Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 25 de setembro de 2018.

Ataque contra dois juízes no Foro da Comarca de Marau (RS)



No início da tarde da última terça-feira (12), bandidos armados promoveram um ataque ao Foro da Comarca de Marau (RS). O fato aconteceu enquanto se realizavam, em duas varas, audiências de ações penais relacionadas com crimes de homicídio e tráfico de drogas.

Os fatos relacionados à ofensiva criminosa estavam sendo mantidos em segredo, mas terminaram sendo divulgados pela Rádio Uirapuru, de Passo Fundo (RS). A emissora de rádio Vanguarda FM também disponibilizou imagens de celular, tomadas dentro da sala de audiências. O vídeo mostra um policial civil depondo.

De repente ouvem-se tiros e gritos femininos. O policial saca seu revólver, recomenda que todos se abaixem e sai correndo para enfrentar os bandidos.

Conforme o repórter Lucas Cidade, "de acordo com o relato policial, os acusados se posicionaram na rua e efetuaram no minímo seis tiros em direção ao prédio, atingido duas salas de audiência". Na 1ª Vara estava a juíza Margot Cristina Agostini; na 2ª Vara, o magistrado Marcel Andreata de Miranda, além de promotores, advogados e outras pessoas. Ninguém ficou ferido.

Rapidamente um forte efetivo da Brigada Militar e da Polícia Civil foi mobilizado, resultando na prisão de três indivíduos envolvidos no crime.

Um dos presos confirmou ter recebido a ordem para atingir os dois juízes e também libertar um réu preso que participava da audiência.

Os acusados, todos moradores de Marau, foram levados para a Delegacia da Polícia Civil, onde foi lavrado o flagrante. Após, o trio foi encaminhado ao Presídio Regional de Passo Fundo.

Veja as imagens e ouça o som do tiroteio.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Ceará News

Um plantão que vendia liminares na corte estadual

 

Um plantão que vendia liminares na corte estadual

CNJ “pune” com aposentadoria o desembargador Carlos Rodrigues Feitosa (foto) do Tribunal de Justiça do Ceará. O grupo criminoso negociava, inicialmente, via WhatsApp e a soltura de criminosos custava de R$ 50 mil a R$ 500 mil. Advogados envolvidos, inclusive um filho do magistrado, respondem a ação penal.