Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

Juiz gaúcho adia audiência em 40 dias por causa de jogo do Grêmio em Abu Dhabi



Jornal Arauto

Imagem da Matéria

Juiz Marcelo Carvalho

Para possível deleite de gremistas fanáticos – mas, ainda assim, com um misto, entre alguns deles,  de incredulidade – o juiz Marcelo da Silva Carvalho, da comarca de Vera Cruz (RS) proferiu despacho ontem (4) que expressa especial consideração com os fãs do futebol gaúcho, incluindo os secadores.

No despacho, o juiz relata e dispõe assim:

Às partes, advogados e testemunhas que podem ser Gremistas ou Colorados -  aqueles torcedores e estes em tese secadores - não os posso privar, nem a mim, de com o olho no trabalho e outro em uma tv, assistirmos o jogo do Grêmio na semifinal do Mundial agendado para o dia 12/12/2017 na parte da tarde.

Assim rogo vênia às partes, advogados e testemunhas e redesigno a audiência de instrução, debates e julgamento para o dia 22/01/2018, às 15h. cabendo às partes comparecer acompanhados de suas testemunhas já arroladas.

Caso haja servidor público arrolado ou policiais, requisitá-los. Intimem-se”.

Processualmente falando, trata-se de uma ação ordinária, movida por uma segurada (Maria Juraci dos Santos) contra a seguradora Icatu Harford S.A.

A demanda foi ajuizada em 14 de abril de 2015 e já tem, assim, mais de dois anos e meio de tramitação. Neste lapso temporal, apenas uma audiência de tentativa de conciliação foi realizada – sem que as partes tenham transigido. Não se vislumbra uma possibilidade de rápida prolação de sentença.

Na “rádio-corredor” da OAB de Santa Cruz do Sul – maior cidade da região e onde o fato está tendo grande repercussão nos meios jurídicos e universitários – alguns gremistas festejam “a admiração que o juiz Marcelo tem pelo esporte”, embora outros tricolores questionem “o perigoso precedente criado, ainda mais num processo que já sinaliza demorada tramitação”.

Também na mesma “rádio-corredor”, advogados torcedores do Inter fazem uma análise diferente da situação. Quase em coro, dizem que “a magistratura gaúcha não é mais a mesma, e o compromisso também não”.

O juiz Marcelo não é novo na carreira; tomou posse na magistratura gaúcha em 2005. A jurisdição da comarca de Vera Cruz alcança também o município de Vale do Sol, com um total de aproximadamente 6 mil feitos cíveis e criminais em tramitação. (Proc. nº 1.15.0000694-9).

Atualização às 18h

Juiz volta atrás

No pequeno município gaúcho de Vera Cruz (27 mil habitantes, nas áreas urbana e rural), a notícia repercutiu intensamente, sendo alvo de festejos gremistas e chacotas coloradas.

Ali se propagou, agora no final da tarde, que - ante a repercussão negativa em relação à rápida prestação jurisdicional - o juiz Marcelo reconsiderou a sua própria decisão. Voltou atrás e manteve a audiência originalmente designada para 12 de dezembro.

O Espaço Vital não conseguiu contato pessoal com o magistrado. Mas a “rádio-corredor” da OAB de Santa Cruz irradiou que “por volta das 16h30 o juiz recebeu um telefonema da Corregedoria-Geral da Justiça, sugerindo-lhe que reconsiderasse a decisão futebolística”.


