Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

Entrementes, magistrados discutem como melhorar a imagem do Judiciário



Ocorreu na manhã de sexta-feira (24) a solenidade de lançamento do rograma "Valorização dos magistrados: juiz valorizado, justiça completa". É uma iniciativa do CNJ, para juízes e desembargadores da região Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul).

O evento ocorreu na sede da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego), em Goiânia. Os participantes discutiram formas de melhorar a imagem dos magistrados junto à sociedade e, ao mesmo tempo, dar prioridade à qualidade do trabalho por eles executado, não apenas à quantidade.

A abertura do evento contou com a exibição de um vídeo com mensagem do presidente do CNJ e do STF, ministro Ayres Britto, que chamou a atenção para "a redução do interesse pelo ingresso na magistratura, provocada, em grande parte, por defasagens remuneratórias em relação a outras carreiras".

“De fato, é preciso valorizar o Poder Judiciário, que passa por um processo, por uma quadra temerária de desprofissionalização no plano remuneratório. Mesmo pelo seu segmento de magistrados, remunerados por subsídio, o Judiciário já não é a carreira atraente de antes”,
afirmou Ayres Britto.

O programa foi lançado pelo conselheiro José Lucio Munhoz, presidente da Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do CNJ.

Ele disse que "o programa surgiu da verificação do problema da má compreensão da coletividade em face do trabalho do magistrado". Surgiu também da percepção de que "o juiz hoje é um profissional sobrecarregado de trabalho e sem estrutura adequada, pressionado por uma estrutura interna que privilegia a quantidade e não a qualidade do trabalho do profissional". (Com informações da Agência CNJ de Notícias).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Uma ação judicial para buscar R$ 8,10

 

Uma ação judicial para buscar R$ 8,10

Cidadão de Belém (PA) utilizou a Defensoria Pública para o ingresso com uma ação, em 2013, contra o Detran do Estado do Pará. Queria de volta o que havia pago por um serviço não prestado. O juiz, que assumiu a causa recentemente, tirou o dinheiro do bolso para acabar com a quizila.

Penduricalhos em expansão!

União pagará todo o auxílio pré-escolar de juízes e servidores federais. Decisão do Conselho da Justiça Federal invoca que “o Tribunal de Contas da União já expurgou de seu regulamento a cobrança do custeio dos servidores sobre o benefício, alinhando-se à interpretação ora proposta”.

Charge de Alberto Correia de ALPINO Filho - Base de dados do Espaço Vital

Juízes auxiliares do STF ganham mais que os ministros da corte

 

Juízes auxiliares do STF ganham mais que os ministros da corte

Penduricalhos: os magistrados auxiliares recebem, de seus órgãos de origem, o salário-base, além de outros benefícios, entre os quais o auxílio-moradia (R$ 4,3 mil). Adicionalmente, recebem a diferença entre o salário-base e o subsídio que é pago aos ministros do STJ (R$ 32 mil). E poderão embolsar auxílio para pagar aluguel também em Brasília ou diárias.