Ir para o conteúdo principal

Quinta-feira , 23 de Fevereiro de 2017

Entrementes, magistrados discutem como melhorar a imagem do Judiciário



Ocorreu na manhã de sexta-feira (24) a solenidade de lançamento do rograma "Valorização dos magistrados: juiz valorizado, justiça completa". É uma iniciativa do CNJ, para juízes e desembargadores da região Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul).

O evento ocorreu na sede da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego), em Goiânia. Os participantes discutiram formas de melhorar a imagem dos magistrados junto à sociedade e, ao mesmo tempo, dar prioridade à qualidade do trabalho por eles executado, não apenas à quantidade.

A abertura do evento contou com a exibição de um vídeo com mensagem do presidente do CNJ e do STF, ministro Ayres Britto, que chamou a atenção para "a redução do interesse pelo ingresso na magistratura, provocada, em grande parte, por defasagens remuneratórias em relação a outras carreiras".

“De fato, é preciso valorizar o Poder Judiciário, que passa por um processo, por uma quadra temerária de desprofissionalização no plano remuneratório. Mesmo pelo seu segmento de magistrados, remunerados por subsídio, o Judiciário já não é a carreira atraente de antes”,
afirmou Ayres Britto.

O programa foi lançado pelo conselheiro José Lucio Munhoz, presidente da Comissão Permanente de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do CNJ.

Ele disse que "o programa surgiu da verificação do problema da má compreensão da coletividade em face do trabalho do magistrado". Surgiu também da percepção de que "o juiz hoje é um profissional sobrecarregado de trabalho e sem estrutura adequada, pressionado por uma estrutura interna que privilegia a quantidade e não a qualidade do trabalho do profissional". (Com informações da Agência CNJ de Notícias).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

As tartarugas quadrigêmeas

A ´rádio-corredor´ da OAB-RS descobriu mais quatro répteis jurídicos em ação no Estado. Conheça detalhes de como a lentidão forense nacional também é regionalmente gaúcha: quatro ações têm como réu um mesmo deputado estadual.

O Supremo não dá conta e corruptos ficam impunes

Ministro Luís Roberto Barroso vislumbra a perspectiva de que “casos cada vez mais frequentes de investigações contra deputados federais, senadores ou ministros acarretam os óbvios riscos de congestionamento das atividades do STF e de delongas processuais cujo efeito acaba sendo a virtual impunidade dos culpados”.

A polêmica unção de Alexandre de Moraes para substituir Teori

A Ajuris critica a inobservância de quarentena e a vinculação governamental. O presidente Temer teria “agido bem” se tivesse indicado um nome que não tivesse envolvimento com o governo, “ainda mais em plena operação Lava Jato, com diversos políticos sendo citados e que eventualmente possam ser julgados pelo plenário do STF”.

Tartaruga forense em ação

Uma ação por improbidade administrativa contra político gaúcho tramita há seis anos e meio na Justiça do RS e ainda não tem sentença. Cidadão gaúcho questiona “se essa situação é normal ou deve-se ao poder político e mediúnico do deputado”.