Ir para o conteúdo principal

Terça-feira ,27 de Setembro de 2016.

OAB orienta advogados sobre lei da lavagem de dinheiro



Advogados não devem abrir dados sigilosos de seus clientes em investigações sobre lavagem de dinheiro. A orientação é do Órgão Especial do Conselho Federal da OAB, que analisou ontem (21) os impactos da nova Lei de Lavagem de Dinheiro (nº 12.683, de 9 de julho) para a Advocacia.

A conselheira federal Daniela Teixeira, que elaborou um relatório sobre a nova norma, entende que os advogados e sociedades de advogados não estão entre as entidades que devem informar suas operações com clientes ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

No documento, a advogada defende que a norma seria genérica e, portanto, não poderia revogar a garantia de sigilo prevista pelo Estatuto da Advocacia - Lei nº 8.906, de 1994. Ela classifica a lei como "louvável",  mas afirma que a obrigação de divulgar os dados quebraria a relação de confiança entre advogados e seus clientes. "Nós temos poder de guardo e sigilo dos dados dos clientes. O advogado não deve ter a obrigação de delatar o seu cliente", diz Daniela.
 
Ela sustentou ainda que "dados sigilosos sejam divulgados apenas com determinação do Poder Judiciário".

O entendimento foi chancelado pelo Órgão Especial ao responder consulta apresentada pelo presidente nacional da OAB, que solicitou urgente estudo e manifestação sobre o tema por parte da Comissão de Estudos Constitucionais da OAB.

Pessoalmente, o presidente Ophir Cavalcante afirmou que "advogados e sociedades de advogados não devem fazer qualquer cadastro junto no Conselho de Controle de Atividades Financeiras e nem têm dever de divulgar qualquer dado sigiloso de clientes que lhe foram entregues e confiados no exercício profissional da atividade".

O Órgão Especial ainda recomendou a elaboração de cartilha a ser distribuída às Seccionais informando da não sujeição dos advogados aos mecanismos de controle da lavagem de capitais previstos nos artigos 9, 10 e 11 da Lei nº 12.683/12. O entendimento será divulgado também às Comissões de Prerrogativas da OAB Nacional e Seccionais para que estas amparem os profissionais da Advocacia que sejam instados a se cadastrar junto ao COAF.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto de Marco Quintana (Jornal do Comércio, de Porto Alegre).

Determinação judicial para que Banrisul, Banco do Brasil e Caixa Federal normalizem pagamentos de alvarás

 

Determinação judicial para que Banrisul, Banco do Brasil e Caixa Federal normalizem pagamentos de alvarás

Depois do impasse entre o juiz substituto Guilherme da Rocha  Zambrano e a OAB-RS, a magistrada titular da 13ª Vara do Trabalho concede tutela parcial.  Julgado determina que, a partir de hoje (27), Banrisul, BB e CEF assegurem o atendimento aos advogados e jurisdicionados. A ordem é “viabilizar o cumprimento  da compensação de alvarás judiciais de pagamento, nos postos de atendimento e/ou agências existentes nos órgãos da Justiça Estadual, Federal e do Trabalho no RS”.

Possibilidade de fixação de honorários em liquidação de sentença coletiva

Indenização de R$ 49 milhões a ser paga pela Bayer a 700 agricultores. Decisão do STJ reconhece que se a liquidação e a execução são caminhos necessários para a obtenção do direito genericamente reconhecido na ação coletiva, a empresa também deve arcar com a sucumbência advocatícia.

STJ tranca ação penal contra advogado gaúcho

Magistrado da comarca de Caxias do Sul representou ao Ministério Público alegando ter sido caluniado. Rota de colisão entre os dois operadores jurídicos já teve anterior desagravo público concedido pela OAB-RS ao profissional da advocacia.