Ir para o conteúdo principal

Quarta-feira , 03 de Fevereiro de 2016

Entrementes, magistrados discutem como melhorar a imagem do Judiciário



Ocorreu na manhã de sexta-feira (24) a solenidade de lançamento do rograma "Valorização dos magistrados: juiz valorizado, justiça completa". É uma iniciativa do CNJ, para juízes e desembargadores da região Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul).

O evento ocorreu na sede da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego), em Goiânia. Os participantes discutiram formas de melhorar a imagem dos magistrados junto à sociedade e, ao mesmo tempo, dar prioridade à qualidade do trabalho por eles executado, não apenas à quantidade.

A abertura do evento contou com a exibição de um vídeo com mensagem do presidente do CNJ e do STF, ministro Ayres Britto, que chamou a atenção para "a redução do interesse pelo ingresso na magistratura, provocada, em grande parte, por defasagens remuneratórias em relação a outras carreiras".

“De fato, é preciso valorizar o Poder Judiciário, que passa por um processo, por uma quadra temerária de desprofissionalização no plano remuneratório. Mesmo pelo seu segmento de magistrados, remunerados por subsídio, o Judiciário já não é a carreira atraente de antes”,
afirmou Ayres Britto.

O programa foi lançado pelo conselheiro José Lucio Munhoz, presidente da Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do CNJ.

Ele disse que "o programa surgiu da verificação do problema da má compreensão da coletividade em face do trabalho do magistrado". Surgiu também da percepção de que "o juiz hoje é um profissional sobrecarregado de trabalho e sem estrutura adequada, pressionado por uma estrutura interna que privilegia a quantidade e não a qualidade do trabalho do profissional". (Com informações da Agência CNJ de Notícias).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cartunista Jota.A

Um ano, três meses e três dias de auxílio-moradia!

 

Um ano, três meses e três dias de auxílio-moradia!

A “rádio-corredor” da OAB-RJ criou, este ano, pertinente potim sobre um dos mais repugnantes penduricalhos que abençoam magistrados, membros do Ministério Público, conselheiros dos tribunais de contas e outros apaniguados. Segundo a entidade “o auxílio-moradia para quem já tem casa é o mesmo que pagá-lo para a tartaruga”. Rememore as principais charges que criticaram a aberração.

Duas mulheres farão parte da nova administração do TJRS

Essa dupla presença feminina é inédita no alto comando, em toda a história da corte estadual gaúcha. Para a presidência foi eleito o favorito: desembargador Luiz Felipe Silveira Difini. Ele venceu por 95 x 39 votos.

Tendência punitivista da magistratura brasileira

Pesquisa realizada pela AMB revelou também que a instituição em que os juízes mais confiam é a Polícia Federal. A OAB está na 10ª posição, numa relação de 14. Os úitimos são o Congresso Nacional e o Governo Federal.

Arte de Camila Adamoli

Uma servidora substitui magistrado no comando da audiência!

 

Uma servidora substitui magistrado no comando da audiência!

Irregularidade foi suscitada pela Defensoria Pública do RS, que juntou as gravações de áudio do ato. O TJ gaúcho cassou a sentença proferida por juiz que se ausentou durante a coleta da prova testemunhal. Corregedoria-Geral da Justiça já está ciente. Com a nulidade, o réu – acusado de homicídio – teve que ser posto em liberdade.