Comentários

Estelamar Machado Carneiro Scheffer - Advogada 06.12.17 | 13:40:02
Em que país vivemos, nem ficou evidenciado que o magistrado é gremista...
Sergio Luiz Teixeira Braz - Advogado 06.12.17 | 12:36:01
É profundamente lamentável saber que um juiz, integrante de importante Órgão do Estado, sequer pense nessa possibilidade, muito mais ainda saber que efetivamente um magistrado, pago com recursos públicos, cometa tal desatino. Pior ainda é que tal atitude oferece combustível aos que pretendem incinerar a Justiça do Trabalho, sobretudo àqueles políticos, como o deputado Rodrigo Maia, que defendem expressamente a extinção dessa Justiça Especializada. Além da vergonha, só nos resta lamentar.
Nelson Remonti - Advogado 06.12.17 | 11:53:37
Correta decisão do magistrado, eis que ele apenas adiou com tempo suficiente a audiência, mesmo porque a demora no andamento e julgamento deste processo é pequeno em relação a milhares de processos que tramitam em nossas comarcas. Na área cível tenho processos que já tramitam há mais de oito anos. Bom seria que a Procuradoria Geral da Justiça tomasse medidas idênticas, para que os processos andassem com, maior rapidez...
Rafael Wiezzer - Autonomo 06.12.17 | 11:44:15
Podem crer que nessa data (12.12) - o jogo irá PREVALECER IN TOTUM.
Jose Carlos Do Amaral - Advogado 06.12.17 | 10:34:37
Trata-se de uma decisão totalmente contrária {a nobre investidura de um magistrado, que deve velar pelo Direito e pela Justiça e não valorizar a banalidade que representa o futebol em si. Se o CNJ tomou a decisão de intervir na situação, além de cumprir seu papel, comprova a importância que possui como órgão jurisdicional que é. Parabéns ao Conselho Nacional de Justiça que agiu de forma a não permitir que a jurisdição percorra caminhos divorciados da Justiça.
Celso Spielmann - Advogado 06.12.17 | 10:11:06
Em aditamento ao comentário do nobre colega Hamilton Beheregaray Sanchotene, a suspensão da audiência também poderia ter ocorrido quando do grande clássico Grêmio F.P.A. X Anapolina. Lembram?
Hamilton Beheregaray Sanchotene - Advogado 06.12.17 | 09:43:05
O magistrado revelou grande sensibilidade ao proferir despacho de adiamento do ato diante de evento de repercussão mundial, equivalente a uma visita do Papa. Ou queriam que a audiência fosse adiada para proporcionar aos serventuários, partes e operadores, assistirem Inter x Luverdense?
Elisaldo Vieira Brehm - Advogado 06.12.17 | 09:14:08
Infelizmente a justiça está em segundo plano neste país, até o STF se curvou para o Legislativo. O que este magistrado ga[ucho fez é o reflexo do desmando. Oremos!
Rainer May - Taxista 05.12.17 | 22:58:07
Mas em que país é este mesmo?
Carlos Alberto Stimamilio - Aposentado 05.12.17 | 22:49:41
Uma vergonha para a magistratura gaúcha! O interesse jurídico das partes foi ignorado. Aos poucos a irresponsabilidade pela prestação jurisdicional chega ao Poder Judiciário, já tão desacreditado. Parabéns para aqueles que reclamaram ao ponto de haver interferência do órgão superior.
Rodrigo Schmidt - Advogado 05.12.17 | 22:06:30
Ora, a decisão de adiamento está correta, e isso que eu nem assisto futebol (eta esporte chato esse!), todavia os termos que ele utilizou foram risíveis, entretanto o que é adiar uns poucos dias a mais para um processo que já dura tanto tempo?
Ressoli Luís Baldo Cunha - Advogado 05.12.17 | 17:51:45
A decisão proferida pelo ilustrado magistrado está corretíssima, ante a envergadura desses jogos. Nosso Estado federado tem 12 milhões de habitantes, sendo que milhões são torcedores gremistas. A presença do Grêmio em Abu Dhabi coloca o nosso Estado além-fronteiras no mundo dos esportes!    
Rogério Teixeira Brodbeck - Advogado 05.12.17 | 17:49:47
Sábia decisão... de outra banda, só 6 mil feitos em andamento, que barbadinha, aqui só numa das Varas da Fazenda temos mais de 20 mil...
Marcelo Vilani - Advogado 05.12.17 | 17:38:36
É um verdadeiro absurdo!
Alex Jung - Advogado 05.12.17 | 17:37:13
Como sempre digo, a única saída para o Brasil é o aeroporto. Enquanto existir carnaval, futebol, novela e big brother continuaremos nessa miséria. Lamentável o Exmo. Juiz desconhecer o preceito constitucional da razoável duração do processo. Será que a parte que busca seu direito ficou feliz com esse adiamento?
Germano André Pedrotti - Advogado 05.12.17 | 17:32:24
Confiamos a ele que a justiça seja feita... não, péra aí...
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Ataque contra dois juízes no Foro da Comarca de Marau (RS)

Foram disparados no mínimo seis tiros. A intenção era libertar um preso que prestava depoimento. Reação policial imediata prendeu três homens. Veja cenas e escute os tiros, em filmagem feita por celular.

Depois da audiência adiada, juiz dá meia-volta

Equívoco admitido na comarca de Vera Cruz. Solenidade que – por causa do jogo do Grêmio - seria empurrada para 2018 não mais será realizada, porque o magistrado vai, afinal, proferir sentença na ação.

O foro caixa-preta

Nem o CNJ, nem os tribunais estaduais, nem os TRFs sabem exatamente quantas ações penais “abençoadas” pelo foro privilegiado tramitam no País.