Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Entrementes, magistrados discutem como melhorar a imagem do Judiciário



Ocorreu na manhã de sexta-feira (24) a solenidade de lançamento do rograma "Valorização dos magistrados: juiz valorizado, justiça completa". É uma iniciativa do CNJ, para juízes e desembargadores da região Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul).

O evento ocorreu na sede da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego), em Goiânia. Os participantes discutiram formas de melhorar a imagem dos magistrados junto à sociedade e, ao mesmo tempo, dar prioridade à qualidade do trabalho por eles executado, não apenas à quantidade.

A abertura do evento contou com a exibição de um vídeo com mensagem do presidente do CNJ e do STF, ministro Ayres Britto, que chamou a atenção para "a redução do interesse pelo ingresso na magistratura, provocada, em grande parte, por defasagens remuneratórias em relação a outras carreiras".

“De fato, é preciso valorizar o Poder Judiciário, que passa por um processo, por uma quadra temerária de desprofissionalização no plano remuneratório. Mesmo pelo seu segmento de magistrados, remunerados por subsídio, o Judiciário já não é a carreira atraente de antes”,
afirmou Ayres Britto.

O programa foi lançado pelo conselheiro José Lucio Munhoz, presidente da Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do CNJ.

Ele disse que "o programa surgiu da verificação do problema da má compreensão da coletividade em face do trabalho do magistrado". Surgiu também da percepção de que "o juiz hoje é um profissional sobrecarregado de trabalho e sem estrutura adequada, pressionado por uma estrutura interna que privilegia a quantidade e não a qualidade do trabalho do profissional". (Com informações da Agência CNJ de Notícias).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como deve ser a promoção dos juízes?

Em caso oriundo do RS, o Supremo reconhece a repercussão geral relativa aos critérios para seguimento na carreira. Juízes gaúchos Cíntia Teresinha Burhalde Mua, Sandro Antonio da Silva, Ana Lúcia Haertel Miglioranza e Cristiane Hoppe sustentam posições divergentes.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.