serviço – o julgado superior concluiu que “houve alteração de contrato prejudicial ao empregado, a qual é ilícita nos termos do artigo 468 da CLT”.

O gerente Ari Abling atuava em diversas agências da CEF em Porto Alegre e região metropolitana desde 1996. Seis anos depois (2002), a Caixa classificou as agências e os postos de atendimento com as letras de ´A´ a ´D´, conforme a região geográfica de atuação no mercado.

De acordo com o histórico funcional o autor, Ari Abling – que ingressou na CEF em 1989 - por longo período (desde 12.11.1996), ocupou a função de gerente geral efetivo, em agências de Porto Alegre e região metropolitana (agências Alto Petrópolis, Cachoeirinha, Cristo Redentor, Partenon, Gravataí, Assis Brasil e gerente regional de negócios em caráter não efetivo (em substituição).

As agências com registro ´A´ tinham maior relevância econômica e estratégica para a instituição. A classificação com a letra ´D´ caracterizava menor relevo.

O valor do piso salarial dos gerentes variava de acordo com a relevância das áreas. Nessa conjunção, o gerente Abling teve períodos em que sofreu perdas salariais que variaram de R$ 400 a R$ 650 mensais (valores nominais das épocas).

Ele pediu o pagamento das diferenças de valores entre os pisos, com a alegação de que “se reduziu o salário, sem a diminuição das atividades e com as iguais exigências de trabalho na mesma agência”.

O juízo da 17ª Vara do Trabalho de Porto Alegre (RS) deferiu o direito às diferenças até 30/6/2010, pois em 1º de julho daquele ano - segundo o próprio gerente – “houve mudança no plano de funções gratificadas que trouxe isonomia ao sistema de pisos”.

Mas o TRT da 4ª Região (RS) reformou a sentença para julgar improcedente o pedido, considerando que “a distinção salarial foi legítima, pois a Caixa, de forma objetiva, levou em consideração o desempenho nas áreas geográficas”.

O tribunal regional gaúcho dispôs também que “a atitude de aplicar soluções diferentes para empregados que estão submetidos a condições de trabalho diversas não caracteriza discriminação salarial”.

O relator do recurso de revista, desembargador convocado Ubirajara Carlos Mendes, afirmou que a jurisprudência do TST considera lícita a definição de diferentes níveis de remuneração dos cargos comissionados, conforme critérios geográficos e econômicos das agências.

No entanto, “a reclassificação da agência bancária em que o empregado comissionado trabalha não pode implicar a redução do salário dele, quando mantido o exercício de idênticas funções na mesma agência, pois resulta em alteração prejudicial do contrato de trabalho” - concluiu.

O advogado Régis Eleno Fontana atuou em nome do trabalhador. (ARR nº 1015-34.2011.5.04.0017 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Bruno Galvão

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

 

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

Caso envolve a relação empregatícia de 20 anos de um trabalhador com a Unimed Federação das Cooperativas. O acórdão do TRT-4 (RS) cassa a exigência de valores líquidos dos pedidos. Julgador lamenta as “últimas várias condenações milionárias de trabalhadores em honorários advocatícios, que são um claro recado para que as pessoas pensem duas vezes antes de entrar com ação na Justiça do Trabalho”.

Danos morais coletivos causados por sindicato contra 1.500 trabalhadores

Cobrança irregular de honorários pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Roraima. A ação de conhecimento, que tramita há 28 anos, trata da classificação de cargos e diferenças salariais. A controvérsia sobre a verba advocatícia é de cerca de R$ 20 milhões.