Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Oito possíveis feriadões no calendário da Justiça Estadual do RS em 2018



O Órgão Especial do TJRS aprovou o calendário de feriados para o ano de 2018 na Justiça Estadual. Além dos feriados nacionais, também não haverá expediente forense nas comarcas do Interior nos feriados definidos em lei municipal.

Os pontos facultativos definidos pelo Poder Executivo não obrigam a observância pelo Judiciário.

Confira as datas: 

1º de janeiro - Confraternização Universal - segunda-feira;
02 de fevereiro - Nossa Senhora dos Navegantes - sexta-feira (*);
12 e 13 de fevereiro – Carnaval – segunda e terça-feira;
30 de março - Sexta-feira Santa – sexta-feira;
* 21 de abril – Tiradentes – sábado;
* 1º de maio - Dia do Trabalho - terça-feira;
* 31 de maio - Corpus Christi - quinta-feira (*)
* 07 de setembro - Independência do Brasil - sexta-feira;
* 20 de setembro - Revolução Farroupilha - quinta-feira;
* 12 de outubro - Nossa Senhora Aparecida - sexta-feira;
* 02 de novembro – Finados - sexta-feira;
* 15 de novembro - Proclamação da República - quinta-feira;
* 08 de dezembro - Dia da Justiça - sábado
* 25 de dezembro – Natal - terça-feira.

(*) Os dias assim indicados são feriados declarados em lei do Município de Porto Alegre.


3049202017.pdf

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Danilo Verpa (Folha de S. Paulo / Google Imagens).

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

 

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

Cármen Lúcia reconhece que o povo brasileiro está cansado. Por que? Eis algumas das razões: integrantes do Poder se consideram imunes à lei; magistrados corruptos são premiados por aposentadorias generosas; juízes e desembargadores têm férias de 60 dias, além do descanso extra no recesso; a prestação jurisdicional é lenta e favorece a prescrição; seu pessoal corporativo é campeão de penduricalhos; demasiado trânsito de estagiários e assessores dando sentenças. E por aí...

Auxílio-moradia no Judiciário custa R$ 75,9 milhões mensais

A cronologia e alguns números do absurdo. São 17.351 juízes, desembargadores e ministros, todos da ativa, que têm suas contas engordadas periodicamente, sem impostos: R$ 4.377 mensais; R$ 52.532 anuais. Um aporte que, três anos e quatro meses depois da liminar, já chega a mais de R$ 170 mil individualmente.