Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 28 de Junho de 2016.

OAB orienta advogados sobre lei da lavagem de dinheiro



Advogados não devem abrir dados sigilosos de seus clientes em investigações sobre lavagem de dinheiro. A orientação é do Órgão Especial do Conselho Federal da OAB, que analisou ontem (21) os impactos da nova Lei de Lavagem de Dinheiro (nº 12.683, de 9 de julho) para a Advocacia.

A conselheira federal Daniela Teixeira, que elaborou um relatório sobre a nova norma, entende que os advogados e sociedades de advogados não estão entre as entidades que devem informar suas operações com clientes ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

No documento, a advogada defende que a norma seria genérica e, portanto, não poderia revogar a garantia de sigilo prevista pelo Estatuto da Advocacia - Lei nº 8.906, de 1994. Ela classifica a lei como "louvável",  mas afirma que a obrigação de divulgar os dados quebraria a relação de confiança entre advogados e seus clientes. "Nós temos poder de guardo e sigilo dos dados dos clientes. O advogado não deve ter a obrigação de delatar o seu cliente", diz Daniela.
 
Ela sustentou ainda que "dados sigilosos sejam divulgados apenas com determinação do Poder Judiciário".

O entendimento foi chancelado pelo Órgão Especial ao responder consulta apresentada pelo presidente nacional da OAB, que solicitou urgente estudo e manifestação sobre o tema por parte da Comissão de Estudos Constitucionais da OAB.

Pessoalmente, o presidente Ophir Cavalcante afirmou que "advogados e sociedades de advogados não devem fazer qualquer cadastro junto no Conselho de Controle de Atividades Financeiras e nem têm dever de divulgar qualquer dado sigiloso de clientes que lhe foram entregues e confiados no exercício profissional da atividade".

O Órgão Especial ainda recomendou a elaboração de cartilha a ser distribuída às Seccionais informando da não sujeição dos advogados aos mecanismos de controle da lavagem de capitais previstos nos artigos 9, 10 e 11 da Lei nº 12.683/12. O entendimento será divulgado também às Comissões de Prerrogativas da OAB Nacional e Seccionais para que estas amparem os profissionais da Advocacia que sejam instados a se cadastrar junto ao COAF.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

OAB-RS desagrava advogada depreciada em sentença por magistrado

Juiz fixou honorários sucumbenciais em R$ 150, considerando “ausência de dilação probante e baixíssimo nível técnico do labor prestado”. O mesmo magistrado já tivera um incidente com a advocacia gaúcha em 2011, ao afixar na sala de audiência um quadro com a vaca “Litigation”.

Charge de Gerson Kauer

Julgados do STJ e STF são contrariados, prejudicando o recebimento de honorários sucumbenciais

 

Julgados do STJ e STF são contrariados, prejudicando o recebimento de honorários sucumbenciais

Decisões das cortes superiores – que estão sendo contrariadas pelo TJRS - estabelecem que “a verba honorária constitui parcela autônoma, não é acessória e pode ser desmembrada”. Assim, quando o advogado opta por executar seus honorários nos próprios autos e também o crédito em nome do cliente, forma-se um litisconsórcio ativo facultativo.