Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017

Ataque contra dois juízes no Foro da Comarca de Marau (RS)



No início da tarde da última terça-feira (12), bandidos armados promoveram um ataque ao Foro da Comarca de Marau (RS). O fato aconteceu enquanto se realizavam, em duas varas, audiências de ações penais relacionadas com crimes de homicídio e tráfico de drogas.

Os fatos relacionados à ofensiva criminosa estavam sendo mantidos em segredo, mas terminaram sendo divulgados pela Rádio Uirapuru, de Passo Fundo (RS). A emissora de rádio Vanguarda FM também disponibilizou imagens de celular, tomadas dentro da sala de audiências. O vídeo mostra um policial civil depondo.

De repente ouvem-se tiros e gritos femininos. O policial saca seu revólver, recomenda que todos se abaixem e sai correndo para enfrentar os bandidos.

Conforme o repórter Lucas Cidade, "de acordo com o relato policial, os acusados se posicionaram na rua e efetuaram no minímo seis tiros em direção ao prédio, atingido duas salas de audiência". Na 1ª Vara estava a juíza Margot Cristina Agostini; na 2ª Vara, o magistrado Marcel Andreata de Miranda, além de promotores, advogados e outras pessoas. Ninguém ficou ferido.

Rapidamente um forte efetivo da Brigada Militar e da Polícia Civil foi mobilizado, resultando na prisão de três indivíduos envolvidos no crime.

Um dos presos confirmou ter recebido a ordem para atingir os dois juízes e também libertar um réu preso que participava da audiência.

Os acusados, todos moradores de Marau, foram levados para a Delegacia da Polícia Civil, onde foi lavrado o flagrante. Após, o trio foi encaminhado ao Presídio Regional de Passo Fundo.

Veja as imagens e ouça o som do tiroteio.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Depois da audiência adiada, juiz dá meia-volta

Equívoco admitido na comarca de Vera Cruz. Solenidade que – por causa do jogo do Grêmio - seria empurrada para 2018 não mais será realizada, porque o magistrado vai, afinal, proferir sentença na ação.

O foro caixa-preta

Nem o CNJ, nem os tribunais estaduais, nem os TRFs sabem exatamente quantas ações penais “abençoadas” pelo foro privilegiado tramitam no País.